A soberania de Deus e a contingência do mundo

Ed René Kivitz

Ainda estamos em meados de março e o ano já ganhou contornos apocalípticos. O ano de 2011 está com cara de fim de mundo. A convulsão social na Tunísia, Egito e Líbia, que rapidamente se alastra contra os governos totalitários no Norte da África e no Oriente Médio, as fortes chuvas que assolam o Brasil em mais um verão de tragédias e catástrofes, e a Tsunami no Japão, seguida de acidente nuclear de proporções ainda desconhecidas, exigem explicações que possam trazer um mínimo de estabilidade e segurança para todos quantos estarrecidos acompanham os noticiários diários.

As explicações para tamanha ebuliência de fenômenos sociais e especialmente cataclismos naturais devem dar um jeito de articular pelo menos três variáveis: a realidade de um mundo hostil, a vulnerabilidade da conduição humana e a ausência, distância ou omissão de um eventual ser superior ou mesmo Deus.

Desde tempos imemoriais a humanidade se debate para encontrar sentido – direção e significado – para fatos que ferem a mínima sensibilidade humana: afinal de contas, esse mundo faz sentido? E o que Deus, se é que existe, tem a ver com isso?

A pergunta a respeito do sentido do mundo, se o mundo faz sentido ou não, quer saber se a vida e seu emaranhado de fatos sociais e fenômenos naturais obedece a uma lógica aceitável à racionalidade humana. Perguntar se o mundo faz sentido implica desejar saber se podemos esperar que as coisas aconteçam segundo um critério moral e bom, ou se a vida segue seu curso indiferente aos princípios de justiça da consciência e do comportamento humanos. Quer saber se por trás das tragédias coletivas e dos infortúnios existe uma lógica que justifique todo o sofrimento humano. Em outras palavras, quem quer saber se o mundo faz sentido está em busca de uma explicação razoável para o Holocausto, a Tsunami e a morte violenta de uma criança.

MATRIZ DE POSSIBILIDADES

1. Deus existe e o mundo faz sentido

2. Deus não existe e o mundo faz sentido

3. Deus não existe e o mundo não faz sentido

4. Deus existe e o mundo não faz sentido

Correndo o risco de ser simplório, sugiro uma matriz de quatro possibilidades para que as duas perguntas, a respeito de Deus e do sentido do mundo, sejam respondidas. Observo que as tradições filosóficas e religiosas podem se encaixar, grosso modo, em pelo menos uma das possibilidades.

1. DEUS EXISTE E O MUNDO FAZ SENTIDO

Este paradigma teológico encontra sua maior expressão no século XVII, entre julho de 1643 e fevereiro de 1649, quando foi realizada na Abadia de Westminster, na cidade de Londres, a histórica Assembléia de Westminster, e surgiram a Confissão de Fé de Westminster, o Catecismo Maior de Westminster, e o Breve Catecismo de Westminster, provavelmente os mais célebres documentos de doutrina cristã reformada de todos os tempos.

Veja estes trechos do capítulo DOS ETERNOS DECRETOS DE DEUS da Confissão de Fé de Westminster:

Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece, porém de modo que nem Deus é o autor do pecado, nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas.

Os decretos de Deus são o seu eterno propósito, segundo o conselho da sua vontade, pelo qual, para sua própria glória, Ele predestinou tudo o que acontece.

As obras da providência de Deus são a sua maneira muito santa, sábia e poderosa de preservar e governar todas as suas criaturas, e todas as ações delas.

As afirmações de Westminster, com suas raízes no pensamento de João Calvino (1509 – 1564), ainda hoje encontram espaço no ensino de muitos teólogos, como por exemplo Mark Talbot e Rick Warren. Veja o que disseram:

Deus determinou cada pequeno detalhe de nosso corpo. Ele deliberadamente escolheu sua raça, a cor de sua pele, seu cabelo e todas as outras características. Ele fez seu corpo sob medida, exatamente do jeito que queria. Uma vez que Deus o fez por um motivo, ele também decidiu o momento de seu nascimento e seu tempo de vida (…) escolhendo o momento exato de seu nascimento e de sua morte.

Deus também programou onde você nasceria e onde viveria para o propósito dele. O propósito de Deus levou em conta o erro humano e até mesmo o pecado.

[Rick Warren. Uma vida com propósitos. São Paulo: Editora Vida]

Nesse segundo estágio da minha chegada à compreensão de como Deus opera em nossas dificuldades e por meio delas, passei a notar que algumas coisas realmente más também são realmente boas, e que, como tais, esses males são de fato ordenados por Deus.

O que significa dizer que Deus ordena alguma coisa? Significa que ele desejou eternamente que aquilo se realizasse.

Vistas no seu todo, as Escrituras realmente asseveram, presumem ou implicam que Deus ordena todas as coisas, incluindo o mal natural e o mal moral.

O ensinamento bíblico é que Deus ordenou, desejou ou planejou todas as coisas que acontecem em nosso mundo desde antes da Criação. Deus é o agente primário – a causa primária, a última explicação – de tudo o que acontece.

Não nego nem por um momento quão difícil pode ser evitar responsabilizar Deus pelos males do mundo simplesmente porque ele ordena todas as coisas. De que maneira um Deus bondoso poderia ordenar o Holocausto? Como ele pode ordenar o abuso sexual até mesmo de uma única criança? Como ele poderia ordenar a morte lenta e dolorosa de alguém que amo? Contudo, como acontece com todas as outras doutrinas cristãs, o teste da verdade dessa doutrina ao é que a consideremos plausível ou atraente, mas que a encontremos nas Escrituras.

[Mark R. Talbot. Liberdade verdadeira: a liberdade que as Escrituras registram como digna de se possuir. In John Piper, Justin Taylor, Paul Helseth [editores]. Teísmo aberto: uma teologia além dos limites bíblicos. São Paulo: Editora Vida, 2006]

Considero as duas citações auto-explicativas. Seguindo a tradição calvinista (em minha opinião, exagerada e deturpada), os dois autores obedecem a uma lógica simples: Deus está no controle do mundo e da história, nada acontece em desacordo com sua vontade soberana, e portanto nenhum mal é gratuito quando visto da perspectiva dos seus propósitos e decretos eternos.

Aqueles que defendem esse ponto de vista acreditam que tudo quanto acontece tem uma razão para acontecer, e na verdade era inevitável que acontecesse, pois o mundo e a história são o desenrolar de uma vontade perfeita de Deus estabelecida desde antes da fundação do mundo. Acreditam que o mundo faz sentido, pois Deus é quem soberanamente lhe ordena, visando a um fim justo e bom. Como disse Talbot: Deus é o agente primário – a causa primária, a última explicação – de tudo o que acontece. O propósito eterno de Deus confere sentido ao mundo.

2. DEUS NÃO EXISTE E O MUNDO FAZ SENTIDO

Os que defendem essa segunda possibilidade se valem dos postulados da modernidade, a saber: a bondade intrínseca do homem, a supremacia da razão, a hegemonia da ciência e a promessa positivista da ordem e progresso. Deus não existe, afirmam, mas o homem é suficiente para decodificar os mistérios do funcionamento e ordenamento do universo, de modo que tudo pode ser administrado e manipulado para funcionar como deve. Isso vale para uma geladeira, um automóvel, o movimento das marés, as fases lunares, as estações climáticas e os ciclos da terra, e até mesmo pessoas e relacionamentos.

O mito moderno esvazia o mundo da presença divina e exalta a potência humana. Toda a esperança recai sobre os ombros das ciências e das ideologias. Como se Freud, Marx e Einstein, e alguns poucos outros, fossem elevados à categoria de divindades que salvariam a humanidade e o planeta de suas mazelas. Nada mais falso. O mundo faz sentido porque a racionalidade humana e o desenvolvimento científico, tecnológico e político–ideológico colocam tudo em seu devido lugar.

3. DEUS NÃO EXISTE E O MUNDO NÃO FAZ SENTIDO

A palavra usada para descrever a compreensão da completa ausência de sentido do mundo é niilismo. Afirma que o universo é indiferente a qualquer princípio moral. Os maus que conseguirem escapar dos tribunais humanos não sofrerão qualquer castigo por sua maldade, nem neste mundo nem em outro mundo, pois não existe um Deus ou qualquer lei metafísica que estabeleça critério de justiça para o mundo: não existe danação eterna no inferno nem reencarnação com peso cármico neativo. Aqui se faz e aqui se paga, e quem escapar de pagar aqui deu sorte, muita sorte.

Nas palavras de Shakespeare, Macbeth, “a vida é breve como uma vela, cuja esperança está sempre no amanhã, mas na verdade não passa de um conto narrado por um idiota, que ao final das contas não significa nada”. Tudo quanto temos é essa vida e nada mais. O mundo não faz o menor sentido, a vida é uma piada de mal gosto.

O resultado dessa postura é o que a filosofia chama de hedonismo – o prazer como critério ético, e que a Bíblia resume na expressão dos cínicos: “comamos e bebamos, que amanhã morreremos”. Uma vez que tudo quanto temos está aqui, o melhor a fazer é aproveitar ao máximo cada possibilidade de prazer e satisfação.

Além apegoa ao prazer, ainda que efêmero, resta o desespero diante da indiferença do mundo e da vida. Como disse o filósofo Albert Camus, o homem vive a tensão permanente entre seu desejo de durar e seu destino de morte, “lançado sobre uma terra cujo esplendor e cuja luz lhe falam sem trégua de um Deus que não existe”. Daí sua observação de que “só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio”. Camus vai concluir que a sina humana é conviver em perene estranhamento com o absurdo da vida: “o absurdo só tem sentido na medida em que não consentimos nele”. Nem o suicídio real, nem o suicídio filosófico redimem a vida humana. O primeiro porque não resolve o absurdo, e o segundo porque se reconcilia com ele, o que é impossível.

Em suma, a afirmação Deus não existe e o mundo não faz sentido diz que não deve esperar qualquer lógica ou critério de justiça no desenrolar da vida.

4. DEUS EXISTE E O MUNDO NÃO FAZ SENTIDO

Das quatro possibilidades, penso que a primeira: Deus existe e o mundo faz sentido, apresenta um Deus muito parecido com o diabo, disposto a sacrificar a vida humana, ou mesmo centenas e milhares de vidas humanas, apenas para fazer uma demonstração cósmica de que está com a razão, satisfazer seus caprichos egocêntricos e afirmar seu controle sobre tudo e todos. É um deus pequeno, com problemas sérios de auto-imagem, que desconhece as categorias dos relacionamentos de amor, que exigem sempre a contra-partida da liberdade. Um Deus que não pode ser contrariado e precisa desesperadamente do divã. Mas, sendo Deus, nem Freud explica. Não bastasse tudo isso, creio que o “Deus causa primária, explicação última de tudo quanto acontece” não é encontrado nas páginas da Bíblia Sagrada e não tem qualquer ponto de conexão com o Abba de Jesus de Nazaré.

A segunda possibilidade de resposta ao dilema das tragédias sociais e naturais: Deus não existe e o mundo faz sentido, implica uma substituição de divindades: sai o Deus da tradição judaico-cristã e entra em cena a racionalidade humana. Cumprem-se a profecia de Chesterton e a observação de Luiz Felipe Pondé: “quando se deixa de acreditar em Deus, passa-se a acreditar em qualquer besteira: na Natureza, na História, na Ciência, na Dinamarca, em Si Mesmo”.

A terceira possibilidade: Deus não existe e o mundo não faz sentido, não me satisfaz, pois, embora traga comigo e nos porões da minha alma o senso de desamparo e um a profunda simpatia pela tradição filosófica do trágico, sou um seguidor de Jesus de Nazaré, aquele mesmo que sofreu o mais horrendo absurdo, desde a injustiça mais escandalosa passando pelo mais cruel abandono divino, e não se perdeu nas trevas do vazio de sentido, refugiado que estava na consciência do amor do seu Abba celestial.

Tenho apenas uma última alternativa de opção na matriz das quatro possibiliaddes: Deus existe e o mundo não faz sentido. Assim creio, e não estou sozinho. Pelo menos desde o Eclesiastes, o Qoelét (o pregador, aquele que fala na assembléia), ando em boa companhia.

A tradição de intérpretes e historiadores bíblicos consideram a possibilidade de que o livro do eclesiastes tenha sido escrito por Salomão, já em sua velhice. Na juventude, escreve o Cântico dos Cânticos, para exaltar o amor romântico e o prazer conjugal. Na meia idade, ocupado em empreender e fazer a vida funcionar, escreve os Provérbios, com sua ênfase em sabedoria pragmática. Mas no fim da vida, expressa toda a experiência de um homem que se aplicou em buscar “saber o que valesse a pena, debaixo do céu, nos poucos dias da vida humana” [2.3] e simplifica sua conclusão célebre expressão do Eclesiastes: Vaidade de vaidades, tudo é vaidade!, ou então: Que grande inutilidade! Que grande inutilidade!, diz o Mestre. Nada faz sentido! Tudo sem sentido! Sem sentido!, diz o mestre. Nada faz sentido! Nada faz sentido! [1.2; 12.8].

Não foi sem razão que o Qoelét afirmou o non sense do mundo e da vida. Ao longo dos seus dias teve a coragem rodriguiana de olhar para a vida como a vida é, sem rodeios e subterfúgios. Seu livro inclui uma lista de fatos absurdos:

Então pensei comigo mesmo: O que acontece ao tolo também me acontecerá. Que proveito eu tive em ser sábio? Então eu disse no meu íntimo: Isso não faz o menor sentido! [2.15]

Nesta vida sem sentido eu já vi de tudo: um justo que morreu apesar da sua justiça, e um ímpio que teve vida longa apesar da sua impiedade. [7.15]

Refleti nisso tudo e cheguei à conclusão de que os justos e os sábios, e aquilo que eles fazem, estão nas mãos de Deus. O que os espera, se amor ou ódio, ninguém sabe. Todos partilham um destino comum: o justo e o ímpio, o bom e o mau, o puro e o impuro, o que oferece sacrifícios e o que não oferece. O que acontece com o homem bom, acontece com o pecador; o que acontece com quem faz juramentos, acontece com quem teme fazê-los. [9.1,2]

Diante deste quadro em que a tragédia e o infortunio estão distribuídos sem levar em conta os méritos e deméritos de suas vítimas, Salomão se dá conta que habita um mundo onde os sábios, os justos e os piedosos não têm quaisquer garantias em termos de proteções especiais contra o sofrimento. O Qoelét percebe que os fatos e fenômenos do mundo convivem com uma boa dose de aleatoriedade e contingência.

A aleatoriedade indica a ausência de padrões determinísticos nos eventos e acontecimentos. Isso significa que na vida mesmo a lei da semeadura e da ceifa (Gênesis 8.22) obedece muito mais às probabilidades do que às certezas: é mais provável que uma pessoa que zela pela prudência e se conduz com sabedoria tenha melhores resultados em sua caminhada, mas isso não é uma certeza absoluta: um justo que morreu apesar da sua justiça, e um ímpio que teve vida longa apesar da sua impiedade. Já a contingência se aplica àquilo que não é necessário, que não se refere à essência ou natureza das coisas. Por exemplo, caso o tronco seja cortado, é natural e necessário que árvore caia ao chão e, dependendo da inclinação do corte, sabemos se cairá para a esquerda ou direita. Mas, conforme observou Salomão, caso a árvore seja atingida por um raio, não saberemos para que lado cairá. O resultado da queda da árvore atingida pelo raio é contingente: Quando as nuvens estão cheias de água, derramam chuva sobre a terra. Quer uma árvore caia para o sul quer para o norte, no lugar em que cair ficará [11.3]. A contingência diz que a árvore pode cair pata qualquer lado, pois a queda da árvore não obedece qualquer padrão determinístico, isto é, o resultado é contingente e aleatório.

Alguém poderia objetar que existe sim um propósito por trás dos eventos e acontecimentos, que aos nossos olhos são aleatórios e contingenciais, mas aos olhos de Deus são determinados por uma necessidade justificada pelo seu propósito eterno. É verdade, é possível que a mão de Deus faça a árvore cair para o norte ou sul, e que isso atenda a um desejo ou vontade de Deus definidos desde antes da fundação do mundo, pois não podemos nem devemos ficar dizendo que Deus pode isso e não pode aquilo. Mas a verdade é que aos nossos olhos, sempre será impossível saber se o resultado foi aleatório, contingente ou ordenado por Deus.

A realidade está bem distante e é muito profunda; quem pode descobri-la? [7.24]

Ninguém é capaz de entender o que se faz debaixo do sol. Por mais que se esforce para descobrir o sentido das coisas, o homem não o encontrará. O sábio pode até afirmar que entende, mas, na realidade não o consegue encontrar. [8.16]

Interpretar fatos históricos (como a Tsunami do Japão) e eventos do cotidiano (como um estúpido acidente de automóvel com vítimas fatais) para tentar fazer encaixar a realidade da vida em nossa lógica que busca preservar o senso de um Deus bom e justo e o sentido de um mundo hostil é uma tarefa impossível. É isso o que a Bíblia ensina:

Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos. [Isaías 55.8,9]

O profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Porque quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?

[Romanos 11.33,34]

NÃO CONFUNDA AS COISAS

O consenso histórico da teologia sistemática está organizado didaticamente descrevendo Deus como onipotente (todo poder), onisciente (todo saber), e onipresente (todo estar). Não há muito o que discutir a respeito, pois qualquer coisa que se diga a respeito de Deus tende ao absoluto, e qualquer que seja o significado disso, Deus é mesmo oni-tudo.

Isso quer dizer, e assim creio, que Deus jamais é surpreendido por algum fato, fenômeno ou evento. Não quero entrar na discussão filosófica a respeito de “o futuro não existe para ser conhecido” nem da proposição de Santo Agostinho que diz que Deus vive no “eterno agora”. Basta que eu diga que acredito que Deus conhece passado, presente e futuro, pois a Bíblia oferece inúmeros exemplos de tal conhecimento: as profecias não apenas apontam o que Deus pretendia fazer no futuro, mas indicam que Deus sabia onde a história estaria no futuro para que pretendesse fazer alguma coisa. Concordo com Ariovaldo Ramos:

Deus não precisa ab-rogar sua sabedoria sobre o futuro para viver intensamente a história, pois Cristo sabia que Lázaro ressuscitaria e, mesmo assim, chorou […] se Deus nada sabe, como pode decretar, uma vez que os fatos não caem de pára-quedas sobre a história, senão como corolário de um sem número de movimentos? Para decretar algo na história é preciso saber onde a história estará em determinado momento, uma vez que decretar é impor uma das variantes possíveis.

Acredito também que Deus não abriu mão de sua soberania e da prerrogativa de agir e interferir no mundo e na história, e justamente por isso, acho absurda a ideia de que o universo e a trama da vida humana estão entregues ao acaso e às contingências. O mundo e a história não estão à deriva.

Mas igualmente considero absolutamente sem sentido e sem fundamentação bíblica a afirmação de que Deus é a causa primeira e explicação última de tudo quanto acontece, ou que tudo quanto acontece atende a um propósito específico de Deus, definido antes da fundação do mundo, e portanto não apenas era inevitável que acontecesse como também aconteceu mediante uma intervenção direta de Deus.

O que acredito é que não é possível à razão humana discernir o que acontece por trás dessa cortina “soberania de Deus / propósito eterno de Deus / contingência do mundo”: a realidade é muito profunda e distante; os pensamentos de Deus são muito elevados e distantes dos nossos pensamentos; os caminhos de Deus são insondáveis e inescrutáveis”.

A questão é que apesar de ser verdadeira a afirmação de que, por definição, Deus é oni-tudo: onipotente, onisciente e onipresente, na prática isso quer dizer muito pouca coisa. Vivemos num ponto cego a respeito do que Deus faz ou deixa de fazer, e também a respeito das reais causas dos fenômenos do mundo e fatos da vida e da história. No máximo, conseguimos ver a mão de Deus olhando o passado, e muito distante, mas jamais no tempo presente, enquanto as coisas se desenrolam e a vida segue seu curso.

VIVENDO ENTRE A SOBERANIA DE DEUS E A CONTINGÊNCIA DO MUNDO

Como viver em um mundo onde a providência e a soberania de Deus se misturam com as aleatoriedades e as contingências? Ofereço duas respostas. A primeira, na verdade, é do Eclesiastes: viva no temor do Senhor.

Em meio a tantos sonhos, absurdos e conversas inúteis, tenha temor de Deus. [5.7]

Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem. Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mal. [12.13,14]

Das muitas possibilidades de interpretação do temor do Senhor, opto pelas mais simples: reverência, zelo, cuidado para com as realidades sagradas, isto é, explicitamente relacionadas a Deus e ao divino. O temor do Senhor é uma postura de quem leva a vida a sério, pois a recebe como graça divina. É uma espécie de senso de responsabilidade presente na consciência de quem sabe estar diante de Deus, e que portanto, deve responder com maravilhamento e gratidão por todos e cada um dos seus atos. Encaro a recomendação de andar no temor do Senhor como uma sugestãlo para que eu pare de me ocupar e preocupar com o que está por trás da cortina “soberania de Deus / propósito eterno de Deus / contingência do mundo”, isto é, aquilo que eu não sei e que está distante ou mesmo impossível à minha razão, e passe a me ocupar mais com aquilo que eu sei e que deve, portanto, determinar minhas crenças, valores e estilo de vida.

Por exemplo, não sei o que se esconde por trás de uma tragédia como a que vitimou centenas e milhares de pessoas nas regiões afetadas pelas chuvas neste verão no Brasil, mas sei que devo pedir a Deus em favor de todas as pessoas que sofrem e devo também me comprometer com as ações de compaixão e solidariedade. Andar no temor do Senhor não arriscar interpretar os fatos e emitir juízos a respeito do sofrimento humano, ao mesmo tempo em que me ofereço para atenuar as dores do maior número possível de pessoas. A resposta bíblica ao sofrimento não é mágica, nem tampouco filosófica e ou teológica, mas prática e ética. Enquanto os gregos discutiam a essência do ser, os hebreus debatiam a justiça e o cuidado dos órfãos e das viúvas.

O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? Não é partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e não recusar ajuda ao próximo? [Isaías 58.6,7]

A religião que Deus, o nosso Pai aceita como pura e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo. [Tiago 1.27]

A segunda sugestão de resposta para qeum deseja viver de maneira saudável num mundo onde a providência e a soberania de Deus se misturam com as aleatoriedades e as contingências é olhar para os fatos e fenômenos da existência através das lentes do caráter de Deus, e não dos seus insondáveis propósitos.

A Bíblia diz e Jesus assim revela que Deus é amor. Nas palavras de François Varillon, Deus não é um “poder que ama”, mas sim “um amor todo-poderoso”. Nas palavras de Ariovaldo Ramos, quando entendemos que Deus é um amor todo poderosos, passamos a crer e compreender que Deus abre mão de fazer tudo o que pode e escolhe fazer tudo o que deve. Mais precisamente, Deus escolhe fazer tudo o que o amor deve fazer.

Paulo, apóstolo, ensina que Deus não cativa pelo poder, mas pelo amor: “o amor de Cristo nos constrange a viver para ele” [2Coríntios 5.14]. A maneira como Deus escolheu ter consigo as suas criaturas, especialmente as que chama filhos e filhas, não é impondo sobre elas seu todo-poder, e muito menos decretando todos os eventos e fatos de suas vidas à luz de um propósito imutável e irrevogável estabelecido desde antes da fundação do mundo à título de expressão de sua autoridade e soberania. Deus nos chama a todos para uma relação de amor, o que exige necessariamente que abra mão de todo o controle. Como bem disse o teólogo Jung Mo Sung, o Deus da Bíblia não é o Deus da ordem e do controle, pois o amor instala, ou, no mínimo, abre espaço e a possibilidade do caos. Onde há liberdade, não existe necessariamente ordem. Mas somente onde há liberdade pode existir o amor.

A relação amor e liberdade explica aquele que é talvez o maior dos escândalos a respeito do Deus da Bíblia e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo: ele pode ser contrariado; assume que nem tudo no universo, no mundo e na história acontece conforme sua vontade, e justamente por isso, e somente por isso é que sofre. Sofre por nossa causa, sofre consoco e sofre por nós, em nosso lugar. Essa é a razão das lágrimas de Jesus às portas de Jerusalém: Deus é amor.

Jerusalém, Jerusalém, você, que mata os profetas e apedrejas os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram! [Lucas 13.34]

Quando se aproximou e viu a cidade (de jerusalém), Jesus chorou sobre ela, e disse: Se você compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz! Mas agora isso está oculto aos seus olhos. [Lucas 19.41,42]

O DEUS PODEROSAMENTE FRACO

O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo é um Deus que não parece Deus. É um Deus que o teólogo francês Etienne Babut chama de poderosamente fraco”,  pois se revela ao mundo por meio de um projeto propositadamente alheio à dominação e sobretudo à onipotência. Sua proposta contesta com determinação as relações de força e poder na organização da vida: Deus é amor. O poder de Deus é um subproduto do Seu amor, pois é o Seu amor que cria aquilo que poder nenhum consegue criar: uma família. O poder produz reinos de escravos. Somente o amor produz um Reino de filhos.

fonte: Blog do Ed René Kivitz

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A soberania de Deus e a contingência do mundo

Deixe o seu comentário