E se as pessoas falassem com gírias da internet na vida real…

Fernando Daquino, no Tecmundo

Juvêncio é um rapaz antenado com tudo o que acontece na web. Quando não está dormindo ou na escola, o garoto passa o restante do dia na frente do PC. Ele costuma ocupar seu tempo jogando games, atualizando seu blog sobre manutenção de computadores ou interagindo com seus amigos nas redes sociais.

Vestibulando

O jovem acabou de prestar seu primeiro vestibular. Como todo bom nerd, ele é muito inteligente mas o problema foi na hora da redação. O exame deixou o estilo textual à escolha dos vestibulandos. Os candidatos apenas tinham que se ater ao tema: “Inclusão digital é um direito de todos”.

O grande X assinalado em sua prova acabou com as esperanças da sua entrada na universidade. Abaixo, transcrevemos um pequeno trecho da redação.

“IMHO, as techs devem ser disseminadas para que todos, indiferentemente do seu credo ou classe social, tenham acesso à internet. BTW, não adianta apenas viabilizar a compra de PCs para as camadas sociais com menor renda. Um programa de inclusão digital assim será um FAIL total. Hoje, não adianta apenas saber googlear. Os usuários precisam ser treinados e entender sobre computadores, caso contrário, os noobs serão trollados, ever”.

E esse foi apenas o primeiro parágrafo.

Entrevista de emprego

Sem perspectivas de conseguir uma vaga na faculdade, Juvêncio começou a procurar um emprego. Ao contrário das gerações anteriores, que utilizavam os jornais para encontrar uma oportunidade de trabalho, o jovem acessou alguns sites de recursos humanos e em poucas horas tinha seu currículo viralizado por centenas de empresas.

Entrevistador: Bom dia, Sr. Juvêncio. Como vai?

Juvêncio: Bom dia, tô legal. E você, big boss?

Entrevistador: Estou bem, obrigado. Nossa vaga é para a manutenção dos computadores e da rede interna do escritório. Quais são seus conhecimentos em informática? Possui alguma referência?

Juvêncio: Eu fiz um curso de manutenção de PCs, referente a essa parte tá tudo susse. Em relação à rede, eu manjo de games online. Sem me gabar, já tive algumas epicwins no SSF IV e no NFS UnderCover, dando owned por diversas vezes nos meus oponentes. No CS, sou campeão em headshots. Enfim, não se preocupe, mesmo que eu não saiba de alguma coisa, é só googlear e descobrir comofas.

Entrevistador: Hum… Eu ligo para você na semana que vem. Adeus.

Juvêncio: TNX.

Discutindo o relacionamento

Chamou a atenção da namorada pelo MSN e marcou o encontro no shopping. No local, a menina estava com uma cara “amarrada”. A primeira frase dita por ela – “Oi. Temos que conversar” – entregava a DR que viria pela frente.

Namorada: Escuta, Juvêncio, qual o seu conceito de namoro? Você me troca por aquele seu computador. Nos encontramos, no máximo, três vezes no mês. Você não me dá atenção.

Juvêncio: WTH! Que papo é esse? Eu te dou atenção, sim. Converso com você quase todos os dias, no MSN. Mesmo quando estou busy, mando um SMS ou email.

Namorada: Isso não é o bastante. Quando vou à sua casa, você não larga seus jogos idiotas.

Juvêncio: STFU. Não fale mal dos meus games. Você é uma hater, só sabe me criticar.

Namorada: Viu só, você passa tanto tempo na internet que vive pronunciando gírias nerds. Eu mal entendo o que você fala.

Juvêncio: STFW.

Namorada: Assim, não há condições de continuarmos juntos.

Juvêncio: Ok, precisamos dar um tempo. Cya.

Após esse fatídico evento, o rapaz se tornou um forever alone.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for E se as pessoas falassem com gírias da internet na vida real…

Deixe o seu comentário