Universo fértil

O universo precisava de Deus para evoluir? Para o padre norte-americano George Coyne, ex-diretor do Observatório Vaticano, não. Esse jesuíta – formado em Matemática, licenciado em Teologia e Filosofia, e doutor em Astronomia – defende que o universo, embora realmente criado por Deus, já continha todos os componentes necessários para que pudesse crescer por conta própria, sem a necessidade de intervenções divinas diretas.

Coyne chamou essa teoria de “universo fértil”, e ela ganhou um reforço quando pesquisadores da Universidade de Manchester, na Inglaterra, conseguiram finalmente criar, em laboratório, alguns blocos componentes do RNA, mostrando como eles poderiam ter surgido espontaneamente nas condições da Terra primitiva. Se o estudo estiver correto, abre espaço para que no futuro seja possível compreender como a vida surgiu no planeta.

Em entrevista por e-mail, Coyne, que é professor na Universidade do Arizona (EUA), fala à Gazeta do Povo sobre esta experiência, critica as pessoas que usam Deus como resposta às questões científicas que continuam em aberto e comenta a relação entre ciência e religião.

Recentemente, cientistas britânicos conseguiram criar nucleotídeos de RNA em laboratório, um passo inicial no caminho até que se possa criar vida em experiências científicas. Como isso se relaciona à sua teoria sobre o “universo fértil”?

Este trabalho mostra que, embora ainda não saibamos como a vida surgiu no mundo, os cientistas estão obtendo grandes passos na aventura de descobrir e explicar as origens da vida. A fertilidade do universo é algo descoberto pelos cientistas, não é algo criado por eles. O “universo fértil” é a melhor explicação científica para mostrar como o universo evoluiu até ser capaz de providenciar as condições para o surgimento da vida. Ao longo de 14 bilhões de anos, bilhões e bilhões de estrelas nasceram e morreram para dar ao universo a abundância de elementos químicos necessários à vida.

O físico protestante Howard van Till alega que teólogos do início do Cristianismo, como São Basílio (330–379) e Santo Agostinho (354–430), já haviam falado do universo como uma criação sem “buracos” que precisassem ser preenchidos por intervenções divinas diretas. O senhor diria que esses santos chegaram a vislumbrar o “universo fértil”?

Em um certo sentido sim, porque eles efetivamente tiveram a intuição de que Deus criou o universo de forma que não precisasse ficar mexendo nele, podemos dizer assim. Mas obviamente Basílio e Agostinho não tinham como saber a idade do universo, o número de estrelas ou a natureza das reações termonucleares – todos ingredientes do “universo fértil”.

Se Deus não é necessário para explicar pontos-chave da história do universo, como o surgimento da vida, o que sobra para Ele fazer no mundo?

Para quem crê em Deus e no fato de que Ele criou o universo, segue-se que Deus continua lidando com a criação, sustentando-a sem interferir nos processos naturais que Ele mesmo designou. Deus é amor, e só isso já é um trabalho em tempo integral. Se você é capaz de entender como dois amantes sustentam um ao outro, é possível começar a compreender como Deus sustenta o universo. Um teólogo poderia aprofundar esta questão, mas minha formação é outra.

As pessoas religiosas acreditam em milagres e na Providência divina, que seriam meios de Deus agir no mundo. Como conciliar essa crença com a visão de um Deus não-interferente?

De fato, Deus opera milagres, dos quais o maior é a ressurreição de Cristo. Então ele interfere no mundo, e também é providente, mas principalmente por meio da própria natureza. Na minha opinião, essas intervenções são muito raras, e compete a Ele, não a nós, decidir quando a Providência age.

Em seus textos, o senhor ataca a noção de “Deus das lacunas”. Na sua percepção, o quanto esta visão está impregnada na mentalidade do crente comum, especialmente entre cristãos e católicos?

Esse modo de pensar ainda é muito comum porque, especialmente no mundo ocidental, Deus é visto mais como um “Deus de explicação” que como um Deus de amor. Como já escrevi em uma ocasião anterior, parece que certos crentes torcem para que nosso conhecimento científico continue apresentando certas lacunas, para que elas possam ser preenchidas recorrendo-se a Deus. Mas isso é o oposto de tudo o que a inteligência humana nos proporciona. O crente é tentado a fazer de Deus uma explicação para aquilo que não podemos entender de outro modo. Especialmente quando sentimos que não há uma explicação científica boa ou razoável para algo, jogamos tudo nas costas de Deus. Leia +.

fonte: Gazeta do Povo
dica do Francisco Salerno Neto

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Universo fértil

Deixe o seu comentário