Ariadna sobre comercial com Bolsonaro: Me pagando, tudo bem

Dayanne Sousa, no Terra Magazine

Se depender da modelo transexual Ariadna Arantes, pode ir adiante a polêmica campanha de lingeries que a convoca, junto com o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), para divulgar um kit de calcinhas. “Me pagando, tudo bem”, diz a Terra Magazine a ex-participante do Big Brother Brasil sobre o encontro com o parlamentar contrário aos direitos LGBT.

A fabricante de roupas íntimas Duloren ofereceu um cachê a Bolsonaro para participar do comercial de TV. A informação, publicada pelo colunista do jornal O Globo, Ancelmo Góis, foi confirmada pelo gabinete do deputado. Já Ariadna diz que não foi convidada oficialmente. O Globo também informou que o deputado recusou a proposta, mas aceitaria se outra modelo – desta vez, não-transexual – fosse escolhida.

– As declarações dele são de preconceito. Quem é ele pra lutar pelos bons costumes, se ele mesmo não respeita? – comenta Ariadna.

A modelo ainda questiona se Bolsonaro preenche os requisitos de um bom garoto-propaganda. “Ele não tem beleza nenhuma pra isso”.

Leia a entrevista.

Terra Magazine – Você toparia estar numa campanha ao lado do deputado Bolsonaro?
Ariadna – Não estou sabendo de nada.

O deputado confirmou que foi convidado para fazer uma campanha de lingerie com você. Você não recebeu esse convite?
Não, não me fizeram nenhum convite ainda.

Mas toparia aparecer do lado dele?
O que importa é o meu trabalho como profissional, como modelo e como atriz. Eu não tenho nada contra ele, contra a pessoa dele. Eu tenho contra a ideologia e contra a política.

O que você acha do deputado?
Não acho nada, tenho pena dele.

Ele recusou, mas aceitou fazer a campanha ao lado de outra modelo. Isso te ofende?
Não. Ele tem a opinião dele. Mas, primeiramente, ele não tem beleza nenhuma pra isso. Não tem potencial nenhum. E, se fosse o caso, ele não é nem um pouco profissional. Porque o que está em jogo é um trabalho, não é política. Se fosse por mim, podia me colocar até com uma pessoa… Por exemplo, a Juju Panicat beijou um velho. Sei lá. Me pagando, tudo bem. Eu acho que não tem nada a ver, isso é profissionalismo. Ele não é nem um pouco profissional, por isso que eu não gostaria. Mas, se me pagassem, sem problema.

Você acha que você recebe esse tipo de convite só por que é transexual, não por seu trabalho como modelo?
Não, muito pelo contrário. Às vezes não aparecem tantos trabalhos só pelo fato de eu ser uma mulher operada. Eu tenho potencial, tenho o corpo bom, sou magra e tenho boa altura. Mas não aparecem tantos trabalhos pelo preconceito.

As declarações do deputado sobre homossexuais te incomodam?
As declarações dele são de preconceito. Ele julga defender os bons costumes, mas educação e respeito é que são bons costumes. Então, quem é ele pra lutar pelos bons costumes, se ele mesmo não respeita?

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Ariadna sobre comercial com Bolsonaro: Me pagando, tudo bem

Deixe o seu comentário