Nada de culto: Nem gastou R$12 mil em bebidas para afogar as mágoas, diz contabilidade do tráfico

 

 

Marcos Nunes, no Extra

A contabilidade de uma das bocas de fumo da Rocinha, na Rua do Valão, revela que Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, buscou no álcool o remédio para seu desespero, diante da iminente invasão da polícia, em seus últimos dias como chefe do tráfico na maior favela do Rio. De acordo com a documentação apreendida segunda-feira por agentes da 16 DP (Barra), Nem gastou R$ 12.905 com uísque, energético e vodca em 22 dias. Neste mesmo período, entre 18 de outubro e 8 de novembro, Nem movimentou R$ 447 mil em uma única boca de fumo e promoveu festas e shows.

No dia 7 de novembro, ele chegou a ser atendido na UPA da Rocinha, ao misturar álcool e drogas. Análise da contabilidade mostra que, no dia 27 de outubro, Nem gastou R$ 2.750 com despesas referentes a um show de pagode.

Os registros terminam exatamente dois dias antes da prisão de Nem, que foi encontrado por PMs do Batalhão de Choque na mala de um carro, no dia 10. Na documentação, Nem aparece com o apelido de Mestre. A contabilidade também faz referência a Thiago Schirmmer Caceres, conhecido como Pateta ou Leão, e a Rodrigo Belo Ferreira, o Rodrigão.

A dupla, apontada pela polícia como sucessora de Nem no comando do tráfico da Rocinha, tem contra si mandado de prisão expedido pelo Tribunal de Justiça do Rio.

— Os dois cadernos com a contabilidade serão enviados para a perícia. Tudo indica que os registros sejam de despesas bancadas pelo tráfico — disse o delegado Fernando Reis, que deverá encaminhar o caso para 15 DP (Gávea), onde Nem já é investigado por tráfico.

Uma das folhas do caderno de contabilidade de Nem da Rocinha

Uma das folhas do caderno de contabilidade de Nem da Rocinha Foto: Reprodução

A contabilidade do tráfico foi apreendida pela polícia, junto com um lança-rojão, uma granada, cinco quilos de maconha e um colete à prova de balas. O material estava escondido dentro de uma galeria de esgotos, na Rua do Valão.

Nas anotações existe uma série de gastos curiosos, que vai desde bebidas até despesas com uma academia de ginástica. No dia 21 de outubro, por exemplo, aparece o registro de R$ 640 ao lado da inscrição uísque mestre. O dinheiro é suficiente para comprar sete garrafas da bebida, dependendo do gosto do freguês, claro.

No mesmo dia, outra anotação revela que Rodrigão seguiu os passos do chefe e gastou R$ 250 em uísque. Segundo a contabilidade, dois dias depois, Nem desembolsou R$ 1.490 para omprar energéticos, vodca e mais uísque.

Ontem, Nem esteve no prédio do Tribunal de Justiça (TJ), por volta do meio-dia. Escoltado por forte esquema policial, ele assinou documento tomando ciência da existência de um processo.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Nada de culto: Nem gastou R$12 mil em bebidas para afogar as mágoas, diz contabilidade do tráfico

1 Comentário

  1. Salerno Neto disse:

    Tem certeza que ele não tava fazendo uma oferta em libação?

Deixe o seu comentário