Quem gosta das putas?

Luiz Felipe Pondé

“A HIPOCRISIA é a homenagem que o vício presta à virtude”, dizia o moralista francês La Rochefoucauld. “Moralista”, em filosofia, quer dizer anatomista da alma e não alguém que cospe regras em nossa cara.

Hoje a hipocrisia é moeda corrente de grande parte da chamada crítica social. Neste caso, o vício não se vê como vício (o vício aqui é a má-fé em si), mas como consciência social, termo que descreve uma das maiores falácias chiques de nossa época. Quer ver?

Peguemos o caso do filme baseado em “A Morte e a Morte de Quincas Berro d’Água”, de Jorge Amado, e o debate ao redor da felicidade como “vida safada” ou realização livre do desejo que critica e expõe a hipocrisia pequeno-burguesa.

O personagem era um homem com vida medíocre e “respeitável”. É comum criticar a chamada pequena burguesia por sua hipocrisia miserável: emprego medíocre, poupança medíocre, amor medíocre, cotidiano medíocre, em que todos são lobos desdentados, devorando uns aos outros num ritual de opressão mútua. Quincas tem uma vida sem graça e uma mulher típica da pequena burguesia (infeliz, sem sexo, uma megera).

De repente esse homem “se revolta” e mergulha naquilo que muitos intelectuais de então (numa mistura de marxismo de folhetim e Sade popular) veem como crítica social: sua recusa da hipocrisia pequeno-burguesa se materializará num cotidiano de cachaça, mulheres, prostitutas, jogo, enfim, vida mundana.

Suspeito que, se a crítica social, conhecida como uma crítica fincada no tripé “gênero (feminismo e movimento gay) classe e raça”, tivesse surgido há 2.500 anos, não teríamos Aristóteles, santo Agostinho, Shakespeare, Dostoiévski ou Kafka (para citar apenas alguns gigantes que teriam preconceitos de gênero, classe e raça).

Provavelmente, seriam todos monótonos, sem originalidade, castrados, chatos e medrosos, como todo mundo que teme essa turba da crítica social da nova esquerda, uma das piores farsas que já se arrastou pela Terra.

Por que estou dizendo isso? Porque, apesar de dizer por aí que personagens assim “são o máximo” porque caem na “noite de pobre”, Quincas não se salvaria da crítica social hipócrita que domina parte do cenário “culto” contemporâneo.

Afora sua correta farra de pobre, ele é machista (faz uso das mulheres como objeto comprando as “coitadinhas” das putas -acredito que a maioria das putas escolhe essa vida porque gosta da coisa mesmo), “opressor” de sua “esposa vítima” para quem nega a “justa” satisfação de suas necessidades de mulher (ela seria uma vítima do desinteresse de um marido incapaz de amá-la tal como se “exige” dos casais) e alienado, sem questionar a “sociedade injusta que o gerou”. Hoje em dia, o ideal estético da crítica social seria um Quincas castrado.

Outro erro é assumir a hipocrisia como traço “exclusivo” da pequena burguesia. A pequena burguesia tem um modo específico de hipocrisia. Mas maior má-fé é supor que criticar a hipocrisia da pequena burguesia seja superar a hipocrisia porque esta seria um fenômeno “de classe”. Toda a “dialética da luta de classes” se resume na dinâmica que reúne a inveja (dos pobres) e o egoísmo (dos ricos) num rito ancestral de sangue.

A hipocrisia é um elemento intrínseco da dinâmica civilizada (como reconhecem os moralistas franceses, sem por isso fazer o elogio dela). Negar isso (o caráter universal da hipocrisia) é fundar um novo tipo de má-fé, mais falsa ainda, porque se traveste de pureza d’alma.

A necessidade da hipocrisia como elemento da vida civilizada se dá porque os seres humanos não se suportam plenamente. E não há como ser diferente. A “verdade” pode ser mortal na vida social. Alguns sobrevivem graças aos seus vícios, outros perecem graças às suas virtudes.

A força desse personagem não está em seu caráter crítico da pequena burguesia, mas sim em seus vícios (mulheres, bebida, jogos), sem perdão. Fazer dele um herói da “virtude política” seria como lhe dar um enterro “respeitável”, pequeno-burguês, em vez de levá-lo, mesmo que morto, ao bordel, para “ver” suas deliciosas putas.

fonte: Folha de S.Paulo

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Quem gosta das putas?

Deixe o seu comentário