Os gays podem se esquecer dos direitos humanos

Em Uganda, nova frente luta pelos direitos dos homossexuais

Em março de 2009, três cristãos evangélicos norte-americanos, cujos ensinamentos sobre a “cura” do homossexualismo foram amplamente desacreditados nos Estados Unidos, chegaram a Kampala, a capital de Uganda, para uma série de palestras.

O tema do evento, de acordo com Stephen Langa, seu organizador ucraniano, era “a agenda gay – aquela agenda obscura e sinistra” -, e a ameaça que os homossexuais representa para os valores dispostos na Bíblia e a família tradicional africana. Por três dias, de acordo com participantes e gravações, milhares de ugandenses, entre os quais policias, professores e políticos de projeção nacional, ouviram atentamente as palestras dos norte-americanos, apresentados como “especialistas” em homossexualidade.

Os visitantes discutiram sobre como fazer com que homossexuais se tornassem heterossexuais, sobre a sodomização de garotos adolescentes por homossexuais, e sobre como “o movimento gay é uma instituição malévola”, cujo objetivo é “destruir uma sociedade cuja base é o casamento e substitui-la por uma cultura de promiscuidade sexual”.

Agora, os três pregadores se viram colocados na defensiva, e alegam que não tinham a intenção de ajudar a promover a espécie de ira que pode conduzir ao que aconteceu em seguida: um projeto que prevê a imposição de pena de morte para casos de homossexualidade.

Um mês depois da conferência, um político ugandense até então desconhecido que se gaba de ter amigos evangélicos no governo dos Estados Unidos apresentou um projeto de lei de combate ao homossexualismo que ameaça os gays de morte por enforcamento e, como resultado, colocou Uganda em rota de colisão com as nações ocidentais.

Os países doadores de assistência, entre os quais os Estados Unidos, estão exigindo que o governo ugandense abandone a proposta, alegando que ela viola os direitos humanos, ainda que o ministro da Ética e Integridade de Uganda (que já havia ameaçado proibir minissaias) tenha declarado recentemente que “os homossexuais podem se esquecer dos direitos humanos”. Leia +.

Jeffrey Gentleman, no The New York Times [via Humor ateu]
tradução: Paulo Migliacci

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Os gays podem se esquecer dos direitos humanos

Deixe o seu comentário