Objetos

Texto de Luiz Felipe Pondé publicado originalmente na Folha de S.Paulo

HUMILDEMENTE CONFESSO que, quando penso a sério em mulher, muitas vezes penso nela como objeto (de prazer). Isso é uma das formas mais profundas de amor que um homem pode sentir por uma mulher.

E, no fundo, elas sentem falta disso. Não só na alma como na pele. Na falta dessa forma de amor, elas ressecam como pêssegos velhos. Mofam como casas desabitadas. Falam sozinhas.

Gente bem resolvida entende pouco dessa milenar arte de amor ao sexo frágil.
Sou, como costumo dizer, uma pessoa pouco confiável. Hoje em dia, devemos cultivar maus hábitos por razões de sanidade mental. Tenho algumas desconfianças que traem meus males do espírito.

Desconfio barbaramente de gente que anda de bicicleta para salvar o mundo (friso, para salvar o mundo).

Recentemente, em Copenhague, confirmei minha suspeita: a moçada da bike pode ser tão grossa quanto qualquer motorista mal-educado. Trinta e sete por cento da população de lá usa as “magrelas”. E nas ciclovias eles são tão estúpidos, estressados e apressados como qualquer motorista “subdesenvolvido”.

Fecham a passagem de carros e ônibus como se, pela simples presença de seus “eus” perfeitos, o mundo devesse parar diante de tanta “pureza verde”.

Aliás, um modo seguro de ver que alguém NÃO conhece a Europa é se essa pessoa assume como verdade o senso comum de que os europeus são bem-educados. Muitos deles, inclusive, não sabem o que é uma coisa tão banal como uma fila.

Outra coisa insuportável é quem toma banho com pouca água para salvar o planeta. Esse tipo de gente é gente porca que arranjou uma desculpa politicamente correta para não tomar banho direito. Provavelmente não gosta de banho mesmo.

Mas, falando sério, desconfio de homens que não pensam em mulheres como objeto. Pior, são uns bobos, porque, entre quatro paredes, elas adoram ser nossos objetos e na realidade sofrem, porque a maioria dos caras hoje virou “mulherzinha” de tão frouxos que são.

Imagino o quão brocha fica uma mulher quando o cara diz para ela: “Respeito você profundamente, por isso não vou…”.

Pergunto filosoficamente: como achar uma mulher gostosa sem pensar nela como objeto?

A pior forma de solidão a que se pode condenar uma mulher é a solidão de não fazê-la, de vez em quando, de objeto. E esta é uma forma de solidão que se torna cada vez mais comum. E, sinto dizer, provavelmente vai piorar. A não ser que paremos de torturar nossos jovens com papinhos politicamente corretos sobre “igualdade entre os sexos”.

Igualdade perante a lei (e olhe lá…). No resto, não há igualdade nenhuma.
A feminista americana Camille Paglia, recentemente, em passagem pelo Brasil, disse que muitas das agruras das mulheres heterossexuais se devem ao fato de elas procurarem “seres iguais a elas” nos homens. Que pensem como elas, sintam como elas, falem como elas.

Entre o desejo “correto” de ter um “eunuco bem-comportado” e um homem que diga “não” à tortura da “igualdade entre os sexos”, ficam sozinhas com homens que são “mulherzinhas”.

O que é um homem “mulherzinha”? É um homem que tem medo de que as mulheres achem-no machista, quando, na verdade, todo homem (normal) gosta de pensar em mulher como objeto.

Um mundo de “mulherzinhas” acaba jogando muitas mulheres no colo (vazio) de outras mulheres por pura falta de opção. E aí começa esse papinho de que é “superlegal ser lésbica”. Afora as verdadeiras, muita gente está nessa por simples desespero afetivo.

Nada contra, cada um é cada um. Só sinto que muitos homens “desistam” delas porque a velha “histeria” feminina da qual falava Freud (grosso modo, a insatisfação eterna da mulher) virou algo do qual não se pode falar, senão você é machista.

Muito desse papinho “progressista” é conversa fiada para esconder fracassos afetivos, a mais velha experiência humana, mas que nos últimos anos virou moda se dizer que a culpa é do capitalismo, da igreja, do patriarcalismo, da família, de Deus, da educação, do diabo a quatro.

E o pior é que quase todo mundo tem medo de dizer a verdade: uma das formas mais profundas de amor à mulher é fazer delas objeto.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Objetos

8 Comentários

  1. Robson Lelles disse:

    Profundo, Pondé, profundo…

  2. Acho que o Pondé foi mal compreendido. Esse assunto exige muitas linhas, talvez muitos livros.

  3. Erick Ventura disse:

    Que ridículo, esse cara é mais um desses que não sabe valorizar uma mulher, nem como o sexo oposto e muito menos como ser humano.Aposto que esse cara não é amado pois não sabe amar, deve se masturbar todo dia achando que ta apavorando com sua filosofia barata baseada no próprio ego e sentimentalismo porco. É de idiotas assim que o carnaval e a putaria se abastecem no Brasil.Verme inútil

  4. Guilherme disse:

    Um ponto forte do Pondé é não fazer a menor questão de usar eufemismos e didatismos. Como comentaram, também acho que ele foi mal compreendido.

  5. Bruna disse:

    Pode ser polêmico, mas eu como mulher fiquei muito satisfeita em ler cada palavra! Mas gosto de generalizar nada, mas o lance é mais ou menos esse, a sociedade tem de ser menos machistas e entender melhor não só a mente feminina mas tbm a masculina, onde pro homem a mulher amada, por ser muito amada, tem sim de ser o SEU objeto sexual, que ele fantasia desde sua adolescencia! Sejam sim mulheres, e sempre queiram ser, o objeto sexual tão amado de seus parceiros e perceberão o quanto é bom e gratificante se sentir desejada e amada por eles, nessa junção de cabeça de cima com dembaixo, rs, e descobriram que essa tbm é uma das melhores formas que eles sabem amar. É só uma dica =)

Deixe o seu comentário