Gospel: Que música rentável dos diabos!

Texto de Ricardo Feltrin publicado originalmente no F5

Que música rentável dos diabos!

Enquanto o bispo Edir Macedo faz muxoxo e prega que alguns cantores gospel são “endemoniados”, a Globo e o SBT investem nesse estilo, ah, digamos, “satânico” e obtêm bons retornos financeiros. A Globo se beneficia pelo fato de que o gospel é um dos únicos estilos musicais que ainda tem boas vendas na indústria videofonográfica. Há uma campanha maciça de artistas e empresas no sentido de “pecamizar” a compra de produtos piratas. Vídeos da grande editora e gravadora gospel BV Filmes, por exemplo, obrigam seus proprietários a ler mensagens como “Deus não gosta de pirataria” antes de qualquer filme ou show gravado.

Thank You, Lord!

Nas Organizações Globo, o resultado do selo Som Livre Gospel este ano será motivo de orgulho. CDs como os das séries religiosas “Promessas” e “Infinito Amor” estão no topo das paradas; o mesmo ocorre com DVDs como os do padre católico Fábio de Melo ou da evangélica Ludmila Ferber. Tudo que é gospel vende bem. Não será de admirar se a Globo ainda tiver um programa de música gospel em sua grade de programação antes da Record.

Cutuca

A banda Diante do Trono, por edemplo, cuja vocalista Ana Paula Valadão (foto) foi publicamente “endemonizada” pelo bispo Macedo, sempre está no ranking de CDs mais vendidos da Som Livre. O grupo tem grande destaque também no site da gravadora. Nas últimas semanas, a Globo também passou a exibir propaganda de seu selo gospel de maneira ostensiva nas madrugadas. “Música para louvar”, diz o locutor nas propagandas do elenco religioso da Som Livre.

Pregação antigospel

Ouça aqui o áudio do discurso de Macedo contra Ana Paula.

Até o SBT entrou na boquinha…

Até o SBT do judeu Silvio Santos, sempre tão laico, acabou se rendendo ao estilo evangélico. O responsável é Raul Gil, que injeta gospel nas tardes de sábado, com seu show de calouros. Raul é um veterano na área, e já descobriu estrelas do canto gospel, como Robinson “Anjo”. Revelado por Raul na Record, Robinson, vejam só, acabou virando artista da Line Records, que vem a ser gravadora de quem? Hein? Hein? Reeeesposta ceeeerta, leitora querida. De Edir Macedo!

No princípio era o gospel…

Curiosamente, o gospel foi relevante nos primeiros anos da Universal. Por anos, seus cultos tinham cantores e até bandas formadas por fiéis. A ruptura de Macedo com o gospel ocorreu em algum ponto entre meados dos anos 90 e 2000. Uma das teorias reza que Macedo nunca foi fã, mas passou a desprezar o gospel depois da saída do bispo cantor Renato Suhett. Esse homem chegou a ser considerado o nº 2 de Macedo, nos anos 90.

Então o bispo desafinou…

Mais tarde, Suhett sairia da igreja, descontente com os cargos que Macedo lhe oferecia em áreas administrativas, tirando-o, digamos, do púlpito. “Eu só queria cantar para Deus”, disse Suhett. E saiu. Anos depois, voltou, mas logo se irritou com uma “quarentena” de posições ou cargos imposta pela cúpula da igreja, e saiu novamente.

Gospel Line

O desgosto com o estilo, porém, não impediu a Igreja Universal de investir e lucrar milhões com sua gravadora. Mas sem propaganda. Notem que artistas da Line Records quase não têm chance na programação da Record.

foto: Quartel Design

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Gospel: Que música rentável dos diabos!

1 Comentário

  1. David Santos disse:

    E os crentes acham que é Deus abrindo portas…só se for Mamom..se empolgam tanto de estar na TV principalmente na Globo e SBT e se esquecem que estão mesmo é servindo a Mamom, pra enriquecer mais as redes…mas como dizem: estamos adorando a Deus lá…enganados!!

Deixe o seu comentário