Jair Bolsonaro: “Sou um católico que, por 10 anos, frequentou a Igreja Batista”

Publicado originalmente na Época

A maioria dos parlamentares foge de discussões sobre temas polêmicos. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) faz questão de correr ao encontro de alguns deles. Ex-capitão do Exército, Bolsonaro sustenta posturas radicais, como a defesa do período da ditadura militar (1964-85). Em defesa de suas opiniões, Bolsonaro comete erros históricos, por exemplo, ao dizer que durante os vinte anos do governo militar havia liberdade e pleno emprego no Brasil. Recentemente, Bolsonaro assumiu o protagonismo na oposição ao projeto que torna crime ataques a homossexuais e ajudou a derrubar a distribuição de kits contra homofobia nas escolas. Na semana passada, após ser absolvido em um processo disciplinar no Conselho de Ética, Bolsonaro respondeu às perguntas dos leitores de ÉPOCA.

Gostaria de saber qual seria a sua reação se alguém de sua família decidisse abertamente pela homossexualidade.
Pio Barbosa Neto, CE
Jair Bolsonaro –
Seria problema dele. Se essa fosse sua opção para ser feliz não estaria (nem poderia) ser proibido por mim mas, certamente, não iria me convencer a frequentar minha casa.

Qual o limite entre a liberdade de expressão e a ofensa à dignidade daqueles que não se enquadram na sua concepção, como os homossexuais?
Alexsandre Victor Leite Peixoto, AL
Bolsonaro –
Minha luta vitoriosa no Congresso foi contra a distribuição do kit gay nas escolas do 1º grau. Não podia me omitir diante do material que estimulava nossos meninos e meninas a ser homossexuais. E deviam se orgulhar dessa condição. No mais, tudo é demagogia, pois certamente não acredito que nenhum pai possa se orgulhar de ter um filho gay. Homossexualismo é comportamento.

Se você estivesse precisando de uma transfusão de sangue e o único sangue doado fosse de um homossexual, aceitaria a transfusão?
Matheus Nunes, RJ
Bolsonaro –
O risco de ser contaminado com o sangue de homossexual é 17 vezes maior do que com o de heterossexual. Duvido que alguém aceite sangue doado por homossexual sabendo desse risco. Cuidar da minha saúde é diferente de ser preconceituoso.

O que o senhor acha sobre a possibilidade de adoção de crianças por pais homossexuais?
Daniel Tonatto, RS
Bolsonaro –
Somos produtos do meio. Uma inocente criança adotada por pais (?) homossexuais certamente será influenciada e possivelmente seguirá o exemplo dos mesmos. Em vez de aceitar a mentira de que é melhor uma criança ser adotada por casal homossexual, prefiro uma séria política de paternidade responsável.

O senhor não acha que estão querendo acirrar ainda mais a homofobia, tratando os homossexuais com diferenciação?
Luiz Curvelo, RJ
Bolsonaro – O PLC 122 que está para ser votado no Senado visa, por exemplo, a condenar de 2 a 5 anos uma pessoa que se negue a vender sua bicicleta a um homossexual. Se aprovado, fará com que um homicida cumpra menos anos de prisão do que quem chame alguém de gay ou bicha.

Se o PL122/06 fosse aprovado, intimidaria os assassinos de homossexuais. Qual seria a ação que o Legislativo deveria tomar para garantir os direitos da população LGBT?
Camilo Oliveira, RJ
Bolsonaro –
A maioria dos homossexuais é assassinada por seus respectivos cafetões, em áreas de prostituição e de consumo de drogas, inclusive em horários em que o cidadão de bem já está dormindo. O PLC 122, na prática, criará uma categoria de vítimas privilegiadas, ou seja, com proteção especial em virtude de sua opção sexual. Assassinar um heterossexual é menos grave que matar um homossexual. Hoje, por exemplo, mais de 10 esposas/companheiras são assassinadas por dia. O que intimidaria a prática de qualquer crime seria a certeza de punição rápida e justa, sendo a pena cumprida em sua totalidade sem qualquer regalia e com trabalhos, ainda que forçados, que pagassem o sustento do preso.

O senhor diz que bateria no seu filho, caso ele fosse efeminado. Frases desse tipo não são, na verdade, uma tentativa de aparecer na mídia e, assim, se eleger novamente?
Flávia de Oliveira, SP
Bolsonaro –
Quando se perde o argumento me acusam de estar à procura de votos. Se posso mudar o comportamento de um filho agressivo ou desrespeitoso por que não poderia mudar o efeminado com a mesma atitude? Homossexualismo, como regra, é comportamento e não genética.

O senhor acha que um deputado federal precisa ser desprendido de preconceitos para avaliar com mais imparcialidade as leis?
Suzan Vitorino, PE
Bolsonaro –
O Congresso é formado por pessoas de todas as vertentes da sociedade e cada parlamentar tem o dever de defender as ideias que o seu eleitorado lhe confia. Se lutar para impedir a distribuição do kit-gay nas escolas de ensino fundamental com a intenção de estimular o homossexualismo, em verdadeira afronta à família é ser preconceituoso, então sou preconceituoso, com muito orgulho.

O Estado por lei deve ser laico. Você não acha errado, como deputado, usar argumentos religiosos para reforçar sua crítica contra homossexuais?
Diego da Cunha, RJ
Bolsonaro –
O Estado é laico, mas seu povo não. Somente católicos e evangélicos somam mais de 90% de brasileiros. A religião é fator de união dos povos e não pode ser desassociada da família, dos bons costumes e da moralidade.

Gostaria de saber se o deputado segue algum tipo de religião.
Suzana Marques, RJ
Bolsonaro –
Acredito em Deus, essa é a minha religião. Sou um católico que, por 10 anos, frequentou a Igreja Batista.

Qual a sua opinião sobre a legalização da maconha?
Carlos Magno, RJ
Bolsonaro –
Entendo que a “Marcha da Maconha” faz apologia ao consumo da maconha, porta de entrada para as drogas pesadas. Estudos sérios indicam que o uso da maconha causa grandes malefícios aos seus usuários, particularmente aos mais jovens e, por esse motivo, sou contra a legalização.

Qual a opinião do senhor sobre a democracia?
Paulo Azevedo, RJ
Bolsonaro –
Vivemos um período de pleno emprego, segurança, liberdade e respeito entre 1964 e 1985. Se houver uma pesquisa entre pessoas com idade superior a 60 anos tenho certeza de que a quase totalidade concordará com essa afirmação. Hoje temos medo de ir à escola, pois corremos o risco de sermos assaltados ou assassinados, mesmo durante o dia. Nossa “democracia” é governada por “líderes” que idolatram “democratas” como Fidel Castro, Hugo Chávez, Ahmadinejad e Khadafi.

Várias vezes o senhor comentou em entrevistas que era a favor de uma possível volta do governo ditatorial no Brasil. Por quê?
Rafael Lima de Oliveira, CE
Bolsonaro –
É mentira que o regime militar foi uma ditadura. Foi uma necessidade para aquele momento, e a adoção do regime foi motivada por anseios de todos os segmentos da sociedade, incluindo a mídia em geral e a igreja. Essa afirmativa pode ser comprovada com a leitura de jornais e revistas da época. Há 25 anos os militares são vilipendiados diuturnamente, inclusive acusados de torturadores, e as Forças Armadas permanecem como uma das instituições mais confiáveis do país, o que induz ao entendimento de que fizeram um bom governo.

Se o senhor se diz partidário da família, dos bons costumes e dos cristãos, por que ser defensor da ditadura?
Raquel Pereira de Medeiro, SP
Bolsonaro –
É uma grande mentira atribuir o adjetivo de ditadura ao regime implantado no Brasil, no período de 1964 a 1985. Ditadura, à época, existia em Cuba e perdura até os dias atuais, onde os integrantes da cúpula do nosso governo vão passar férias e idolatram Fidel Castro. O que os militares fizeram naquele momento foi evitar a implantação da ditadura do proletariado que, certamente, estaria perdurando até os dias atuais, a exemplo de Cuba.

Em qual aspecto o senhor sente mais falta do regime militar?
Darlan Westphal Bittencourt da Cunha, SC
Bolsonaro –
Do respeito às autoridades, aos professores, do pleno emprego, da segurança e da seriedade como se tratava a coisa pública. Não há notícia de um só oficial-general, coronel, capitão ou sargento que tenha enriquecido. Essa foi a principal causa do Brasil ter passado da 49ª para a 8ª economia mundial, os militares não eram corruptos. Leia +.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Jair Bolsonaro: “Sou um católico que, por 10 anos, frequentou a Igreja Batista”

14 Comentários

  1. Desculpa ae, mais o Pavablog foi meio sensacionalista com o título que deram ao artigo

  2. Igor Lacerda disse:

    QUE NOJO! Mais uma vez a falta de bom senso venceu, e isso é lamentável.

  3. Adams Damas disse:

    Como diz a música: “paz sem voz não é paz, é medo.”

  4. Adams Damas disse:

    Como diz a música: “paz sem voz não é paz, é medo.”

  5. karen de souza disse:

    Não concordo com o que ele diz. Mas acho ótimo existir uém em contraponto que defende o que acredita e não tem medo das repercuções. Queria ter essa coragem. Não o preconceito que ele tem, mas esse peito. Acho isso mt maneiro. Defender o que se acredita.

  6. Drew Lelles disse:

    ‎”Preconceito” é o recurso mais fácil para as pessoas incapazes de argumentar sobre algo de que elas discordam e nem sabem explicar porquê discordam. Se acrescentar um ego monstruosamente doente e uma dose de Poder, teríamos um novo Hitler. Tenho uma pavor imenso desse político.

    • Guilherme Ferreira disse:

      Essa frase se adapta perfeitamente aos defensores do kit-gay. Chamar os outros de “preconceituosos”, sem ao menos prestar atenção aos argumentos excelentes das pessoas que tem opinião contrária à sua.

  7. Drew Lelles disse:

    ‎”Preconceito” é o recurso mais fácil para as pessoas incapazes de argumentar sobre algo de que elas discordam e nem sabem explicar porquê discordam. Se acrescentar um ego monstruosamente doente e uma dose de Poder, teríamos um novo Hitler. Tenho uma pavor imenso desse político.

  8. Jmsouzalmonteiro disse:

    Jair Bolsonaro é um indivíduo corajoso porque não teme o patrulhamento da dupla “comunistas e gays” os quais querem impor de qualquer maneira as suas idéias no país. Afinal uma coisa é a livre manifestação de idéias, assegurada pela Constituição, outra é querer nos obrigar a aceitar aquilo que é contrário aos nossos princípios. Enfim os homossexuais devem ser respeitados em sua integridade física como quaisquer cidadãos.
    Ps.: senti-me profundamente desrespeitado em minha fé católica nesta parada gay em São Paulo onde imagens de santos católicos foram ridicularizadas de maneiras as mais variadas. Isto me deu nojo. Ah, teria esse pessoal coragem de fazer o mesmo com a Estrela de Davi ou com Maomé? É quase impossível já que no caso do islamismo homens-bombas já estariam a caminho do Brasil.
    Estou até pensando em acionar o MPF contra tamanha afronta a nós católicos.

  9. Jmsouzalmonteiro disse:

    Jair Bolsonaro é um indivíduo corajoso porque não teme o patrulhamento da dupla “comunistas e gays” os quais querem impor de qualquer maneira as suas idéias no país. Afinal uma coisa é a livre manifestação de idéias, assegurada pela Constituição, outra é querer nos obrigar a aceitar aquilo que é contrário aos nossos princípios. Enfim os homossexuais devem ser respeitados em sua integridade física como quaisquer cidadãos.
    Ps.: senti-me profundamente desrespeitado em minha fé católica nesta parada gay em São Paulo onde imagens de santos católicos foram ridicularizadas de maneiras as mais variadas. Isto me deu nojo. Ah, teria esse pessoal coragem de fazer o mesmo com a Estrela de Davi ou com Maomé? É quase impossível já que no caso do islamismo homens-bombas já estariam a caminho do Brasil.
    Estou até pensando em acionar o MPF contra tamanha afronta a nós católicos.

  10. José Miguel disse:

    Foi um desrespeito incomensurável à fé católica a exibição de santos associando os mesmos à libertinagem e à prosmiscuidade sexual. Como católico exijo respeito. E mais, se o movimento gay que
    realizou a parada em São Paulo não se retratar publicamente vou acionar o Ministério Público Federal em relação ao caso.

  11. José Miguel disse:

    Foi um desrespeito incomensurável à fé católica a exibição de santos associando os mesmos à libertinagem e à prosmiscuidade sexual. Como católico exijo respeito. E mais, se o movimento gay que
    realizou a parada em São Paulo não se retratar publicamente vou acionar o Ministério Público Federal em relação ao caso.

Deixe o seu comentário