Deus é um bêbado

Quando nós louvamos a Deus, de acordo com Dionísio, nós começamos com nomes tirados das coisas mais altas, mais divinas: unidade, trindade, bondade, beleza. Mas não há muitos deles, e quanto mais você pensa neles, mais você se dá conta de que, bem, quando se trata de dizer tudo o que há para se dizer sobre Deus, eles não servem muito bem. Então você segue para o próximo nível da existência, onde tem mais nomes e tenta: Deus é um pai, Deus é um Rei, Deus é Senhor, Deus é um pastor, Deus é um servo.

Você poderia prosseguir assim por um tanto de tempo, mas eventualmente vai se dar conta que ainda não é bem suficiente. Então você prossegue falando, louvando a Deus com ainda mais palavras, abrindo a rede do seu louvor até que ele abranja toda a criação, e você se dá conta de que para nomear Deus, para descrevê-lo completamente, você teria que usar todas as palavras que existem; você teria que achá-lo em cada coisa criada: Deus é como um ornitorrinco; Deus é como um lápis; Deus é como uma supernova; Deus é como uma baleia.

Mas você não pode só usar as coisas que são obviamente cool, ou bonitas, ou legais: tudo na criação inteira reflete Deus de alguma forma, e se você quiser fazer o trabalho de nomear Deus integralmente, você tem que ir a lugares menos respeitáveis. Dionísio disse que Deus se ira, que Deus fala palavrão; que Deus se entristece; que Deus dorme e acorda; que Deus se veste com roupas requintadas; Deus é um bêbado; Deus está de ressaca.

Desconfortável, não? Mas aí é que tá: se você não consegue ver algo de Deus nem mesmo na embriaguez, você não está olhando bem o suficiente. Se você está satisfeito em ir à igreja e a cantar as mesmas cinco músicas toda semana, sobre como Deus é Pai, Rei, Pastor, e todos aqueles outros clichês, você não está louvando o suficiente. Se você realmente quer saber quem Deus é, diz Dionísio, você tem que encontrá-lo em todo lugar. Em todo lugar.

Isto, que me impressiona, é um dos melhores argumentos para o conservadorismo, e para preservar culturas e línguas minoritárias. Quando o último Dodo morrer, perderemos uma oportunidade ímpar de compreender quem Deus é. Quando o última pessoa que fala Gaélico morrer, nunca seremos capazes de ver Deus através dos olhos de um Gaelicófono nativo.

Mas é também um ânimo dar boas-vindas à mudança e incentivar inovação: uma nova raça de cachorro significa um novo nome para Deus; nasce o iPod e com ele um novo olhar para o Criador de todas as coisas. Deus está em todo lugar: cultura alta, cultura baixa, animais em extinção, espécies invasivas. Se você não consegue vê-lo, você provavelmente não está olhando bem o suficiente. Deus é um bêbado.

Fonte: Theologies: Theology for normal people
Tradução: K-fé

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Deus é um bêbado

Deixe o seu comentário