Deus nos livre de um Brasil evangélico

Ricardo Gondim

Começo este texto com uns 15 anos de atraso. Eu explico. Nos tempos em que outdoors eram permitidos em São Paulo, alguém pagou uma fortuna para espalhar vários deles, em avenidas, com a mensagem: “São Paulo é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso”.

Rumino o recado desde então. Represei qualquer reação, mas hoje, por algum motivo, abriu-se uma fresta em uma comporta de minha alma. Preciso escrever sobre o meu pavor de ver o Brasil tornar-se evangélico. A mensagem subliminar da grande placa, para quem conhece a cultura do movimento, era de que os evangélicos sonham com o dia quando a cidade, o estado, o país se converterem em massa e a terra dos tupiniquins virar num país legitimamente evangélico.

Quando afirmo que o sonho é que impere o movimento evangélico, não me refiro ao cristianismo, mas a esse subgrupo do cristianismo e do protestantismo conhecido como Movimento Evangélico. E a esse movimento não interessa que haja um veloz crescimento entre católicos ou que ortodoxos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar “crente”, com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira).

Avanços numéricos de evangélicos em algumas áreas já dão uma boa ideia de como seria desastroso se acontecesse essa tal levedação radical do Brasil.

Imagino uma Genebra brasileira e tremo. Sei de grupos que anseiam por um puritanismo moreno. Mas, como os novos puritanos tratariam Ney Matogrosso, Caetano Veloso, Maria Gadú? Não gosto de pensar no destino de poesias sensuais como “Carinhoso” do Pixinguinha ou “Tatuagem” do Chico. Será que prevaleceriam as paupérrimas poesias do cancioneiro gospel? As rádios tocariam sem parar “Vou buscar o que é meu”, “Rompendo em Fé”?

Uma história minimamente parecida com a dos puritanos provocaria, estou certo, um cerco aos boêmios. Novos Torquemadas seriam implacáveis e perderíamos todo o acervo do Vinicius de Moraes. Quem, entre puritanos, carimbaria a poesia de um ateu como Carlos Drummond de Andrade?

Como ficaria a Universidade em um Brasil dominado por evangélicos? Os chanceleres denominacionais cresceriam, como verdadeiros fiscais, para que se desqualificasse o alucinado Charles Darwin. Facilmente se restabeleceria o criacionismo como disciplina obrigatória em faculdades de medicina, biologia, veterinária. Nietzsche jazeria na categoria dos hereges loucos e Derridá nunca teria uma tradução para o português.

Mozart, Gauguin, Michelangelo, Picasso? No máximo, pesquisados como desajustados para ganharem o rótulo de loucos, pederastas, hereges.

Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. O futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?

Um Brasil evangélico significaria que o fisiologismo político prevaleceu; basta uma espiada no histórico de Suas Excelências nas Câmaras, Assembleias e Gabinetes para saber que isso aconteceria.

Um Brasil evangélico significaria o triunfo do “american way of life”, já que muito do que se entende por espiritualidade e moralidade não passa de cópia malfeita da cultura do Norte. Um Brasil evangélico acirraria o preconceito contra a Igreja Católica e viria a criar uma elite religiosa, os ungidos, mais perversa que a dos aiatolás iranianos.

Cada vez que um evangélico critica a Rede Globo eu me flagro a perguntar: Como seria uma emissora liderada por eles? Adianto a resposta: insípida, brega, chata, horrorosa, irritante.

Prefiro, sem pestanejar, textos do Gabriel Garcia Márquez, do Mia Couto, do Victor Hugo, do Fernando Moraes, do João Ubaldo Ribeiro, do Jorge Amado a qualquer livro da série “Deixados para Trás” ou do Max Lucado.

Toda a teocracia se tornará totalitária, toda a tentativa de homogeneizar a cultura, obscurantista e todo o esforço de higienizar os costumes, moralista.

O projeto cristão visa preparar para a vida. Cristo não pretendeu anular os costumes dos povos não-judeus. Daí ele dizer que a fé de um centurião adorador de ídolos era singular; e entre seus criteriosos pares ninguém tinha uma espiritualidade digna de elogio como aquele soldado que cuidou do escravo.

Levar a boa notícia não significa exportar uma cultura, criar um dialeto, forçar uma ética. Evangelizar é anunciar que todos podem continuar a costurar, compor, escrever, brincar, encenar, praticar a justiça e criar meios de solidariedade; Deus não é rival da liberdade humana, mas seu maior incentivador.

Portanto, Deus nos livre de um Brasil evangélico.

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Deus nos livre de um Brasil evangélico

15 Comentários

  1. Efraim Fidelis Rodrigues disse:

    O Brasil Evangélico..?..de qual “evangelho”..?

    Meu Deus..fico a epensar… como os “Cristãos”  se sentiriam se viessem a saber que o nome de “deus” foi maculado no Velho Testamento por anjos…SIM..proque esta foi a razão da morte de eJesus ( VERDADEIRO DEUS QUE NÃO TEVE SEU NOME MACULADO)  …foi a arazão da morte de Estevão…ao dizer que …UM ANJO FALOU A MOISÉS..O MESMO ANJO QUE TIROU OS  ISRAELITAS DO EGITO PARA DEPOIS MATÁ-LOS NO DESERTO… (Atos : 7 )..

    Como se sentiriam os Cristãos em saber que o “deus do VT habita em trevas (sl. 8:11) sendo que a VERDADE REAL E ABSOLUTA É QUE O VERDADEIRO  DEUS É LUZ E NELE NÃO HABITA TREVAS NENHUMA..?…

    Como se sentiriam os Cristãos em ler o salmo 91 ( “debaixo de suas asas estareis seguros)..?
    Ora SABEMOS QUE SÓ OS SERES ANGELICAIS POSSUEM ASAS…

    Não conheço pessoalmente o Pr. Ricardo Gondim…mas ,   mas me deliciaria se no Brasil hovessem milhares de Gondins ..pois tenho absoluta certeza que o “cristianismo” no Brasil iria se diluiria com a  sua insuplantável inteligência e sabedoria…

    PORTANTO….DEUS NOS LIVRE DE UM BRASIL EVANGÉLICO…

    Efraim Fidelis Rodrigues

    Modesto advogado, aposentado…..mas acima de tudo …BRASILEIRO…

    Jesus te abençoe e te use bastante Pr. Ricardo Gondim…

  2. Waldir Martins Machado disse:

    Acredito que o domínio exercido por qualquer maioria sempre será danoso para qualquer minoria, ou não isto é muito relativo. Outra questão é que o Ricardo Gondim menospreza a inteligência de muitos. Será que todos pensam assim mesmo?

  3. Levar a boa notícia também não significa impôr sua fé aos outros. Se eu quiser ouvir sobre o protestantismo e aquilo que se refere a ele, evagelize-me; mas se eu não quiser, deixe-me em paz (considerando também que meu conceito de ‘paz’ pode ser diferente do seu).

    Pensar na evangelização como “corrida para ver quem consegue mais almas” (meio capitalista isso, né?) ou como imposição de ideias é o maior erro no que se refere à abordagem dos “gentios”, em especial por parte dos evangélicos, embora o Cristianismo como um todo tenha marcada em sua história essa mania de fazer acepção de pessoas (cristãos são bons, o resto é mundano, do diabo), e que aliás é contrária às pregações de Jesus.

    No mais, esse seu final de texto é muito bonito, em teoria, em especial para quem é completamente leigo ou, ainda, alienado do que está escrito na Bíblia como um todo e do que é pregado nas igrejas, sejam elas católicas ou protestantes. Acredito também ser esse “Brasil evangélico” que você diz uma utopia. Ainda bem.

  4. Leandro disse:

    Putz que texto escelente e corajoso. Visão clara que jamais esperaria de um “evangélico”. Espero que a comunidade evangélica tome conhecimento.

  5. Maria catarina disse:

    Fico Feliz por se expressar,mas um dia vc vai cair na real e ver que se converter sera a sua unica saida ….e eu profetizo na sua vida que voce encontrara os caminhos de Deus e sera usado para ganhar muitos mais para ele …e profetizo em nome de Jesus …e Nao fique pensando em um Brasil de evangelicos  …mas pense em comoseria  um Brasil sem Jesus !!!

  6. Luciana disse:

    ah vá.. que texto ridículo, eu sei que muitos (talvez maioria infelizmente) dos intitulados evangélicos não passam de neofariseus, e que o mundo dominado por gente assim não seria muito diferente da desgraça em que vivemos hoje, mas esse texto aí serve pra que? Valorizar a cultura brasileira? Você prefere mesmo Jorge Amado a Max Lucado? Por que? Acha o estilo literário mais rico? Jesus era um carpinteiro que andava com pescadores, se Deus estivesse preocupado com lirismos Jesus teria nascido em Atenas, aliás quer cultura mais rica do que a arquitetura e filosofia do período clássico grego e da qual o apóstolo Paulo trata com total desdém, e você vem lamentar o esquecimento do bumba-meu-boi?

     É verdade que Deus não é rival da liberdade humana, Ele nos deu o livre arbítrio pra gente ver a “coisa linda” que vira a vida quando vivemos pelas nossas vontades, criando nossa cultura sem nos sujeitarmos em obediência à vontade dEle. Vale sempre lembrar que Deus dá a liberdade em Cristo, fora de dEle a “liberdade humana” é apenas escravidão disfarçada.

  7. Marlo disse:

    Luciana diz que o Gondim é elitista, mas acha a filosofia grega clássica infinitamente superior ao bumba-meu-boi. Deus preocupado com lirismo? A maior parte da humanidade não acredita no seu deus nem no seu profeta, não dá pra usar a mitologia cristã como argumento.

    Maria Catarina diz que Gondim deve se converter. Ele é pastor! Autoridade de uma denominação da sua igreja.
    Gondim fala de pluralidade, coisa inerente ao ser humano. O processo evangélico no Brasil é, sim, totalitarista, muito próximo – muito mesmo – à ascensão do nazismo na Alemanha do entre-guerras.
    Que os deuses nos livrem de um Brasil evangélico e – se der, de quebra – nos permita conviver com cristãos verdadeiros, lúcidos como Gondim.

  8. Jobinhocosta disse:

    Deus tenha misericórdia dessa alma!

  9. Johnny Daniel disse:

    Muito bom Riicardo Gondim. Parabéns. E eu digo mais. “DEUS, NOS LIVRE DE UM MUNDO EVANGÉLICO”

  10. Nano disse:

    Se todos os evangélicos fossem como o Ricardo Godim (pastor e autor do texto) eu ficaria menos preocupado… infelizmente por alguns textos aqui, se vê que a grande maioria é realmente de fanáticos ignorantes que não são capazes de aceitar a diversidade nem a livre opinião dos outros… Querem que todos sigam a mesma religião e ai deles se não seguir! É isso aí Godim: deus nos livre de um Brasil evangélico!!!!

  11. Gabi disse:

    O que mais me dá raiva, quer dizer pena ,não são os evangélicos verdadeiros , pois eles seguem a bíblia e não dão mau testemunho a partir de suas atitudes e são o que são e amam a Deus , mas aqueles que se DIZEM evangélicos porque vão na igreja , ou até nem se quer vão , acha bonitinho dizer que é crente , e só dão mau testemunho e levam o nome de Deus em vão ..Porque acham que evangélicos são pessoas “quadradas” que não saem , nao assistem TV, jogo, filmes , que se divertem , que riem ? Acho que o autor do texto deveria se informar mais antes afirmar tais coisas…Já faz muito tempo que os evangélicos não são assim , estamos no século XXI, em que até casamentos homossexuais são aceitos. Por atitudes hipócritas como estas é que os evangélicos são tao mau falados. Mas espero mesmo , que o Brasil não seja evangélico , ou católico ou qualquer outra religião , mas que o Brasil Seja De CRISTO !

  12. Jucyvana Xavier disse:

    O maior erro da igreja católica é não aplicar os costumes
    realmente verdadeiros que é dito dentro da bíblia pois se aplicasse de verdade
    e severamente como é mandado na mesma, a culpa de “radicais””chatos”, bregas, horrorosos, irritantes etc e tal não cairia em evangélicos. Afinal o País seria verdadeiramente Cristão ,e desde o inicio seguiríamos os princípios
    Cristãos e o país não teria outra religião alem da católica de modo que não
    teria tanta falta de conhecimento a cerca do que é dito em todo o texto. Acredito
    que quando falamos devemos ter algo embasado, pq se embasar no que mostra a televisão é muito fácil ! Que tal uma pesquisa no meio evangélico? Respeito a sua opinião e visão porém me desculpe,mas percebo que estás totalmente equivocado .

  13. Rita Almeida disse:

    Excelente texto!! Mas infelizmente vejo o discurso pobre e totalitário do Movimento Evangélico policiando tudo e todos, uma jesuscracia que o próprio Jesus teria condenado, tenho certeza. Que Deus nos livre de um Brasil evangélico!! Amém

Deixe o seu comentário