Eike perigo: Para 20% dos paulistanos, só gays e prostitutas pegam Aids

Símbolo de prevenção contra a Aids é colocada no edifício Itália, na região central de São Paulo Leia Mais

Débora Mismetti, na Folha.com

Homossexuais e prostitutas são os únicos com risco de contrair o vírus HIV, segundo 19,2% da população da cidade de São Paulo.

O dado é de uma pesquisa feita com 2.002 pessoas, encomendada pelo Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo à agência Case.

Veja galeria de fotos do Dia Mundial de Luta Contra a Aids

“Isso mostra que as pessoas acham que não são vulneráveis ao vírus. É importante continuar investindo na ideia de que não há grupo de risco”, afirma Celso Monteiro, coordenador do programa.

A mesma pesquisa mostra que 11% dos entrevistado sempre têm resistência a usar camisinha e 14%, às vezes.

“É preciso associar o uso do preservativo ao autocuidado, e não só à prevenção contra uma doença.”

Um outro estudo feito com cerca de 1.500 usuários da rede municipal de assistência a portadores de HIV mostra que 9% dos soropositivos levaram mais de seis meses para buscar tratamento após receber o resultado do teste.

O receio de tomar as drogas antirretrovirais foi o motivo mais citado para a demora. “Eles têm medo dos efeitos colaterais e de ter de tomar remédio várias vezes ao dia”, afirma a infectologista Zarifa Khoury, coordenadora de assistência do Programa de DST/Aids de São Paulo e autora do estudo.

O efeito mais temido pelos pacientes foi a lipodistrofia, que causa acúmulo de gordura em costas, seios e abdome. “É um problema estético, mas indica o medo da estigmatização, de que as pessoas percebam que eles têm Aids.”

O problema pode ser contornado com exercícios. Para Khoury, as campanhas anti-HIV precisam esclarecer o público sobre o tratamento.

foto: Joel Silva/Folhapress

vídeo via Cleycianne

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Eike perigo: Para 20% dos paulistanos, só gays e prostitutas pegam Aids

Deixe o seu comentário