O pesadelo belga

Eu começaria dizendo que os belgas são conhecidos por seu bom humor, por produzirem um bilhão de litros de cerveja/ano e consumirem, também anualmente, oito quilos de chocolate por habitante. Para nós, o país não é grande, quase uma Alagoas, e cerca de 10 milhões de habitantes.

A crônica teve início em Bruges, a Veneza do Norte, flamenga e medieval, que sobreviveu às guerras e hoje é patrimônio tombado pela ONU. Minha cicerone é Marcela Duarte. Ela me levou até uma esquina e me mostrou uma livraria, Degheldere, em Leemputstraat, 2. Olhei e me arrepiei: na vitrine (foto), livros sobre Hitler, sobre as operações militares do exército nazista e seus generais. A extrema-direita é real e ativa.

Tal realidade me levou a correlacionar politicamente três questões: o federalismo, os nacionalismos e as direitas na Bélgica.

A Bélgica é uma monarquia constitucional parlamentar. Possui um parlamento federal e três parlamentos regionais, que representam as nacionalidades e regiões: Valônia, de idioma francês; Flandres, de idioma flamengo; e o extremo-leste de Flandres, de idioma alemão.

A Bélgica precisa para sua sobrevivência de um projeto político comum, construído por todas as nacionalidades envolvidas na federação, e de respeito pela diferença.

Dentro da tradição socialista, a questão nacional sempre foi diluída no sonho da internacionalização do mundo do trabalho e, por extensão, de toda a humanidade. Kautsky, Berstein, Luxemburgo debruçaram-se sobre a questão nacional sem chegar a um acordo. E na formação da própria União Soviética, o projeto federal foi esmagado pela ditadura. Ou seja, pelo estado centralizado a partir de um centro de poder.

Paul Tillich fez uma leitura das correlações entre cristianismo e socialismo onde procurou, a partir da solidariedade ética, apresentar soluções para os problemas enfrentados pelo socialismo. Leia +.
Jorge Pinheiro, no site Via política.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for O pesadelo belga

Deixe o seu comentário