Marimbundão de fogo (3)

José Sarney (PMDB-AP) disse há pouco que a crise do Senado não é dele, é do Senado. E que ele ocupa a presidência do Senado de fevereiro para cá.

Indiretamente, jogou nas costas dos seus antecessores a culpa pela maioria dos problemas que sujam a reputação do Senado.

Esqueceu que preside o Senado pela terceira vez desde 1995.

Esqueceu que nomeou Agaciel Maia diretor-geral do Senado e que o ajudou a se manter no cargo durante 14 anos. A saída de Agaciel do cargo funcionou como a espoleta que detonou a crise.

Esqueceu que o Senado são os senadores e os funcionários. E que se atravessa a pior crise de sua história, a responsabilidade recai sobre os senadores porque são eles que mandam.

Sarney não é um senador como outro qualquer. Faz política há mais de 50 anos. Foi presidente da República. É senador há 19 anos. Nesse período, ninguém presidiu o Senado contra o voto dele.

Negar a existência de cerca de mil atos secretos produzidos pela direção do Senado, preferir atribui-los a erros ou a falhas técnicas, é debochar da inteligência dos que o ouviram com atenção.

Dizer que os podres do Senado só estão vindo à luz porque ele resolveu investigá-los foi uma lorota da pior qualidade. Deve-se à imprensa a revelação dos podres.

Enfim, foi um discurso pífio o que Sarney fez esta tarde no Senado. Não convenceu sequer seus pares, tão responsáveis quanto ele pela crise.

Ricardo Noblat

Leia +

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Marimbundão de fogo (3)

Deixe o seu comentário