A doutrina Dunga

Guilherme Fiuza

Depois da atuação patética da seleção brasileira contra Portugal, no zero a zero mais lucrativo da história, ninguém tem mais dúvidas: os problemas de Dunga são Juca Kfouri, Alex Escobar, Tadeu Schmidt e demais jornalistas que vieram ao mundo só para chatear o técnico e o time canarinho.

Se não fosse o bombardeio dessas “pessoas ruins” – como diria Adriano, outro injustiçado –, a seleção de Dunga não seria essa ruína medieval que se viu em campo.

Está na cara que os jornalistas abelhudos estão prejudicando o talento de craques como Felipe Mello, Julio Batista, Michel Bastos, Gilberto Silva e Josué. Só não vê quem não quer.

E para que a imprensa não atrapalhe um time brilhante e carismático como esse, só levando a Copa do Mundo para a Coréia do Norte. Lá, sim, Dunga teria paz para trabalhar. O técnico finalmente se sentiria em casa.

Mas o deus de Kaká há de castigar essas pessoas ruins. Essa gente que ousa questionar se o goleiro Julio César tem condições de jogo, só porque ele tinha passado o dia inteiro com a mão na coluna lombar. Pura intriga.

Se Dunga mantém sua seleção escondida, envolta em mistérios, os jornalistas não têm nada com isso. Precisam se acostumar aos mistérios da vida – e da concentração.

Julio César não tem nada, esbravejou o técnico. Aí, numa trombada com um atacante português, sua camisa levantou e expôs a poderosa cinta ortopédica usada pelo goleiro. Normal. Se Cristiano Ronaldo usa topete, por que Julio César não pode usar cinta?

A imprensa tem que se acostumar com as coisas da vida. Minutos antes do jogo contra o adversário mais forte, que ia decidir o primeiro colocado no grupo de classificação, Robinho apareceu no banco de reservas. A maior estrela da seleção (pelo menos em faturamento publicitário) estava sumariamente fora do time. Coisas da vida.

Os jornalistas, esses impertinentes que têm mania de contar tudo para todo mundo, saíram correndo atrás de uma explicação, já com a bola rolando. Veio o grunhido da comissão técnica: o jogador tinha sido poupado, com dores musculares. Ponto.

É ótimo esse jeito Ahmadinejad de ser. Para que questionar tudo? Por que estranhar as coisas estranhas? Por que não aceitar simplesmente os desígnios de Dunga, do deus de Kaká ou da CBF, se a verdade está com eles?

Robinho não tinha nenhum sinal de stress, fadiga ou desgaste anormal. Ao contrário, tinha sido o mais desenvolto nas partidas iniciais. Sabe-se que foi obrigado a pedir desculpas ao grupo por ter concedido uma entrevista fora do campo de concentração – ou melhor, da concentração. De repente aparece barrado do time. E não é posto para jogar nem 15 minutos.

Pode ter sido dor muscular, e pode ter sido tudo, quando não se sabe nada de nada. Lá vai essa gente ruim especular… Vão todos arder no fogo do inferno, seus filhos da piiiiii…

Por seus “desabafos” nessa linha, Dunga pediu desculpas aos torcedores. Eles hão de entender que os pecadores da imprensa destemperam qualquer um. Difícil será se os brasileiros concluírem que as palavras do técnico são menos obscenas que seu time.

fonte: Época

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A doutrina Dunga

Deixe o seu comentário