Igreja funciona dentro de boate na rua Augusta

Culto da Capital Augusta, igreja que reúne cristãos protestantes aos domingos no Clube Outs

Juliana Vaz, na Folha.com

Rua Augusta, 486. Às 3h de um sábado, dezenas de pessoas se aglomeram em frente ao Clube Outs, uma das muitas casas noturnas da região.

Para entrar, é preciso enfrentar seguranças engravatados e desembolsar R$ 20. Lá dentro, flanelados, tatuados e emos dançam hits da música pop dos anos 1980 e 90.

No dia seguinte, por volta das 18h, a casa continua a mil. Mas as portas estão abertas a qualquer um. Sob a luz de holofotes, uma banda anima um público jovem. Num telão, letras de músicas sobre louvor e compaixão. No bar, as garrafas de Smirnoff e Heineken permanecem intocadas.

O show termina, e Junior Souza, 37, surge. Veste uma camiseta preta estampada com o símbolo matemático que representa o “diferente”, tem o antebraço tatuado e brinco na orelha.

Dá alguns avisos, indica o lugar onde fica a caixinha de contribuições e anuncia pelo microfone: “Agora a gente vai fazer um intervalo e já continua o culto, beleza?”.

A pausa serve para que os fiéis da Capital Augusta possam trocar ideias. A Capital, como os habitués a ela se referem, é uma igreja protestante, fundada em 2009 pelo pastor Junior. O grupo inicial era formado por músicos, designers e gente que “já vivia a vida da Augusta”, segundo o pastor, que é professor de inglês e dá aulas na Faculdade Teológica Metodista Livre.

Quando o intervalo termina, Junior, de frente para um laptop, começa a ler um versículo da Bíblia. Carismático, ele às vezes quebra a leitura e traduz um trecho sagrado para uma fala informal.

A maioria dos presentes ainda não chegou aos 30 anos. São jovens antenados, que compartilham sua fé no Facebook e no Twitter. No site da igreja, são disponibilizados podcasts religiosos.

Dono de um corpo tatuado, o skatista e publicitário Bidu Oliveira, 20, diz que sofreu preconceito em outras igrejas e ali encontrou uma comunidade. “O foco aqui é Jesus”, justifica.

A Capital permite a ingestão de bebidas alcoólicas, desde que com moderação. Sexo, melhor dentro do casamento. “O projeto ideal é a castidade, mas, se não é essa a sua realidade, vamos seguir o caminho da reparação”, aponta o pastor. Gays são bem-vindos. “Na Augusta, é natural que eles frequentem. Nosso slogan é: ‘Proibido Pessoas Perfeitas’.”

Além do culto no Outs, há reuniões semanais nas casas dos integrantes. “Ali dividimos as alegrias e frustrações da vida em SP”, diz Junior, um paranaense de Assis Chateaubriand.

Antes de chegar à capital, ele era ligado, no interior, a uma igreja Vineyard, associação criada na Califórnia dos anos 1970. Não gosta de ser chamado de evangélico. “Tenho vergonha do que esse termo se tornou no Brasil”, confessa.

O aluguel do imóvel na Augusta é bancado por 12 pessoas da liderança da Capital. O dinheiro das doações, segundo o pastor, vai para missões religiosas e outras instituições. Valentim Van der Meer, promoter da boate, diz que aceitou alugar o espaço por simpatizar com a igreja. “É o mesmo público que frequenta o Outs na balada.”

Por volta das 21h, o culto termina ao som de Metallica. Por uma coincidência irônica que só uma rua tão augusta pode permitir, a poucos metros dali, no número 501, fica o Inferno Club. “É legal ter uma igreja na porta do inferno, mas, infelizmente, ele não está acessível. Eles cobram o dobro do aluguel daqui”, diz o pastor, rindo.

foto: Rodrigo Paiva/Folhapress

dica do Daniel Sousa

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Igreja funciona dentro de boate na rua Augusta

6 Comentários

  1. Luciane Leite disse:

    Lindo que existam locais onde o amor de Deus e de Jesus que acolhem e aceitam sejam vividos em plenitude.Pois,hoje e no passado muitos usam o nome de Deus e a religião para excluir as pessoas,o diferente-Jesus amou Cornélio,a mulher samaritana,Maria Madalena.Muitos carregadores de Bíblia se esquecem e se esquivam desta verdade.Deus seja louvado pela Capital!

  2. Carla Caetano disse:

    eu fui em alguns cultos na capital e amei, a proposta é pura!

  3. Sergiogleria disse:

    Acho ótimo que existam locais para jovens exercerem livremente a sua religiosidade. Melhor ainda quando não existe a discriminação, afinal o amor não exclui e nem diferencia! Só não gosto das Instituições Religiosas que fazem da palavra de Deus, um grande negócio.

  4. Tan disse:

    Amei, cara!!! Que saudades dos tempos revolucionários no final dos anos 80 quando havia cultos desse tipo às segundas-feiras na Renascer em Cristo, com bandas demais e gente de todas as tribos, era muito parecido. Que os pastores da Augusta não se corrompam com o sucesso e continuem fazendo a obra de Deus mesmo depois de institucionalizarem a igreja. Acho que a igreja Bola de Neve começou meio assim também e é uma grande bênção até hoje. Cara, que alegria, sou de um tempo que a gente profetizava estas coisas na IB Shalom com a Valnice Milhomens (eu sei que o povo deste blog não gosta dela mas é pra compartilhar com vcs a história): as boates e os motéis vão virar igreja! Meu, era um absurdo enorme dizer isso nos anos 90 e agora a gente vê parte se cumprindo. Por favor, dá licença pra eu soltar um: Alelúia!!! Bjs a todos.

  5. Fernando Sigolo disse:

    Evangelho fácil onde eu não preciso mudar não é evangelho,Cristo requer mudança para segui-lo,eu não posso seguir a Cristo e continuar como eu estou,tenho que mudar.

Deixe o seu comentário