Os apóstolos da morte

Após uma semana numa clínica de desintoxicação de notícias de crime, voltei numa sexta-feira de horrores. A perda do cartunista Glauco – assassinado em São Paulo – é realmente lamentável. Ele e o filho, Raoni, foram mortos a tiros disparados pelo estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes. É um crime tenebroso, mas totalmente contextualizado pela época de grandes contradições que vivemos. Um artista decide se recolher e funda na própria casa, na periferia de São Paulo, uma célula do Santo Daime (veja o site da entidade), que é uma seita baseada na busca do autoconhecimento por meio de uma bebida alucinógena, a ayahuasca, que é considerada pelo Conselho Nacional Antidrogas uma droga legal para fins religiosos. O cartunista e seu filho faziam parte da seita, uma comunidade religiosa com o objetivo de paz social e harmonia interior. E, distantes dos perigos e da correria da capital paulista, acabam sendo mortos por um integrante da própria seita.

A primeira versão de assalto sem dúvida pode ter sido uma tentativa de tirar o foco do Santo Daime. Assim como ocorre no corporativismo, todo religioso tem uma tendência natural de proteger as instituições e os valores nos quais se baseiam sua fé. Mas o poder público – polícia, Justiça e Ministério Público – não pode ser conduzido por princípios religiosos. Portanto devem fazer uma investigação rigorosa. Sem medo de até mesmo comprovar que o uso da ayahusca, ainda que legalizada para fins religiosos, teve alguma influência no crime.

Se o assassino faz mesmo parte da comunidade religiosa o episódio traz à tona outro aspecto que pode ser encontrado em outros grupos religiosos: um certo desprezo pela própria fé. E mais: a forte evidência de que cada vez menos a fé religiosa influi no comportamento ético do indivíduo, como diz o jornalista Carlos Fernandes, editor-chefe da revista “Cristianismo Hoje”. A falsa sensação de que não existe mais um deus no controle de tudo leva religiosos a praticarem atos que entram em conflito com princípios éticos e morais não apenas da religião, mas da própria sociedade. Não é à toa que cada vez mais religiosos praticam crimes, inclusive intepretando os livros sagrados a seu bel prazer, e fingindo ignorar o império das leis, regido por uma bíblia que vale para crentes, ateus e agnósticos – o Código Penal.

Nesse ponto, a prisão de três pastores evangélicos acusados de traficar sete fuzis – da Bolívia para São Gonçalo, no Rio – é episódio ainda mais vergonhoso para os que comungam da suposta fé dos criminosos. Eles seriam da Igreja Mundial do Poder de Deus, uma facção da Igreja Universal do Reino de Deus. Seu fundador, Valdemiro Santiago – que se autointitula apóstolo – é ex-bispo da Universal e reza na mesma cartilha mercantilista do bispo Macedo, inspirada por sua vez na Teologia da Prosperidade, que valoriza os bens materiais como sinal de sucesso na fé cristã. Na Teologia da Prosperidade não há lugar para cristãos que sejam economicamente pobres ou tenham alguma doença. A lógica perversa é de que se Jesus levou seus pecados na cruz, você não pode ter uma vida dura, com doenças e falta de dinheiro. A meu ver, é uma teologia apropriada ao modelo do neoliberalismo, da ditadura do mercado, em que você adquire bens e valores na prateleira do supermercado, pagando até com cheques pré-datados. A loja virtual da Igreja Mundial do Poder de Deus dá uma mostra disso.

O que preocupa nesse novo clone da Universal, que parece ser a Igreja Mundial do Poder de Deus, é que três de seus líderes deram um passo além, rumo à ilegalidade, transportando fuzis desmontados para levá-los a uma quadrilha de traficantes. São armas de guerra, que serão usadas para mandar pessoas pro inferno, o lugar que os religiosos tanto temem. Até que se prove o contrário – dando-lhes uma última chance de defesa – esses ditos pastores são nada menos que apóstolos da morte travestidos de homens de Deus.

Saiba mais sobre o assassinato de Glauco.

E aqui veja a história completa dos pastores acusados de traficar armas.

Jorge Antonio Barros, no blog Repórter do crime.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Os apóstolos da morte

Deixe o seu comentário