Queremos as peladas de volta

Padre manda apagar imagens de demônios dentro de igreja em SP e fieis se revoltam


Os 14 mil habitantes da cidade de Itajobi, no interior de São Paulo, estão em pé de guerra com o padre da paróquia. Tudo porque ele mandou pintar as paredes de branco e cobriu imagens que haviam sido pintadas na década de 80. As imagens retratatavam demônios, mulheres nuas e blasfêmias contra Jesus e até palavrões. O que poderia ser a solução de um problema, transformou-se em outro maior. Os moradores da cidade incomodados com a atitude de padre dizem que já estavam acostumados às imagens e reclamam que a igreja ficou toda branca.

– As imagens, para nós, já eram um patrimônio histórico – diz um morador.

– Para a gente que nasceu, foi batizada, cresceu e casou aqui na cidade é lamentável que as imagens sejam pintadas. A pessoa para tomar um atitude dessa teria que consultar a população – diz outra moradora indignada.

As imagens com demônios e blasfêmias foram pintadas a pedido do então pároco, de prenome Osmar. Ele teria pedido que as figuras que lembram os pecados descritos na bíblia para lembrar aos fieis que ‘os demônios, as blasfêmias e outros pecados nos rodeiam’. Só que mais de 25 anos depois, seu sucessor preferiu colorir as paredes de branco.

Segundo os moradores, o padre José Anderson, que atualmente chefia a paróquia, não consultou ninguém sobre a pintura. Segundo um morador, o pároco teria dito que estava trocando as instalações elétricas e trancou a porta da igreja. Lá dentro agora só existem paredes brancas. O padre contou que cobriu as imagens por causa da reforma e que não houve censura. De acordo com ele, a maioria dos fieis concordou com a pintura. Não é o que está parecendo.

Jornal Hoje: Veja imagens da igreja sendo pintada

fonte: O Globo
dica da Cristina Danuta

Esse problema jamais ocorreria nos caixotes, digo, templos evangélicos… Na maioria deles, a nudez que predomina é a artística e a arquitetônica.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Queremos as peladas de volta

Deixe o seu comentário