Discussão política e religiosa sobre homoafetividade toma conta do Twitter no Brasil e do Youtube nos EUA

Uma proposta de emenda constitucional no Minessota, Estados Unidos, gerou uma ampla discussão naquele país. Uma posição em especial tem chamado atenção e se tornou um viral na internet.

Os políticos de Minnesota estavam discutindo se deviam colocar em referendo no ano que vem uma proibição do casamento gay. O deputado Steve Simon, fez um discurso pedindo que os parlamentares Câmara não coloquem a proibição do casamento gay na Constituição do Estado. O casamento gay já é proibido no estado, mas ele também contestou o tom religioso do debate, pois a maioria das pessoas que favoráveis ao referendo são líderes religiosos ou usam apenas argumentos religiosos. Ele afirmou:

“Eu sou judeu. Comer carne de porco ou moluscos não é algo permitido na minha tradição, mas eu nunca pediria ao governo que impusesse isso aos nossos concidadãos… Temos de ser cuidadosos com a tentativa de afirmar nossas crenças, mesmo que sejam religiosamente válidas, não podem alterar a Constituição do Minnesota.”

Em seguida, fez referência a um líder religioso que testemunhou perante a comissão, afirmando que a sexualidade era um dom de Deus.
“Eu acho que isso é verdade […] pergunto a todos os membros dessa comissão, se isso é verdade, se é mesmo verdade, qual a força moral do seu argumento?. Quantos outros gays Deus precisa criar antes que nos perguntemos se Deus realmente quer ou não que eles existam?”

Ele foi entusiasticamente aplaudido. E o vídeo parece ter agradado também, pois já teve mais de 180.000 acessos no YouTube em três dias. O deputado se tornou uma celebridade nos blogs gays. O colunista das estrelas, Perez Hilton, ajudou a popularizar o vídeo ao postar o discurso e pedir que as pessoas “abram seus olhos, suas mentes e seus corações para mudar!”

O site Gawker acredita que Simon criou “o novo grande slogan” para a luta entre gays e religiosos.

Na mesma audiência da Comissão, o Bispo Bob Battle, da Igreja Bereana de Deus em Cristo, disse acreditar que os gays já têm plenos direitos civis, e que o casamento do mesmo sexo não é o mesmo que o casamento inter-racial, que foi proibido durante décadas nos EUA.

Em uma votação interna dos partidos, a medida foi aprovada por 10 votos a 7. Medida similar também foi aprovada por uma comissão no Senado estadual, no final de abril, depois que os deputados ouviram depoimento emocionado de familiares e apoiadores da reconhecimento da união de casais gays como “entidade familiar”.

No Brasil, a questão foi votada e aprovada por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal. Os dez ministros entenderam que casais gays devem desfrutar de direitos semelhantes aos de pares heterossexuais, como pensões, aposentadorias e inclusão em planos de saúde. Um representante da CNBB teve o direito de se pronunciar, anunciando a posição contrária da Igreja Católica.

O pastor Silas Malafaia, o deputado e pastor Marco Feliciano e dezenas de outros líderes evangélicos usaram a internet para se pronunciar, mandando emails que pediam aos cristãos que se opunham entrarem em contato com os Ministros do STF por e-mail.

Malafaia e Feliciano também usaram o Twitter. E foi justamente no microblog que a discussão esquentou e os problemas começaram.
Primeiro ele convocou os blogueiros e sites evangélicos para se juntar a sua campanha na internet.

Como a campanha não decolou e por julgar que pessoas importantes no meio evangélico se omitiram, disparou críticas a cantores como Ana Paula Valadão, André Valadão, Aline Barros e Fernanda Brum, chamando-os de omissos e vaidosos.

Alguns blogueiros cristãos chegaram a se manifestar sobre esse debate público, como Rodrigo Leonardo do blog Andeiro, que não concordaram com os argumentos e as acusações do pastor.

No final do dia, entre os assuntos mais comentados do Twitter (TTs) estavam  as hashtags #chupamalafaia e #todoscrentechora.

O pastor Malafaia aproveitou a oportunidade para anunciar que sua luta continua. Ele tuitou: No dia 29 de junho, as 15h, faremos um manisto pacifico em frente ao congresso nacional em Brasilia, contra o PL122. Divulgue.”

Agência Pavanews com informações de  Yahoo News, Twitter do @pastorMalafaia e @da20andeiro

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Discussão política e religiosa sobre homoafetividade toma conta do Twitter no Brasil e do Youtube nos EUA

Deixe o seu comentário