NASA faz lista dos melhores e piores filmes de ficção científica

Numa conferência em que pediu aos “manda-chuvas de Hollywood que escrevessem roteiros mais sensatos”, a NASA elegeu os sete piores e melhores filmes de ficção-científica levando em conta seu valor científico. 2012 levou o primeiro prêmio como pior filme por toda aquela diarreia sem fim de ciência duvidosa ao aclamar que o Apocalipse é eminente e que cairá sobre nós como uma fila de dominós, porque o neutrino, uma partícula geralmente (na vida real) não interativa, está supostamente superaquecendo o núcleo da Terra. Ou alguma coisa assim. Ainda não vi o filme, por mais bizarro que isso possa parecer.’

O meu favorito da lista dos “piores” filmes é o Quem Somos Nós?. Qualquer mané com meio palmo de testa que já tenha visto o filme sabe que aquilo é uma maravilha, uma pilha gigantesca de merda e não-ciência. Só que disfarçado de “documentário”, claro.

Fico feliz pela NASA ter dado ao filme o carimbo de ficção-científica, tal como o merece. Ficção-científica das piores, diga-se de passagem. O que é triste é que o Quem Somos Nós? conta já com um movimento inteiro – uma cambada de seguidores e pseudo-cientistas como Deepak Chopra – sempre difundindo as mesmas meias-verdades e fatos distorcidos sobre Física Quântica e sempre prontos para dar gritinhos de espanto com cada nova descoberta. Pelo menos o 2012 não tem nada disso (se bem que também é baseado em um movimento pseudo-científico qualquer que estão falando por aí). Bem, vamos às listas.

OS PIORES

1. 2012 (2009)
O núcleo da Terra está superaquecendo por causa dos neutrinos, que vêm de erupções solares, ou qualquer merda assim, o que faz com que montes de outras merdas aconteçam. Tipo o Everest ser levado por um tsunami. Quando se atinge esse ponto na pornografia das catástrofes naturais, o enredo passa a ser secundário.

2. O Núcleo – Missão ao Centro da Terra (2003)
Também não vi esse ainda, mas é algo sobre o núcleo do planeta parar de girar, o que fode com o campo magnético da Terra. Segundo o Village Voice, é “uma fusão indigesta entre a ciência do pior-cenário-possível na Terra com uma cadência leve como chumbo”. O pior é que nem se quer é “ciência de pior-cenário-possível” porque não é baseado em ciência real.

3. Armageddon (1998)
Acho que podemos considerar a não-ciência nestes filmes como o reflexo do que a maioria do público entende como ciência. Tipo, acho que tem muita gente por aí que acredita que a ideia de explodir por causa de um asteróide pode realmente funcionar e que nem tem noção de que, para arrasar a humanidade, um asteróide nem precisa ser do tamanho do Texas. Um asteróide do tamanho de um micro-ônibus seria o suficiente para apagar uma metrópole do mapa. Outra cena ridícula é quando o russo consegue consertar a nave espacial descendo o cacete na mesma com uma chave-inglesa.

4. Volcano (1997)
Digo o mesmo em relação a este. Acredito que, estando Los Angeles sobre uma fenda nas placas tectônicas, as pessoas podem pensar que essa fenda pode abrir e provocar uma erupção vulcânica vinda do nada. Isto se não entenderem absolutamente nada de Geologia, claro.

“Que calor insuportável!”

5. Reação em Cadeia (1996)
Este filme de ação é sobre uma teoria que ainda não está provada, a chamada “bubble fusion”. Acho que a NASA está de mal com a coisa porque a “bubble fusion” na verdade não envolve nenhuma “reação em cadeia”, nem nada do que sustenta as mentiras hollywoodianas. E é um pouco ridículo terem feito com que a teoria da “bubble fusion” (que não deve ter sido inventada por acaso) parecesse um segredo super bem guardado, desenvolvido para colocar vidas em risco.

6. O Sexto Dia (2000)
Neste filme, a “ciência” trouxe-nos a possibilidade de produzir clones instantâneos de animais e humanos prontos pra utilizar.

7. Quem Somos Nós? (2004)

Depende de quem você chama “nós”.

OS MELHORES

1. Gattaca (1997)
A discriminação no trabalho baseada na seleção por código genético não está muito longe de se tornar realidade.

2. Contato (1997)
Não se preocupem, a comunidade científica não está mantendo em segredo as deslocações interestelares graças por máquinas de teletransporte alienígenas (acho eu). Acho que Contato retrata muito bem a burocracia, as decisões políticas e a loucura geral que iriam rolar se registrassem um contato com vida extra-terrestre. Já para não falar que o filme exibe os meios reais de que dispomos nesta caça aos aliens, o programa SETI, e que o retrata com fidelidade.

3. Metrópolis (1927)

4. O Dia em que a Terra Parou (1951)
Pelo menos retrata nos mínimos detalhes a onda xenófoba dos americanos nos anos 50.

5. A Mulher na Lua (1929)

6. O Monstro do Ártico (1951)

7. Jurassic Park (1993)
Note a sutil ironia do Michael Crichton negando a teoria do aquecimento global.

Teve muita reação do tipo “é para isto que servem nossos impostos?” depois de essas listas terem sido divulgadas, como se fosse trivial a maneira como a investigação científica é abordada nas mídias de massa e como se a não-ciência nos filmes não queimasse o filme da ciência verdadeira, real, desenvolvida nos laboratórios. É óbvio que a comunidade científica discorda disto. E prestem atenção na formidável oportunidade de melhorar o conhecimento científico do público criando simplesmente filmes mais coerentes!

Texto: Michael Byrne. Tradução: VICE BR

Fonte: Vice BR

Comentários

2 ideias sobre “NASA faz lista dos melhores e piores filmes de ficção científica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>