Jedi, Facebook e Paganismo são as religiões emergentes do século 21?

Barney Jones, conhecido como Jonba Hehol e seu irmão Daniel Jones, ou Morda Hehol, são os fundadores da igreja Jedi no País de Gales

Toda vez que um país realiza um novo censo, algum tema sempre se sobressai. Na Nova Zelândia isso não é diferente. Em 2001, causou surpresa o aparecimento da religião Jedi. Agora, existe a preocupação com o fervor emergente de que uma nova religião chamada Facebook obtenha resultados expressivos no censo deste ano.

O Facebook sequer fazia parte do vocabulário da maioria das pessoas há cinco anos. Porém, com a realização do novo censo em março, cresce a preocupação que o Facebook possa substituir “Jedi” e “Rugby” como a nova religião de apelo popular do país, especialmente entre os mais jovens.

Em 2001, quando o fenômeno da religião Jedi surgiu no censo, o departamento de estatísticas da Nova Zelândia rapidamente a descartou, pensando ser uma questão pontual. Segundo as estimativas de 2001, cerca de 53.000 pessoas responderam que sua religião era Jedi. Em 2006, mais de 20.000 pessoas continuaram a responder da mesma forma. Embora tenha ocorrido uma flagrante redução do número de seguidores, o número de “jedis” há cinco anos era equivalente ao islamismo e maior que membros do judaísmo, Assembleia de Deus, Cientologia e da Igreja do Destino. O novo censo será um verdadeiro teste para o poder de permanência da fé Jedi.

O fenômeno Jedi de 10 anos atrás espalhou-se rapidamente para países como a Austrália e o Reino Unido. O número de igrejas e grupos religiosos que incorporam os princípios da fé Jedi tem se expandido em ritmo acelerado desde o início deste século. Na Inglaterra e no País de Gales, 390.000 pessoas declararam seguir a religião Jedi no último censo realizado no Reino Unido. Como eles também farão um novo recenseamento este ano, especula-se sobre a vitalidade da religião nas ilhas britânicas.

Durante o lançamento oficial do censo no Reino Unido este mês, a questão voltou à tona. O porta-voz esquivou-se, preferindo ironizar: “As pessoas não são obrigadas a responder a pergunta sobre religião. É voluntário. Não acredito que vamos achar muitos que se dizem jedis. Além disso, sem espaçonaves como poderemos chegar até eles?”

Não são apenas os seguidores de Jedi e Facebook que esperam ser reconhecidos. Em manifestação recente, a Federação Pagã do Reino Unido exigiu ter o mesmo reconhecimento de outros credos. A Federação abriga vários tipos de paganismo e afirma que constituem um grupo religioso sério e em constante crescimento. Os pagãos não adoraram um único deus, mas olham para a natureza como algo essencialmente espiritual. Alguns grupos se concentram em tradições e práticas específicas, como a ecologia sagrada, os druidas, a bruxaria, a wicca, o xamanismo, as tradições celtas ou deuses como Odin.

Pagãos ingleses consideram o monumento de Stonehenge um local sagrado

Em 2001, 42.000 pessoas declararam-se pagãs, ocupando o sétimo lugar na categoria religião do censo daquele ano. Alguns especialistas acreditam que o número real seja perto de 250.000. A aceitação disso na prática já vem acontecendo. Em outubro de 2010, a comissão que analisa instituições de caridade do Reino Unido garantiu ao Druid Network o status de fundação religiosa.

Os ateus e humanistas, como a British Humanist Association acreditam que as pesquisas sobre religião no país são enganosas. Eles creditam que na falta de uma resposta melhor, o número dos que se identificam como cristãos é artificialmente grande. Oficialmente, o cristianismo é a opção de 70% da população.

Esta não é uma questão de fácil resolução. O governo entende que a pergunta sobre religião deve ser respondida considerando apenas as verdadeiras. Ou seja, aquela religião que envolve algum tipo de escritura, estrutura de fé, rituais e Deus (ou deuses). Qualquer religião deve envolver todos esses elementos ou pelo menos um deles. Embora muitas pessoas tenham um ritual diário de visualizar e atualizar o status no Facebook, esse provavelmente não pode ser considerado um tipo de ritual religioso.

Para a igreja jedi, trata-se de desconhecimento do Departamento de estatísticas, que reconhece como opções legítimas, por exemplo, o satanismo e a cientologia. Sendo que a última também tem origem em uma obra de ficção escrita nos anos de 1950.

As crenças dos seguidores da religião Facebook não são muito claras. Teólogos já analisaram o fenômeno, mas não o consideram um religião formal, embora admitam que ela está influenciando os conceitos cristãos de comunhão e relacionamento. Os jedis, por sua vez, hoje têm rituais e ensinos formais. Barney e Daniel Jones, que respondem por uma igreja jedi no País de Gales afirmam:

“Nossos ensinamentos são baseados nas palavras do mestre Yoda. Temos também debates de ideias, meditação e relaxamento, visualizações e palestras sobre um estilo de vida saudável… Buscamos o crescimento, a paz interior e uma existência mais plena… Sim, baseamo-nos em filmes, mas aprofundamos as ideias dos filmes e ensinamos o que os cavaleiros jedis devem buscar”.

Eles lembram que já existem igrejas afiliadas nas Filipinas, nos Estados Unidos e que o site www.jedichurch.org tem um fórum público de discussões, permitindo que pessoas de todo o mundo compartilhem de sua fé.

Agência Pavanews, com informações de Scoop, Daily Mail, BBC, Yahoo News e Mirror.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Jedi, Facebook e Paganismo são as religiões emergentes do século 21?

Deixe o seu comentário