Clérigos pela evolução e cientistas pela religião

Li um texto publicado no Huffington Post que me chamou a atenção. Michael Zimmerman, Ph.D. em Ecologia, tem participado da discussão sobre criação e evolução por décadas, e no artigo ele pede uma redefinição do debate sobre as teorias de Darwin.

Para Zimmerman, não se trata de um embate entre ciência e religião. Se fosse assim, estariam os clérigos todos entrincheirados de um lado, e os cientistas todos entrincheirados de outro. Mas há muitos clérigos e pessoas religiosas que aceitam sem problemas a evolução. “Ciência x religião” seria, então, uma abordagem simplista demais.

O que Zimmerman alega é que essa questão, em vez de opor ciência e fé, coloca de lados opostos visões diferentes da religião. Uma leitura 100% literal da Bíblia contra outra que aceita a possibilidade de alegorias. Uma mentalidade que, na linha de São Roberto Bellarmino, não descarta as descobertas científicas e busca o significado correto dos textos sagrados a partir dessas descobertas contra uma mentalidade que parte de uma conclusão para só então buscar evidências que apontem para aquela direção.

A argumentação de Zimmerman faz todo o sentido, e não chega a ser novidade. Um leitor deste blog comentou comigo uma vez que o processo de Galileu ocorreu mais ou menos nesses mesmos moldes. Não era uma teoria religiosa contra uma teoria científica, e sim uma polêmica escriturística, sobre a interpretação de certas passagens da Bíblia. Prometo aprofundar esse assunto quando eu conseguir ler o volume lançado pela editora da Unesp com as famosas cartas de Galileu que o levaram a ser processado pela Inquisição.

Mas, voltando ao artigo de Zimmerman, ele cita o Clergy Letter Project, organizado por ele próprio, e que já recebeu, até hoje, quase 12,5 mil assinaturas de padres, pastores e outros clérigos cristãos. A iniciativa teve tanto sucesso que surgiu uma versão para rabinos (quase 500 assinaturas) e outra para os unitaristas-universalistas (pouco mais de 200 assinaturas).

Em seu artigo, Zimmerman afirma: “Diferentes como são, eles têm três coisas em comum: todos aderem firmemente à sua religião, tendo dedicado boa parte de suas vidas a entender e promover o Cristianismo; todos reconhecem o papel central da evolução, defendem que ela seja ensinada nas escolas e entendem que ela não oferece ameaça à fé; e todos têm sido impiedosamente atacados, por causa de suas crenças, por aqueles para quem a única visão de religião que importa é a sua.” De fato, parece que os signatários têm levado mais chumbo dos fundamentalistas religiosos que dos fundamentalistas cientificistas.

Vejam só a íntegra da carta:

Dentro da comunidade de cristãos existem áreas de desacordo e debate, incluindo a maneira correta de interpretar a Sagrada Escritura. Enquanto praticamente todos os cristãos levam a Bíblia a sério e a adotam como autoridade em assuntos de fé e moral, a esmagadora maioria deles não lê a Bíblia literalmente como se faria com um livro de ciências.

Muitas das queridas histórias encontradas na Bíblia – a Criação, Adão e Eva, a Arca de Noé – trazem verdades eternas sobre Deus, os seres humanos e a adequada relação entre o Criador e a criação, expressadas na única forma pela qual essas verdades seriam capazes de ser transmitidas de geração em geração. A verdade religiosa é de uma ordem diferente da verdade científica. Seu propósito não é fornecer informação científica, mas transformar corações.

Nós, abaixo assinados, clérigos cristãos de várias denominações diferentes, acreditamos que as eternas verdades da Bíblia e as descobertas da ciência moderna podem coexistir pacificamente. Acreditamos que a teoria da evolução é uma verdade científica basilar, que passou por rigoroso exame e na qual se baseia muito do conhecimento e dos avanços humanos. Rejeitar essa verdade ou tratá-la como “uma teoria a mais no meio de outras” é deliberadamente abraçar a ignorância científica e transmiti-la às nossas crianças.

Acreditamos que entre os grandes dons de Deus está uma mente humana capaz de pensar criticamente, e a falha ao empregar corretamente esse dom é uma negação da vontade do Criador. Defender que o plano salvífico de Deus para a humanidade dispensa o uso integral dessa faculdade da razão é limitar Deus, é um ato de arrogância. Nós pedimos às autoridades educacionais para que preservem a integridade do currículo escolar de Ciências reafirmando o ensino da teoria da evolução como componente central do conhecimento humano. Pedimos que a ciência permaneça sendo ciência e a religião continue sendo religião. Diferentes, mas complementares, formas de verdade. Leia +.

Marcio Campos, no Tubo de ensaio.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Clérigos pela evolução e cientistas pela religião

Deixe o seu comentário