Sobre Maria Rita e o dilema “Caminho da Graça é cristianismo light?”

Moisés Lourenço

Falam que o Caminho da Graça é apenas uma instituição light, informal e que possui uma liturgia enxuta. Realmente, o movimento Caminho da Graça nunca pretendeu deixar de ser uma instituição.

Todavia, o que o movimento carimbou no seu desdobramento é o abandono dos rudimentos do Cristianismo e não do Evangelho e entre eles, há uma eqüidistância altamente considerável.

Inicialmente, gostaria de fazer uma consideração:

O movimento não rotula quem são os filhos de Deus pela sua membresia cristã.

Ainda que uma ou outra igreja convencional diga que “ninguém pode julgar ninguém” e que “pode se ter filhos de Deus fora da igreja” fica tácita a idéia de que, ainda sim, a igreja convencional é o portal para o céu, pois, caso seja admitido que “há filhos de Deus fora da igreja”, esses filhos são exceção e esta lógica, a saber, “cotas de salvos no mundo”, me deixa a vontade para denominar as tais igrejas convencionais como instituição light em detrimento àquelas que dizem que “fora da igreja não há salvação”, “Jesus é o Caminho e a igreja institucional é o pré-caminho obrigatório”.

Não é mentira que no movimento, o “light” é notório, mas que se faça a leal distinção: ele só é “light” por ser um movimento comprometido com o Evangelho e tudo que preza por isso é (ou deveria ser) intrinsecamente leve, porém existe a instituição que apenas faz uma dieta em detrimento do Cristianismo e isso, já está fora do perímetro do Caminho da Graça.

A igreja evangélica light, como dei um exemplo num parágrafo acima, é agradável, acolhedora e seus pregadores são coerentes, porém ainda que diga que pode haver “salvos, fora” e “condenados, dentro”, ela separa quem pode e quem não pode comungar da fé cristã com sua régua moral, confessional e comportamental, em outras palavras, ela não concede espaço na mesa de sua instituição para um forasteiro; um samaritano; um peregrino; um transeunte. No máximo, dão um título de “bom samaritano” e o colocam numa galeria de exceções, deixando implícita a idéia de que Deus “pode até salvar um ou outro no mundo” e esses são dignos de serem chamados de filhos de Deus, mas não são aptos para cerrarem o pão da ceia.

A versão diet ou light do Cristianismo abrange aqueles que se opõem à Teologia da Prosperidade, ao legalismo, ao reformismo e etecéteras e ainda que sejam lugares agradáveis e freqüentáveis, elas se diferem do movimento, afinal, elas só agregam na mesa da ceia e dos ministérios, aqueles que lhe aderem, obedecendo às formatações específicas.

Ora, sabemos que separar “os que são e os que não são filhos do reino” é algo que cabe apenas a Deus e ainda sim, fazermos distinção de quem pode celebrar a ceia ou desenvolver um papel na instituição chamada cristã por um viés que exclui pessoas que podem ser filhas do Pai é no mínimo, um paradoxo.

Enquanto a igreja evangélica não ruir as teias que restringe pessoas pelas diferenças, sempre será uma forma em forma da igreja evangélica fundamentalista.

A música “Encontros e Despedidas”, cantada por Milton Nascimento, Maria Rita e outros, expõe como seria uma ambiência que vai além do “light”:

“…A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim, chegar e partir…”

“…A hora do encontro
É também de despedida
A plataforma dessa estação
É a vida…”

Deste modo, ninguém amarraria ninguém e todos seriam iguais sem serem programados em séries, convencidos, aderidos e sem mutilações para se padronizar a fim de ser achar nivelados com os filhos de Deus.

O Caminho da Graça, que não tem uma década, vem “contagiando”, de norte a sul do Brasil e fora do Brasil, de que o perímetro que serve como estadia, não são lugares aqui e acolá senão um grande Pangeia que reúne a todos num só lugar: na palma das mãos de Jesus.

Não há um lugar mais sagrado ou mais propício, onde é preciso fazer ressalvas, restrições e acepções, há apenas uma grande Pangeia onde somos chamados para olhar uns para os outros e vibrar com a notícia: “Ele reconciliou todas as coisas, é privilégio saborear isso e roer até o osso!”

Viver assim é light, é life!

Dessa forma, toda igreja convencional seria apenas uma estação de gente que chega para ficar, voltar, olhar, passar, partir, cear, chorar, rir e crescer.
Deixaria de ser uma ilha que se conserva para si próprio e que se descarecteriza do seu meio.

Deixaria de propagar a implícita mensagem: “Se a sua igreja faz isso, ela está errada. Se você não tem outro lugar para frequentar, fique aí mesmo, pois fora dela, tudo é pior.” Ainda dizem assim: “fique, pois aí é o seu campo missionário”.

(Não que não seja, mas usar isso como álibi para não dizer de que “há vida lá fora” é leviandade).

Nem tudo que é cristão é Cristianismo. Mesmo que dentro do Cristianismo haja uma pluralidade de vertentes diferentes entre si, o Cristianismo não abarca toda manifestação cristã, afinal, a manifestação acontecia antes do nascimento do Cristianismo e pode muito bem acontecer de modo paralelo.
E não me venha dizer que tudo que tenha ritos (ceia e batismo), mentores e etc., seja Cristianismo. Cristianimo nunca foi definido por rito ou mentoria. Rito e mentoria apenas fazem parte do Cristianimo tanto quanto pode existir fora.

Cristianimo é um sistema que se utiliza do Evangelho para provocar uma cultura de identidade confessional que, inexoravelmente, esteja condicionada ao Evangelho em vias do aparelhamento sistêmico, todavia, a manifestação cristã pode existir fora deste sistema que procura viabilizar o Evangelho e que circunscreve quem faz parte ou não.

Se existe controle de quem é e quem não é cristão através de membresia, isso é Cristianismo.

Ninguém é judeu apenas por não acreditar no messias. Pra ser judeu tem que mamar no seio de Abraão, de Moisés e de toda a sua tradição religiosa.
Ninguém é do Cristianismo apenas por crer em Cristo ao ponto de Cristo habitar nele. Pra ser do Cristianismo, tem que provar que é batista, presbiteriano e etecéteras.

Se existe um manifesto cristão sem o encoleiramento, não se pode taxar de Cristianismo, pois para sê-lo é preciso sujeitar as pessoas à membresia e às regras específica daquela religião.

Quem pode ir em uma estação do Caminho da Graça, e que diga-se de passagem, passam por lá, espírita, ateu, evangélico, católico, agnóstico, xintoista e etc, ouvem um Carlos Bregantim dizer que “vocês que vêm, vão, passam e nunca mais voltam, são os “membros””, e afirmar que isso é Cristianismo?

Cristianismo light é isso? Como um lugar onde não oferece membresia e rótulo pode ser chamado de Cristianismo light ou Cristianismo informal?
Um lugar que passa espírita, evangélico, sem-religião ou ateu para ouvir o evangelho e que não ofereça um “público congregacional de carteirinha”, pode se chamar de Cristiniamo? Cristianismo sem cristãos-membros?

Ou melhor:

Se você diz que o Caminho da Graça é Cristianismo, então quem são os “Cristãos-do-Cristianismo” do Caminho da Graça? Os espíritas, os ateus, os sem-religião, os xintoistas, os evangélicos que passam por lá? Isso não faz sentido.

Enfim… O que importa é que podemos encontrar [ou não] igrejas evangélicas lights [penso eu, que aqui o termo fica mais apropriado] por quebrarem os seus próprios tábus de maneira admirável, como também podemos encontrar movimentos que não possuem nenhum cordão umbilical com o sistema e que podem [ou não] vivenciar e anunciar o Evangelho de maneira admirável.

O Caminho da Graça é apenas um movimento cristão que anuncia o evangelho. Os rótulos ficam por conta das variadas interpretações que lêem o que acontecem e dão significados conforme a capacidade de apurar as coisas segundo o seu raso limite de raciocinio, deixando de ir além, a saber, a vasta possibilidade daquilo que pode acontecer, existir e ser enxergado e admitido.

É isso! Entenda o resto com a Maria Rita!
.

.
fonte: Caio Fábio

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Sobre Maria Rita e o dilema “Caminho da Graça é cristianismo light?”

Deixe o seu comentário