Cruzadas do século 21

Um ônibus lotado, hora do rush. Gente impaciente, apertada, sonolenta, cansada da rotina. Uma voz se destaca entre os grunhidos dos passageiros. É um evangélico pregando sobre sua crença, falando do fim do mundo, do inferno, de Jesus, das “bênças”, e de mais um monte de coisas que não dá para entender direito.

E a mesma cena se repete nas praças, nos panfletos que distribuem nas ruas, no jovem que bate na porta de casa, no rádio, no horário nobre e por toda a madrugada na TV. Por todo lado tem alguém querendo falar sobre Deus e mudar a maneira como vemos as coisas, para que as vejamos do jeito que ele vê – mesmo que o próprio pregador tantas vezes nem saiba bem que ponto de vista é esse que defende.

São as tais das “estratégias de evangelização”. Eu chamaria de “as cruzadas do século XXI”. As igrejas incentivam seus fiéis a anunciarem seu credo às massas, fazem campanhas afirmando que seguem o mandamento divino, que querem “alcançar as nações” para o Senhor Jesus. Será que querem mesmo?

Aqui, eu confesso: acho difícil entender o objetivo disso tudo. Querem um mundo convertido ao cristianismo, mas com que propósito? Tenho a impressão de que o centro está invertido.

Bom, preciso dizer outra coisa: eu também sonho com um mundo transformado pelo cristianismo. Mas, por favor, me entenda e tenha paciência, não um mundo cheio da religião cristã. Isso seria voltar ao erro da inquisição, dos séculos cegos de poder da igreja, da omissão frente às tantas barbáries que se sucederam.

Se for pra ser assim, tô fora, também não quero esse mundo “evangélico” que ao invés de esperança, bota é medo na gente. Se for pra ser assim, estou com Karl Marx e trombeteio que a religião é “ópio” e não salvação.

Um mundo cristão, o do meu sonho, não é o de um povo devoto às tradições da instituição religiosa, homens de gravata, mulheres subjugadas pelos maridos, com hábitos ocidentais e cultura enlatada.

Um mundo rendido a Cristo precisa ser um mundo semelhante ao próprio Jesus. O mundo cristão será lindo. Será povoado de pessoas de caráter irrepreensível, de gente pacífica, bondosa e justa. Será de gente mansa, inteligente, alegre e generosa. De pessoas preocupadas umas com as outras tanto quanto consigo mesmas.

Um mundo convertido a Jesus Cristão não é o que tanto temem os ateus e seguidores de outras crenças. Ao contrário, esse é o mesmo com que sonham todos os justos, é o mundo com que sonha toda a gente que sonha – porque, convenhamos, gente ruim não deve sonhar com nada, tem é pesadelo dos brabos.

O mundo de Jesus é o de gente que vive como ele viveu. Não a vida do personagem inventado pela tradição romana, mas a do Deus que abriu mão de sua condição divina para nascer bebê, crescer como criança e viver como um homem, entre os homens, e a eles mostrar que é possível ser justo em meio à injustiça, ser puro num ambiente corrupto, ser luz num ambiente de trevas. Leia +.

trecho de “Pessoas mudam, o mundo muda”, texto de Luiz Henrique Matos no blog Missão Virtual.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Cruzadas do século 21

Deixe o seu comentário