A estrutura financeira das religiões

Texto de Rachel McCleary publicado originalmente na BBC Brasil

Não é surpreendente que as maiores religiões do mundo – Judaísmo, Cristianismo, Islamismo, Budismo e Hinduísmo – promovam a acumulação de riquezas através de seus sistemas de crenças, o que contribui para a prosperidade econômica.

Incentivos espirituais como a danação e a salvação são motivadores eficientes. Por isso, religiões que dão ênfase à crença no inferno são mais propensas a contribuírem para a prosperidade econômica do que as que enfatizam a crença no paraíso.

As religiões que têm foco na crença no paraíso dão mais importância a atividades redistributivas (caridade) para diminuir o tempo das pessoas no inferno e chegar mais perto do paraíso.

Já o incentivo que se baseia na crença no inferno parece mais eficiente para o comportamento econômico, porque motiva os fiéis a trabalhar mais duro para evitar a danação.

Arrecadação

A estrutura organizacional, assim como o sistema de crenças de uma religião, afeta diretamente sua habilidade de arrecadar fundos dos fiéis.

A riqueza das religiões, de maneira muito semelhante à riqueza das nações, depende da estrutura de sua organização. Mas, diferentemente das corporações, as finanças das religiões não são transparentes para o público nem são monitoradas.

Algumas estruturas religiosas são hierárquicas como a da Igreja Católica Romana, com a concentração de riqueza no clero e no Papado. Por contraste, as igrejas evangélicas e pentecostais favorecem um acúmulo de riqueza de pai para filho.

O famoso evangelista americano Billy Graham e seu filho William Franklin Graham 3º, que assumiu a presidência da associação evangelista do pai, são um exemplo de como o poder espiritual e a riqueza de uma religião são mantidos pelos laços familiares.

Outras organizações tendem a ser descentralizadas e comunitárias por natureza, como o judaísmo, com as sinagogas locais mantendo a autonomia sobre as finanças.

Mas as religiões coletivas, como as monoteístas, requerem a crença exclusiva em um só Deus e contam financeiramente com tributos e doações voluntárias de seus membros.

Como consequência, um templo, igreja ou mesquita exerce pressão coletiva e outros tipos de sanções grupais para garantir a ajuda financeira contínua dos fiéis à religião.

No entanto, uma dificuldade constante enfrentada pelas religiões é que muitos membros decidem agir de acordo com sua própria vontade e não dar apoio financeiro.

Outro tipo de estrutura religiosa é a privada ou difusa. Hinduísmo e budismo são religiões privadas, em que os fiéis realizam atos religiosos sozinhos e pagam uma taxa para um monge pelo serviço.

Nestes casos, as atividades religiosas são partes da vida diária e podem ser feitas a qualquer momento do dia. Elas não requerem nem um grupo de fiéis nem a presença dos monges.

Estas religiões privadas tendem a ser politeístas e sustentadas financeiramente pelo pagamento de uma taxa de serviço.

Apoio do Estado

Religiões com muitos recursos, como por exemplo o catolicismo romano e o islamismo, historicamente foram – algumas vezes – monopólios financiados pelo Estado.

A regulação da religião pelo Estado pode reduzir a qualidade das vantagens espirituais na medida em que aumenta a capacidade da religião de acumular riqueza. Mas uma religião subsidiada pelo Estado pode ter um efeito positivo na participação religiosa.

Por exemplo, os governos da Dinamarca, Suécia, Alemanha e Áustria subsidiam muitas religiões para a manutenção de suas propriedades, a educação do clero e os serviços sociais.

Mesmo que isso não necessariamente aumente o número de pessoas que frequentam a igreja, o investimento financeiro do Estado nas instituições religiosas aumentou as oportunidades das pessoas de participarem de atividades patrocinadas pela religião.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A estrutura financeira das religiões

4 Comentários

  1. Sergiogleria disse:

    Não vejo nenhum problema em arrecadar o dinheiro suficiente para a manutenção das Instituições Religiosas. Mas, na prática, não é isso que acontece. Todos querem enriquecer! Deus, infelizmente, virou apenas um negócio !!!

  2. Israel ruiz disse:

    Infelizmente alguns “fiéis” reclamam mas também não comparecem em reuniões administrativas, eu mesmo fui em várias onde apenas estavam eu, minha esposa e os lideres da congregação, verdade é que existem organizações por ai só realizando acumulo de riquezas, mas também existem outras serias que estão trabalhando pelo próximo. A proposito a Salvação vem em crer que Cristo é nosso SENHOR e único SALVADOR, não é por obras ou ofertas e dízimos.

  3. Israel ruiz disse:

    Infelizmente alguns “fiéis” reclamam mas também não comparecem em reuniões administrativas, eu mesmo fui em várias onde apenas estavam eu, minha esposa e os lideres da congregação, verdade é que existem organizações por ai só realizando acumulo de riquezas, mas também existem outras serias que estão trabalhando pelo próximo. A proposito a Salvação vem em crer que Cristo é nosso SENHOR e único SALVADOR, não é por obras ou ofertas e dízimos.

  4. Israel ruiz disse:

    Infelizmente alguns “fiéis” reclamam mas também não comparecem em reuniões administrativas, eu mesmo fui em várias onde apenas estavam eu, minha esposa e os lideres da congregação, verdade é que existem organizações por ai só realizando acumulo de riquezas, mas também existem outras serias que estão trabalhando pelo próximo. A proposito a Salvação vem em crer que Cristo é nosso SENHOR e único SALVADOR, não é por obras ou ofertas e dízimos.

Deixe o seu comentário