Justiça condena Caio Fábio por dossiê contra PSDB em 98

Publicado na Folha.com

A Justiça Eleitoral condenou o pastor evangélico Caio Fábio D’Araújo Filho a quatro anos de prisão por seu envolvimento no chamado “dossiê Cayman”, informa reportagem de José Ernesto Credencio, publicada na Folha desta terça-feira.

O conjunto de papéis comprovadamente falso surgiu como tentativa de incriminar a cúpula do PSDB na campanha de 1998.

Caio Fábio, o único condenado pelo episódio até agora, foi considerado responsável por elaborar e divulgar o dossiê, incorrendo em crime de calúnia, agravado por ter envolvido o então presidente da, Fernando Henrique Cardoso. Ele pode recorrer.

A sentença, da juíza de primeira instância Léa Maria Barreiros Duarte, é baseada em uma investigação da qual participou também o FBI, a polícia federal norte-americana.

OUTRO LADO

O pastor nega participação na elaboração e na divulgação do dossiê. “Tenho a consciência absolutamente tranquila. Não estou nem um pouco preocupado com isso.”

Ele afirmou que os papéis apenas passaram por suas mãos. “Nunca vou mudar minha versão. Não tenho nada mais a falar do caso.”

Seu advogado, Edi Varela, disse que entrou com recurso e nega crime eleitoral. “Esse assunto só surgiu depois das eleições, não entrou na campanha, ninguém usou.”

dica do Alex Fajardo

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Justiça condena Caio Fábio por dossiê contra PSDB em 98

5 Comentários

  1. Alex Fajardo disse:

    Um novo tópico no menu do site do Caio entrará no ar. “Cartas da prisão” ao estilo apóstolo Paulo. (ou seria ao estilo Hernandes ? )

  2. Dany disse:

    De julgador a condenado, quem não tem pecado atire aprimeira pedra

  3. Moisés Lourenço disse:

    O Caio Fabio ganhou muitos inimigos a partir de quando ele chamou alguns pastores de bundão. Gente que lhe dava credibilidade, passou a reprová-lo em tudo, inclusive naquilo que era aprovado anteriormente.

    Não tenho dúvida que isso é uma espécie de “vingança psicológica”. Algo do tipo: “Se o Caio não tivesse chamando fulano e beltrano de bundão, eu afirmaria que isto que está acontecendo com ele hoje, é reflexo por ter sido bode expiatório em 98, como ele chamou fulano e beltrano de bundão, logo, ele foi o autor do falso dossiê”.

    Isso mostra malcaratismo. Não é feio e errado dizer que o Caio errou em tal episódio [caso bundão]. Feio é dizer que por causa de tal episódio, todo o seu histórico foi um embuste, uma manobra do mal e de poder.

    Geralmente quem age assim, apenas expõe-se, na sua essência má. Geralmente quem age assim, não são os que foram ofendidos diretamente pelo Caio, muito pelo contrário, esses sabem julgar exatamente, onde o Caio errou e principalmente, onde o Caio acertou porém “estourou” de modo grosseiro.

    Poucas pessoas podem atestar que a grande massa tem uma visão surperficial de alguns fatos que envolve o distanciamentos de certos velhos amigos. Desta forma, cada um toma um partido e se de fato conhecesse, veria que não é uma questão de tomar partido, mas que “todos tem culpa no cartório”.

    O buraco é mais embaixo.
     
    Sobre o dossiê, bom. Isso não é novidade. Apenas um prato cheio para os sensacionalistas que por pouco não se engasgam com seus próprios venenos. Isso é apenas poeira do escândalo já exposto em 1998.

  4. Convidado disse:

    Com essa frivolidade, eu também diria: um inimigo. Nem conheço, mas ainda assim não duvido que um tempo atrás tava aí correndo atrás de uma foto. 

    Agora: Secularizar – e perverter – a Esperança, pode. A foto continua.

    E nem coragem para verbalizar seu ressentimento com verdade tem. 

  5. Zeduburro disse:

    Um veredicto deste, só poderia ser oriundo de “COTISTA”.

Deixe o seu comentário