Tudo que quero na vida é ser palhaço

Sim. Você me leu. Tudo o que quero na vida é ser palhaço. Não. Não estou dizendo isso porque me cansei de ‘ser feito de palhaço’. Não, nada disso. Não quero ser palhaço porque tudo o que acontece na política brasileira é enojante. Não quero ser palhaço porque grande parcela das notícias sobre a igreja cristã evangélica brasileira me deixa indignado. Muito menos quero ser palhaço pra compartilhar uma suposta unção do riso. Não. Nada disso.

Se quero ser palhaço profissional? Daqueles do nariz vermelho e pasta d’água na cara? Daqueles que soltam água pelos olhos e tomam tombos quixotescos? Daqueles que explodem e saem chamuscados, mas voltam limpinhos dois minutos depois? Não sei, mas talvez sim. Ou melhor, sim. Desses mesmos. Tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Tudo bem, você é mesmo engraçadinho. Devia até ser da turma do Stand Up Comedy. Faltava você no CQC. Só mesmo o Tom pra ver graça numa situação dessas. Tom, conta aquela história do dia que o muro caiu quando você encostou nele? O Tom e suas tiradas…

Todas as frases acima não me motivaram a querer ser palhaço. São apenas um apanhado do que ouço e leio de amigos e familiares todos os dias. Até um certo tio, meu antagonista intelectual por afinidade, amor e carinho, salienta meu humor, segundo ele, de péssimo gosto (o que, pra mim, já é um elogio e tanto). De bonachão a parlapatão, todo adjetivo palhacístico já recebi. Mas não são os comentários dos que me cercam a minha motivação pra dizer que tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Já assisti muito a George Savalla, saudoso Carequinha, ao magnífico Waldemar Seyssel, o Arrelia, ao Mazzaropi, aos bons tempos dos Saltimbancos Trapalhões. Já vi os palhaços do Circo Vostok e também do Circo Moscow. Por vídeos, vi os palhaços voadores do Cirque du Soleil. Sempre rio e choro com Chaplin. Já vi rapazes vestidos de palhaço vendendo balinhas no semáforo e dentro de ônibus, em troca de uns trocos. Já vi, e até usei, nariz de palhaço em manifestações estudantis. Vi por toda a infância o Bozo perguntando se eu estava feliz. Vi e aprendi muito com os famosos palhaços europeus. Sim, esses palhaços têm algo a ver com o fato de que tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Mas nas palavras do palhaço Richard Righetti, o palhaço é o derrotado. Diz ele: “Se, no mundo do circo, entra o cara e joga os malabares; o palhaço é aquele que entra e não consegue jogar. O palhaço vem mostrar não suas habilidades, mas suas inabilidades. Ele mostra não o herói, o astro, mas revela o público, aquele que nada pode. Quem assiste, olha e pensa: ‘O palhaço sou eu’”. Por essa definição do Righetti, tudo o que mais quero na vida é ser palhaço. Leia +.

Tom Fernandes, no blog Minha Língua.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Tudo que quero na vida é ser palhaço

Deixe o seu comentário