Saudade da penitência

Paulo Brabo

Qualquer que seja o futuro do cristianismo, e por várias razões, vai ser necessário abrir espaço para a penitência. Não a penitência da auto-mutilação, mas a do espírito. “Arrepender-se” tornou-se palavra que não significa nem “reformar a conduta” (mais perto do sentido grego original) nem o mais fraquinho e popular “sentir-se mal” – porque, os novos profetas esclarecerão rapidamente, cristão nenhum pode sentir-se mal. Se você está contrito, eles vão tentar fazer você sorrir. “O importante é ser feliz”, esclareceu um cristão experimentado nessas questões.

São Brabo, o monge-lutador medieval que dizia que “o importante é fazer a coisa certa”, discordaria indignadamente.

Na liturgia cristã contemporânea só há espaço, naturalmente, para o louvor. Há cantos e danças, mas se você quiser encontrar espaço para a contrição vai ter de fazê-lo sozinho. Pensando bem, talvez tenha sido sempre assim. Já Jesus salientou que no seu tempo a voz alta que se ouvia no Templo era a do fariseu celebrando de coração “porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros”. A penitente contrição do corrupto cobrador de impostos, batendo no peito de longe e sem levantar os olhos, se alguém ouvia era Deus.

fonte: A Bacia das Almas

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Saudade da penitência

Deixe o seu comentário