Pedra fria

Nenhum ponto final é mais definitivo que o anúncio da felicidade eterna. A vida só pode permanecer enquanto a felicidade for uma promessa distante ou uma arca perdida ou ainda uma assumida impossibilidade, como no poeta argentino Almafuerte, para quem “a felicidade humana não entrou nos desígnios de Deus”.

O suicídio da narrativa ocorre quando ela presenteia seus personagens com uma felicidade inalterável. Deus, ao talhar a pedra fria e soprar-lhe as narinas, fez a lança cair irresistível no peito de Abel.

As múltiplas variações do Éden, espiritualistas e materialistas, devem existir apenas como projetos ainda distantes ou objetos perdidos ou mentiras deslavadas. Se o projeto é definitivamente alcançado ou o objeto encontrado ou a mentira desbancada como um erro de interpretação, então o homem volta a ser uma eternamente feliz pedra fria.

Alysson Amorim, no blog Amarelo fosco.

Leia +

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Pedra fria

Deixe o seu comentário