Das heresias no “louvor”

Robinson Cavalcanti

Vamos fazer um exercício de honestidade intelectual e espiritual? Selecione 100 das mais populares músicas, “gospel” ou “não-gospel”, cantadas nas igrejas das mais diversas denominações protestantes. As mais populares pérolas da nossa Corinhologia.

Fez a Lista? Muito bem! Agora observe quantas delas um muçulmano não teria problema em cantá-las. Achou várias, não é? Agora veja quantas um judeu se sentiria à vontade entoando. São muitas, não é verdade? Continue com os espíritas kardecistas. Se o eixo das musicas é uma ode à Divindade (Deus, Pai, Senhor, Javé) e a recepção de bênçãos para quem canta, há muito de teísmo, de unitarismo, e os seguidores daquelas religiões não-cristãs não veriam problemas em seu canto, na realidade pan-religioso, mas que transmite muita “energia”, “luz”, “paz”.

Continue com a lista na mão, e procure aqueles em que há a palavra Jesus. Agora pense em nossos “parentes distantes” religiosos, das seitas para-cristãs: Mórmons, Testemunhas de Jeová, os da Ciência Cristã, ou os sincréticos como os do Santo Daime. Eles ficariam à vontade cantando essas músicas de um “Cristo genérico”? Numa boa. Ou seja, como o negócio é alimentar o subjetivo com sentimentos positivos, promover catarse e, até, transe, não há conteúdo doutrinário, com os pilares conceituais do Cristianismo bíblico, apostólico, ortodoxo.

Por outro lado, aquelas músicas que falam de Jesus Cristo, cantadas nas igrejas protestantes, são adotadas, tranquilamente, por católicos romanos ou orientais, porque nelas não há nada de especificamente reformado.

Se não há musicas específicas para o Calendário Cristão (Advento, Natal, Quaresma, etc.), fica difícil harmonizá-las com os temas dos sermões, exatamente porque elas se destinam ao sentir e não ao pensar.

A rejeição aos Hinos históricos não se dá porque eles têm melodias “antiquadas”, mas porque eles são teologia cantada, o que é uma chatice… Ninguém está a fim de refletir, mas de curtir! Como uma igreja é a sua teologia, e é o que ela canta, estamos numa pior.

Mas, os pastores não estão nem aí, pois não querem contrariar a freguesia, nem atingir o que traz resultados. Enquanto isso, uma música recente, que fala em Zaqueu, era tocada em radiola de ficha no “Bar do Zé”, alternada com clássicos de Reginaldo Rossi, enquanto a galera prosseguia em seus exercícios lúdico-erótico-etílicos.

Canta meu povo!

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Das heresias no “louvor”

2 Comentários

  1. Paulo Malhiros disse:

    Concordo em partes: sim, devemos ter cuidado para com as letras de certos hinos, porem, cuidado para não se tornar uma caça as bruxas, uma vez que grande parte desses hinos históricos citados no artigo nada mais são do que musicas folclóricas europeias com versões bíblicas, sim, na harpa cristã por exemplo tem Hino da Inglaterra, Hino da Alemanha, Hino da Finlândia, sem contar o monte de melodias tiradas do folclore pagão europeu. Hoje acredito que deus está mais preocupado com o coração de quem louva, que nem no caso das ofertas do homem rico e da viúva, alem de ser muita presunção achar que deus gosta mais de um tipo de musica do que de outro. 

    • elizeu disse:

      os hinos devem estar de acordo com a palavra de DEUS, a qual esta sendo distorcida ultimamente com esses ” louvores” misturados com o mundanismo…

Deixe o seu comentário