Ler a Bíblia hoje

Hoje em dia, grande parte dos evangélicos — que jocosamente são chamados de bíblias por quem os vê carregando o livro de capa preta debaixo do braço — não lê as Escrituras, ou as lê muito mal. São raros os que estudam a Palavra de Deus com interesse, de modo contínuo e sistemático.

Mesmo alguns dos pregadores que vemos expostos na mídia, embora exibam a Bíblia aberta nas mãos para citar textos escolhidos sempre sem qualquer critério hermenêutico e frequentemente desentranhados do seu contexto, usam-na apenas no propósito de outorgar insustentáveis fundamentos a uma argumentação vazia de conteúdo exegético e teológico.

Entretanto, o empecilho mais prejudicial à fluida e proveitosa leitura bíblica, que de modo geral a transforma em letra morta e impõe empobrecedoras limitações ao alcance da Palavra de Deus, é o literalismo fundamentalista.

Lemos em Gênesis 26.18-19 que “Isaque tornou a abrir os poços que haviam sido cavados nos dias de seu pai Abraão, pois os filisteus os haviam entulhado depois da morte de Abraão; e deu-lhes os nomes dados por seu pai. E os servos de Isaque cavaram naquele vale e acharam ali uma fonte de águas correntes.” Ou seja: Isaque precisou desentulhar os poços cavados por Abraão, retirando tudo o que os filisteus ali acumularam ao longo do tempo, para poder reencontrar os mananciais, extrair água fresca e saciar sua sede.

Como se não bastasse o fato de lidarmos com os cascalhos naturais do texto bíblico (costumes da época, cenários sócio-culturais de então, a mentalidade oriental de determinados períodos históricos) — que, se não forem retirados com cuidado no processo de garimpagem e interpretação, costumam trazer notáveis prejuízos para a correta aplicação doutrinária e ética na vida dos leitores —, o fundamentalismo despejou nos poços das páginas sagradas uma enorme quantidade de entulhos, obstruindo o acesso dos leitores aos mananciais da Palavra de Deus.

Para não ir muito longe, basta lembrar que o conflito entre criacionismo e evolucionismo perderia muito da sua força se, em vez de lermos a Bíblia sob a funesta sombra da inspiração verbal ou do literalismo que a corrente fundamentalista insiste em preconizar, a questão fosse compreendida a partir de uma metodologia hermenêutica comprometida com a coerência, como a do método histórico-crítico.

Vale também para as Escrituras a advertência de Clarice Lispector: “já que se há de escrever, que ao menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas”. A Bíblia, nesse sentido, constitui-se num livro de entrelinhas, e não de linhas. De princípios, e não de regras. De espírito, e não de letra.

A cartilha fundamentalista, que aqui veio parar através dos movimentos missionários oriundos do sul dos Estados Unidos, região em que o fundamentalismo mais se desenvolveu, ensina-nos a ler a Bíblia com suas lentes de estreita abrangência e foco obtuso. Resultado: a visão fica embaçada e, conseqüentemente, as imagens chegam deformadas.

Para compreender a Bíblia hoje, em face dos novos cenários e inéditos horizontes, faz-se necessário rejeitar as esgotadas fórmulas fundamentalistas de leitura. É preciso lançar fora as interpretações literalistas para aplicar com lucidez os ensinos bíblicos à vida atual. Convém superar as fronteiras reducionistas que herdamos de olhares rasos e medíocres. Exige-se a retirada dos entulhos para que as águas cristalinas da Palavra de Deus sejam redescobertas. Este é o nosso maior desafio.

A não ser que nos contentemos com bebidas artificiais, produzidas para o consumo ligeiro e o lucro fácil.

Há quem goste delas. E, dependendo dos seus nefastos intentos, até as prefere em lugar das autênticas fontes de água viva.

Carlos Novaes
dica do David Curty

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Ler a Bíblia hoje

Deixe o seu comentário