Rafinha Bastos posa de Jesus Cristo para revista e diz que gosta de provocar

Em foto polêmica, Rafinha Bastos posou como Jesus Cristo para a edição de maio da revista “Rolling Stone”.

“Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra c****.” O humorista Rafinha Bastos está no palco de seu clube de comédia, na região central de São Paulo. É sábado e passa um pouco das 20h. Os 300 lugares não estão todos ocupados, mas a casa parece cheia. Ele continua o discurso, finalizando uma apresentação de 15 minutos. “Tá reclamando do quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade.”

Até ali, o público já tinha gargalhado e aplaudido trechos que falavam sobre como cumprimentar gente que não tem os braços, o que dizer para uma mulher virgem com câncer, e por que, depois que teve um filho, Rafinha passou a defender o aborto. Mas parece que agora a mágica se desfez. O gaúcho de 34 anos, 2 metros de altura, astro da TV, não está emplacando sua anedota sobre estupro. Os risos começam a sair tímidos e os garçons passam a ser chamados para servir mais bebida. Rafinha aparenta não se dar conta de que algo ruim está acontecendo. Em vez de aliviar, ele continua no tema. “Homem que fez isso [estupro] não merece cadeia, merece um abraço.” Em vez de rir, uma mulher cochicha para alguém ao lado: “Que horror”.

Horas antes, Rafael Bastos Hocsman conversava comigo em outro de seus empreendimentos, um café frequentado principalmente pelo público gay. Desde que passou a apresentar o programa CQC (Custe o Que Custar) , na Rede Bandeirantes, em 2008, seu nome não para de ganhar popularidade. Hoje ele vai ao ar em rede nacional duas noites por semana. Às segundas-feiras, aparece comentando o noticiário de forma irônica no CQC. Às terças, é um dos repórteres de A Liga, baseado em jornalismo investigativo e de grandes temas (obesidade, condições das cadeias, drogas, entre outros). Nestes três anos, comprou um apartamento, teve um filho (Tom, hoje com 6 meses), ficou sócio de um bar, abriu um clube de comédia com o também humorista e colega de TV Danilo Gentili e acaba de lançar o DVD A Arte do Insulto, com o show de stand-up que o deixou famoso no circuito teatral paulistano – em 20 dias, a vendagem ultrapassou 15 mil cópias. A cereja do bolo veio com o carimbo do jornal norte-americano The New York Times, que o cravou como o homem mais influente do mundo no Twitter.

Parece que as coisas vão bem para Rafinha Bastos. Ainda mais se lembrarmos que o esporte preferido dele é incomodar. Seus textos versam geralmente sobre preconceitos e termos politicamente incorretos. Durante os poucos minutos de suas apresentações, é possível passear por um rosário de sacanagens em cima de gordos, carecas, deficientes, cidadãos de Rondônia, judeus, golfinhos e pagodeiros. “A minha comédia não é feita pra todo mundo, véio. E eu não quero que seja. Até agora eu cheguei assim. Eu não preciso popularizar a minha comédia”, ele fala, após um gole de refrigerante. Rafinha não bebe álcool, não fuma, não usa drogas e jura ser fiel à mulher, Junia, com quem está há sete anos. Conhecendo esse seu lado “paz e amor”, seu show fica ainda mais esquisito – ou interessante. O estilo agressivo (que ficou óbvio quando comandou um quadro do CQC, o Proteste Já, que promete lutar pelos direitos dos cidadãos), a altura intimidadora e os vitupérios que solta no palco não combinam com o cara que é gentil com estranhos, gosta de ficar em casa com a família e sempre termina as frases com “meu querido”. De onde vem essa vontade de provocar? Seria uma vingança? Um roteiro ao estilo “garoto nerd sofre bullying na escola e quando faz sucesso passa a xingar o mundo”?

“Nunca fui o ‘zoão’, o piadista. Na aula, eu ficava no fundo.  “Eu me relacionava muito bem. Só que era aquele que, se alguém dava uma brecha, eu fazia um comentário absurdo, que não tinha nada a ver. Sempre fui muito observador para fazer graça.” Mas uma infância feliz correndo na rua e jogando basquete em Porto Alegre, cidade onde nasceu, não diz muita coisa sobre o grandalhão que gosta de pisar nos calos da audiência. Passear pelos verdes anos do humorista se revela uma pista falsa. É preciso cavar um pouco mais.

“Eu sempre fui muito crítico com comédia. Demorei muito para entender que tem gente engraçada em quem eu não vejo a menor graça. Eu não achei a menor graça no Danilo [Gentili] a primeira vez em que eu o vi. Eu falei para o Oscar [Filho, humorista e repórter do CQC]: ‘Você não tem a menor graça, você não tem texto, você não tem nada!’ Foi uma briga de não se falar durante dois anos”, conta, admitindo, em seguida, sua característica sobressalente. “Porque a minha prepotência, a minha arrogância… que eu ainda carrego hoje, eu não perdi isso. Mas, naquela época, eu não respeitava quem estava ao meu redor.”

As coisas se complicam. Agora, além de tentar descobrir de onde vem o gosto pela polêmica, é preciso buscar os motivos da propalada arrogância de Rafinha. Ele diz que já pensou em excluir sua conta do Twitter e  recomeçar do zero. “Não seria do c… fazer isso? Eu penso em apagar a conta e começar tudo de novo”.

Comenta ainda que o título de personalidade mais importante do Twitter, escolhido pelo jornal ‘The New York Times’ não mudou nada em sua vida. “Pessoalmente isso não me tocou, não. Profissionalmente me tocou porque dei entrevistas. Grana, rolou pouca coisa.” E proseguiu: “Eu sou f***. Eu sou muito f***. Não precisa o Twitter me dizer, não precisa o fã me dizer… Minha mulher, talvez, eu até goste. Meu pai. E acaba aí”, disse.

O humorista revelou ainda que gosta não perde a piada. “Eu gosto de incomodar. Eu não gosto de achar que estou querendo educar ou passar uma lição. Tem muita merda que a gente pensa. E, se a piada for boa, tem que entrar.”

Sem papas na língua , ele revela que já pensou em jogar tudo para o alto e recomeçar. “Às vezes tenho vontade de falar: f… essa m… toda. Vamos começar do zero. Vamos para Nova York, viver a mesma coisa que vivi em São Paulo. Não é estresse nem nada. Ia ser um desafio”, completou.

Com informações de O Dia e Rolling Stone

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Rafinha Bastos posa de Jesus Cristo para revista e diz que gosta de provocar

Deixe o seu comentário