Não fui eu, foi minha medula óssea

Eu tento parar de pegar no pé dos meus amiguinhos crentes. Juro que tento (nã… nem tanto!). Mas, é sério, às vezes evito um pouco. Até porque, depois que conheci o Pava Blog e tive alguns textos linkados lá, conheci vários crentes muitos ponderados e sensatos, que conseguem discordar de minhas idéias sem atacar minha pessoa.

Mas, todavia, porém, contudo, quando recebo um spam-convite como aquele logo abaixo é como se recebesse um pedido de “July, detona nóis, vai!”.

Olha, eu já ouvi falar de maldição hereditária, cura interior, nuvem da glória de Deus, guerra espiritual, mas “Influência da Iniquidade no DNA”? Oh, my God! Como assiiiiim?!

Fui atrás de saber mais e descobri que alguns dos temas do tal congresso seriam:

– Conexão com os espíritos geracionais;
– Maldições geracionais;
– Cativeiros geracionais (o povo lá gostou da palavrinha ‘geracional’);
– Tronos de iniquidade;

E… fechando com chave de ouro, coroando o samba do crente doido:

– O cordão umbilical espiritual,
e
– O PAPEL DA MEDULA ÓSSEA NA INIQUIDADE!!!

Desculpe o caps lock e a profusão de pontos de exclamação, mas não dá pra resistir! É isso mesmo que você está lendo: a medula óssea tem um papel na iniquidade.

Então, tá explicado, caro pecador inveterado. Você aí sentindo-se péssimo por não conseguir largar a putaria, o cigarro, o orgulho, a sonegação de impostos, a avareza… Mas, no fim das contas, você não tem culpa nenhuma. É um problema da sua medula óssea, of course!

Ju Dacoregio, no blog Heresia loira.

Leia +

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Não fui eu, foi minha medula óssea

Deixe o seu comentário