Pimenta no Caminho dos outros é Refresco!

Domingo passado, depois de passar o dia na ExpoCristã, fui na Estação SP do Caminho da Graça.
Primeira vez e tal…

Mesmo com a gentileza da Vera e do Paulo, que me deixaram na porta, cheguei atrasado. A reunião já tava rolando, as cadeiras todas ocupadas. Não me lembro da última vez que cheguei atrasado onde quer que fosse. Sem graça, fui lá pro fundão.
Fundão mesmo. Atrás da mesa dos quitutes. Se eu entendi direito a parada, o lanche fica sempre por conta da galera que freqüenta o espaço. Da próxima vez levo uma baguete de escarola com queijo.
Um carinha lá, super gente fina, levantou e foi buscar mais cadeiras. Sentei e fiquei na minha.

Mais duas moças chegaram. Meu self gritou: Beleza! Ultimão não fui eu!
Opa! Uma delas sacou a filmadora e veio falar comigo:
_Ó, eu já falei com o Brega e tá tudo certo.
Tadinha, deve ter imaginado que eu apitasse qualquer coisa ali.
Emendei, mais pra mim do que pra ela:
_Mete bronca.
E lá foi ela, filmar.
Quem me conhece sabe que eu já tava me coçando todo pra filmar também.
Mas, fiquei na minha, né? Não sou o completo descarado.

Tinha um mano lá na frente, cantando uma do Taiguara. Linda.
Depois, tocou Memórias, do Stênio.
_Tô em casa – disse minh’alma..

Bregantim assumiu e convidou a gente pra comer.
E eu não poderia estar melhor posicionado. Mas fui educado e esperei a galera chegar.

Me servi um café e fui falar com o Pavarini, o convidado da noite.
Me apresentei. Ele brincou que, justo na noite em que ele iria aplicar o golpe dos R$900,00, eu apareço lá com a camiseta do $how. Combinamos de, ao final da reunião, filmarmos alguma coisa.
Conversei um pouco com outros dois carinhas, e o Bregantim chamou o Pavarini pra começar o papo.

O Pava foi logo anunciando que sortearia dois livros. Na total descrença de quem nunca foi sorteado na vida, preenchi o meu cupom e coloquei na urna. Quem sabe?
O tema do papo era “Ensaio sobre a cegueira”.
Pavarini falando, slide rolando e eu ali, no fundão tentando sacar a minha filmadora da sacola sem fazer muito barulho. Impossível.
O mesmo mano que descolou as cadeiras, agora tava me ajudando com a sacola. Incomodado com minha aflição. Ou com o meu barulho. #acarneéfraca

Nisso já tinha ido a introdução do Pava. Só consegui filmar a parte da interação com a galera.

Deu pra ver que, mesmo fora do layout do blog, a pimentinha do Pava continua ardida.

Fui pro meu lugar. A reunião já ia terminar. Na hora de orar, larguei a filmadora sobre uma pilha de madeiras e fui abraçar a galera.
O que eu não percebi é que, enquanto eu tava lá interagindo, já tinha uma galera trabalhando pra liberar o espaço.
Pois é! Não viram a minha filmadora e empilharam madeira e mais madeira em cima da bichinha. É claro que a culpa foi toda minha. Do jeito que eu larguei ela lá, os caras não tinham como ver, mesmo.

E eu lá, distraidão, conversando com a Ana Paula Peixer, a tal moça que eu liberei a filmagem, e com a Vanessa. As duas trabalham na Mais Fm, de Joinville. Foram superlegais comigo e, enquanto a gente esperava o Pava, até me entrevistaram pro programa delas na rádio. Não me lembro de nenhuma das minhas respostas. E, acabo de descobrir, de nenhuma das perguntas.

Só quando eu vi que o Pavarini já tava vindo pra filmar é que fui procurar a câmera. Não demorou pra eu perceber a burrada.
Falei pra Ana e pra Vanessa, que minha câmera estava soterrada. Foi mais um suspiro de embaraço do que um pedido de socorro. Mesmo assim, a elas foram logo procurar a tal filmadora. Pedi que não se incomodassem, as madeiras eram pesadas mas, quanto mais eu protestava, mais tábuas elas levantavam. Se eu levantei duas, foi muito.
A filmadora apareceu. I-N-T-Á-C-T-A-!.
Tão sem-graça quanto feliz da vida, agradeci a força feminina.

O Pavarini logo veio e deixou uma palavra de incentivo ao trabalho que estamos fazendo. Eu já ia postar no Pescando, mas é um material tão precioso, que vai pro institucional que estamos fazendo.

Foi muito legal ver o Pava falando sobre esse lance todo de comunicação. Me deu uma vontade enorme de retomar esse blog.
Pra me comunicar. Comunicar algum valor, alguma experiência. Compartilhar algum vídeo.
Claro, nunca serei um Pavarini, que posta duas dúzias por dia.
Mas vou postar de vez em quando.
Valeu, Pavarini!

Apesar da ausência da minha pretinha, gostei muito da Estação SP.
Bregantim foi um amor de pessoa.
Com certeza, volto lá.*

*sujeito a alteração conforme Tiago 4:15
P.S.: não ganhei nenhum livro.

fonte: Pablo, o Silva

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Pimenta no Caminho dos outros é Refresco!

Deixe o seu comentário