Universitárias inglesas aceitariam viver menos se pudessem ser mais magras

Texto de Ana Cláudia publicado originalmente no blog Boa Saúde

Uma pesquisa realizada com universitárias inglesas fez uma descoberta que os cientistas descreveram como ‘chocante’. Ao analisarem questionários que foram preenchidos por mulheres em um evento de caridade para distúrbios alimentares, eles perceberam que as mulheres entrevistadas trocariam diplomas de educação, milhares de libras de seus salários e sua saúde por um corpo mais magro, aceitando até mesmo perder um ano de suas vidas.

320 mulheres entre 18 e 65 anos participaram do estudo, e 93% delas afirmaram ter tido pensamentos negativos sobre si mesmas pelo menos uma vez na semana anterior ao questionário. 31% delas também admitiram ter esses pensamentos várias vezes durante o dia e 15% os têm diariamente.

“Nós sabemos que mulheres que têm uma imagem negativa de seus corpos, ou que são infelizes com sua aparência, têm mais probabilidade de terem baixa auto-estima. Elas têm mais probabilidade de estarem deprimidas e, também em termos de saúde física, tem mais chances de terem relacionamentos doentios com comida, estarem de dieta, comendo compulsivamente ou se exercitando demais”, explica a Dr. Phillippa Diedrichs, autora do estudo.

o UOL está com uma enquete s/ isso e o resultado aqui é o mesmo: a maioria das brasileiras toparia trocar um ano de vida por alguns quilos a menos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Universitárias inglesas aceitariam viver menos se pudessem ser mais magras

Deixe o seu comentário