Movimento GLBT quer casamento gay entre personagens infantis

Publicado originalmente por Luis Andion em Series e TV

Querem transformar Bert e Ernie em um casal gay. Sim, você leu certo!

A ideia não surgiu dos produtores de “Sesamo Street”, mas sim de representantes da comunidade GLBT. Está rolando um abaixo-assinado na internet neste momento para convencer os executivos do programa infantil, que mais atinge crianças de dois a seis anos de idade nos Estados Unidos, a bolar uma edição especial em que os melhores amigos saíssem do armário e se casassem. A ideia é impulsionada pela legalização da união civil homossexual no estado de Nova York.

Sinceramente, acredito que há meios melhores de educar crianças sobre tolerância do que deturpando um clássico do passado – mas fico tranquilo pela certeza de que os produtores negarão o pedido, por mais nomes que possam haver na petição. Alterar completamente a filosofia por trás de personagens criados com carinho por um artista tão genial quanto Jim Henson não é só um desrespeito como também é um insulto. Se a ideia é inserir homossexuais em obras de arte históricas porque não fazem baixos assinados para pintar um gay na “Santa Ceia” ou quem sabe até incluir digitalmente um personagem gay no “Grande Ditador”?

Ostento uma tolerância por qualquer ser humano, independente se ele é negro, tem piercing nos lábios, gosta de pintar o cabelo de roxo ou, como no caso, sente atração por pessoas do mesmo sexo. No entanto, a postura de boa parte dos membros da GLBT em forçar a filosofia de seu grupo em cima de outras já preestabelecidas há milhares de anos só vai ajudar a aumentar o preconceito ao redor do mundo.

Sabe quando os indígenas foram obrigados a se converter ao cristianismo? Hoje nós temos ciência de quão errônea foi esta imposição, certo? Então…

 

 

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Movimento GLBT quer casamento gay entre personagens infantis

3 Comentários

  1. Wangs::. disse:

    Tá bom, agora tá começando a dar medo toda essa movimentação gay. Sabe aquela piada “fuja do país antes que se torne obrigatório”?… Sou a favor dos direitos civis para todos, ms esses manés tão fazendo o mesmo jogo dos religiosos.

  2. Anônimo disse:

    Eles poderiam até fazer um especial onde os personagens se casam por serem muito amigos depois se separam por não ter entendido a ideia, ahahaha. É aquele pensamento óbvio e simples de que para as crianças não tratarem como uma coisa anormal, elas tem que saber que existe e que é normal. Mas também acho desnecessário casar dois personagens clássicos que foram sempre amigos.

  3. Robson Lelles disse:

    O problema de quem sugeriu essa abominação não é o fato de ser gay, mas o fato de ter perdido o senso de ridículo.

Deixe o seu comentário