Rio 2016 (7)

Pesadelo olímpico

Eu sinto por dar uma de estraga-prazeres, mas essa história de Jogos Olímpicos no Rio pode ser a maior vitória de Pirro da história desde que o próprio Pirro destruiu os exércitos romanos na Batalha de Ásculo, em 239 a.C. O pior é que 90% do que li na imprensa são relatos ufanistas de como o Brasil do futuro venceu as potências decadentes, a começar dos norte-americanos, que, apesar de terem mobilizado o próprio Barack Obama, experimentaram humilhante derrota. (Pensando bem, talvez seja melhor assim; que festejemos agora, pois ainda teremos muitos anos para lamentar o dia em que o Rio de Janeiro foi escolhido para sediar a competição de 2016).

Uma imagem exibida pela TV durante a cerimônia de anúncio da cidade vencedora traduz muito bem os meus receios: ali, em meio a Lula, Pelé, Paulo Coelho e outros cabos eleitorais do Rio, despontava Henrique Meirelles, presidente do Banco Central do Brasil. Que diabos um presidente de BC faz numa solenidade essencialmente esportiva? O meu temor é o de que ele tenha viajado a Copenhague como garantia de que o Brasil não hesitará nem mesmo em girar a maquininha de fazer dinheiro, se isso for necessário para a realização dos Jogos. Não sei se isso faz ou não parte do espírito olímpico, mas é fato que não faz parte do espírito de responsabilidade que deve orientar a finança pública.

Dizem que um povo que não conhece a sua história está fadado a repeti-la. Isso é uma tremenda de uma bobagem. É perfeitamente possível que uma nação ignore o seu passado e jamais o reencene, da mesma forma que pode conhecê-lo à perfeição e, ainda assim, recair nos mesmos erros. Em todo caso, a máxima vale por nos lembrar de conferir os precedentes. E é exatamente aí que o sonho olímpico dá lugar ao pesadelo.

Tomemos o caso dos Jogos Pan-Americanos de 2007. Um quinquênio antes, em 2002, quando da candidatura do Rio de Janeiro a sede da competição, o Comitê Olímpico Brasileiro estimara o total de gastos em R$ 414 milhões. A maior parte seria bancada pela prefeitura. Cerca de 20% dos recursos viriam da iniciativa privada. Ao fim e ao cabo, a brincadeira saiu por R$ 3,7 bilhões – nove vezes mais. Evidentemente, mais da metade do dinheiro saiu das burras federais; praticamente nada veio de empresas particulares. Leia +.

Hélio Schwartsman, na Folha Online.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Rio 2016 (7)

Deixe o seu comentário