10 sintomas de um cristão iludido

http://1.bp.blogspot.com/-kACB5Chbzt8/TgKTLFiwOsI/AAAAAAAAAJI/ZRWRz410tGU/s1600/mascara.jpg

Nelson Costa Jr., no blog Quando o cristianismo não faz sentido

Ao criar os humanos, Deus não considerou a verdade, eterna como ele próprio, de que a lei em sua essência está fadada à transgressão. Os teístas acham que todos os deuses exceto o deles são falsos. Os ateus simplesmente não abrem uma exceção para este último.

Encontrei o texto abaixo no excelente blog Debunking Christianity via Sotnaspg,  criado pelo apóstata John Loftus.  Loftus é pós-graduado em estudos teológicos, é ex-aluno de William Lane Craig, autor de vários livros utilizados e recomendados tanto por acadêmicos cristãos quanto por céticos, e vem desafiando Bill Craig para um debate desde que este passou a assediar Richard Dawkins. Craig vem se esquivando alegando não querer transformar Loftus num apologista anticristão. O que me chamou a atenção no texto foram o sexto e o oitavo sintomas. Onde é que você já viu isso antes?

Listo abaixo, sem nenhuma ordem em particular, o que considero os dez sintomas (ou características) apresentados por uma pessoa iludida. Acredito que mesmo cristãos intelectualizados concordarão com a maioria delas. Veja quantos dos itens listados se aplicam a você; quanto maior a pontuação, mais provável é que você esteja iludido pela sua fé. Agora, é perfeitamente possível que pessoas religiosas possam estar iludidas e ainda assim sua fé seja verdadeira, de maneira idêntica a uma pessoa que sofreu lavagem cerebral ou foi doutrinada para acreditar na verdade. Mas a questão é que se você é uma pessoa iludida, você não possui nenhuma boa razão para acreditar.

É mais provável para uma pessoa iludida, em relação a uma que não está iludida…

1. Ter nascido e crescido em sua fé religiosa. Isto é um fato indiscutível e inegável dado o número de religiões espalhadas ao redor do globo e a adesão e a convicção incondicionais com que são aceitas como a única fé verdadeira.

2. Como adulto nunca adota ou cultiva a atitude madura da dúvida. Todos os adultos devem revisar a fé religiosa que lhes foi ensinada por seus parentes uma vez que o primeiro sintoma acima é inegavelmente verdadeiro. O que significa que eles devem duvidar. A dúvida é a atitude adulta.

3. Nunca lê muito ou é exposto em grande escala a outros pontos de vista nos meios de comunicação. Falo de obras de não-ficionais sobre as ciências, culturas diferentes, fés diferentes, e aquelas produzidas por céticos ou descrentes. Para evitar ser iludido, os crentes deveriam ler livros escritos por pessoas pertencentes a diferentes culturas ou comunidades religiosas, e assistir programas no History Channel, National Geographic Channel, Discovery Channel, PBS, 60 Minutes, Dateline, e, porque não, YouTube.

4. Nunca faz longas viagens, incluindo viagens a regiões culturalmente diversas. Uma pessoa iludida só experimenta uma fatia fina do bolo. Uma pessoa deve conhecer o mundo para ver como os outros vivem. Quanto mais melhor. Uma pessoa assim basicamente fica estagnada dentro dos limites sociais das pessoas religiosas com uma maneira de pensar semelhante. Os amish são um exemplo radical disso. Vários crentes só possuem amigos crentes. Mesmo se os crentes não puderem viajar ao redor do mundo ainda lhes é possível variar um pouco seu círculo social e encontrar pessoas que pensam diferente. A maioria dos crentes não confiam em descrentes ou em pessoas que professem uma fé diferente. Procure-os. Compareça a uma reunião de livres-pensadores. Conheça-os. Faça amizade com eles.

5. Nunca se aprofunde no estudo da essência de sua fé. Quanto mais você sabe menos você acredita, menos convicto você se torna, e mais você duvida.

6. Mente com o objetivo de defender sua fé. Aqui há uma profusão de exemplos, desde falsas histórias sobre a descoberta da Arca de Noé, a falsificação da verdade quando não há uma resposta razoável, inventar histórias sobre curas pessoais, alegar a conversão de uma posição de  ateísmo intelectual ( em oposição ao ateísmo prático) para o cristianismo evangélico como Lee Strobel e David Wood, ataques pessoais e injustificados sobre qualquer um que questione a fé de alguém a fim de desacreditar ou desqualificar o que o alvo disse ou venha a dizer, debater táticas como as usadas por William Lane Craig ou Dinesh D’Souza que, como debatedores, assim como boxeadores num ringue, estão lá para vencer o debate, não importa o que seja preciso dizer para vencê-lo. Estes são mentirosos em nome de Jesus em vários níveis. Se você precisa mentir para defender sua fé você precisa de ajuda.

7. Prega para pessoas que pensam de maneira diferente em vez de dialogar racionalmente. Fico estupefato, confuso,  frustrado e entediado com os tipos de respostas que escuto de crentes religiosos quando tento lhes explicar porque não compartilho de sua crença. Elas começam a pregar, a falar de maneira dogmática, a citar a Bíblia. Elas ainda anunciam entusiasticamente que vamos todos (os descrentes) para o inferno. Muitos deles meramente balbuciam as frases de seu credo e afirmam o que acreditam, em vez de se envolver numa verdadeira discussão racional sobre os fundamentos da crença, em primeiro lugar. Eles vem pregando para nós a partir de uma antiga compilação de textos supersticiosos em vez de nos mostrar porque deveríamos acreditar neles em primeiro lugar.

8. Alega que não precisa de evidência para acreditar. Vejam Alvin Plantinga e William Lane Craig! Iso é absolutamente delirante especialmente se considerarmos todas as coisas que devem ser consideradas como crenças propriamente básicas advindas do testemunho interno do Espírito Santo. Como alguém já disse, “o que pode ser afirmado sem evidência também pode ser descartado sem evidência”. Qualquer um que afirme que sua fé não precisa de evidência, mesmo se verdadeira, deve confronta-la com a realidade.

9. Deve ser convencida de que sua fé é impossível antes que a veja como improvável. Em incontáveis ocasiões os crentes afirmarão que não provamos que sua fé é impossível, e que a ausência de uma prova deste tipo dá-lhes uma razão para acreditar. Entretanto, estamos sempre falando sobre probabilidades. Portanto, mesmo que seja possível acreeditar à luz da quantidade de problemas enfrentados pela fé, ainda é uma fé improvável e isto deveria ser o suficiente.

10. Precisa denegrir as ciências a fim de manter a fé. Vejo isto com muita frequencia. Os crentes denigrem as ciências de inúmeras maneiras como o objetivo de acreditar. É o que sua fé lhes exige. Alguns crentes sequer fazem idéia do que estou falando. Como a ciência nos diz que orações não funcionam então elas não funcionam. Ela nos diz que o universo tem 13,7 bilhões de anos. Ela nos diz que as histórias sobre o nascimento de Jesus nos Evangelhos não podem ser verdadeiras; ela nos diz que virgens não podem dar à luz. Ela nos diz que pessoas mortas não podem se levantar corporalmente do túmulo. Cristãos devem denegrir as ciências a fim de crer. Ciência ou fé? A ciência possui um histórico de sucessos. A fé joga aviões contra arranha-céus. A ciência sempre, abaixe as mãos. Fim de papo.

P.S.: O texto sofreu ligeiras adaptações.

arte via Pensador

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 10 sintomas de um cristão iludido

17 Comentários

  1. às vezes os secularistas pegam pesado com suas generalizações e hostilidades, enquadrando toda pessoa de fé numa mesma categoria impiedosa e estúpida, sob a alegação da razão (“razão” deles), de idiotas. Mas diante da força desses argumentos pra que corroborar com essa tese, gente? rsrsrs

    • Eduardo Vianna disse:

      Bom, Wanderlan, se um crente me diz que o estado laico é um perigo, ou que está em marcha uma conspiração para “dominar o mundo” por parte “dos ateus”, ou que quem não tem “deus do coração” é um assassino em potencial, ou que temos ciência e tecnologia hoje graças ao cristianismo (!!!!!!!), ou que a Bíblia não prega em nenhum momento a escravidão e a opressão, ou quando esse mesmo crente decidir que serei torturado para todo o sempre pelo amor de deus, você acha que eu não devo classificá-lo como um perfeito imbecil, a ele e aos seus companheiros de militância religiosa?

      • Eduardo, vc leu com muita pressa o que eu disse. E nem todos os cristãos  leem a bíblia da mesma forma (nem tds são fundamentalistas), nem tem a mesma teologia e nem tem a mesma teoria e práxis em relação ao resto do mundo (inclusive os ateus). Então, quando algum cristão agir em relação a você como um imbecil, segundo suas palavras, NÃO JULGUE A TODOS a partir dele. A minha crítica quanto aos secularistas (não todos, ms a maioria talvez, inclusive vc, parece-me) é a respeito dessas 
        generalizações e hostilidades, que não são nada racionais, mas preconceituosas e muitas vezes coléricas (por isso irracionais e muitas vezes estúpida, assim como é comum entre os religiosos).

        • Eduardo Vianna disse:

          Não, não li o que você escreveu com pressa não. O caso todo é muito simples. Se você tem uma visão religiosa, o problema é seu — ou a virtude é sua, não sei, isso é uma questão pessoal. Agora, vá ver como é que a militância religiosa, estou me referindo principalmente aos cultos pentecostais, comportam-se no meio da sociedade, nos meios de comunicação, etc. Eu nunca vi, por exemplo, nenhum militante religioso criticando o Datena por dizer que ateus são bandidos, nem nunca vi nenhum deles dizer que a sua igreja está abusando da sociedade por não pagar impostos. O que eu vejo da parte de TODOS eles é a promessa de que o inferno está à espera dos OUTROS — sempre os outros, o obscurantismo político ou religioso é sempre isso aí. Ou estou enganado? Ou você conhece pastores ou membros do rebanho pentecostal sinceramente interessados em discutir uma sociedade mais equilibrada, contra todo tipo de histeria? Eu julgo aquilo que vejo e conheço. E, repare: sem precisar ameaçar ninguém com uma ridícula e impossível danação eterna — afinal, nem mesmo o Universo é eterno. Não estou me referindo a ninguém em particular: estou me referindo a alguns dados culturais de uma época, majoritários, sim, senhor.

          • Majoritário, sim, “TODOS”, NÃO − eu e o Pava por exemplo, somos exceções, cara… (e conheço tantos outros q tbm são) Então para com isso. Deixe essa postura hostil com os religiosos de plantão, seja diferente, mostre a outra face, dê uma lição neles. Também não ponha na religião a raiz do problema, ms entenda que por traz dela há quase uma unanimidade de pessoas simples, sem sofisticação intelectual e que acredita que vendo o mundo em branco e preto serão mais felizes ao enfrentar os desafios de um mundo cada vez mais caótico. Pega leve. De vez em quando é interessante se por no lugar do outro pra dar leveza a vida. Tanta pressão pode fuder com todos, entende? Um bom feriado e boas festas. Tudo de bom pra vc, Eduardo, de coração!

            Recomendo este artigo do Leonardo Boff: http://goo.gl/40Xbe

          • Eduardo Vianna disse:

            Sim, em nenhum momento eu disse TODOS… De qualquer maneira, você poderia responder a algum dos questionamentos absolutamente objetivos que eu fiz e continuo fazendo, o campo subjetivo não me satisfaz, e me interessa apenas às vezes. Não tenho nenhuma necessidade de “pegar leve”, como você diz, já que estamos discutindo não as opções religiosas ou não religiosas de cada um (foro íntimo, não me meto nisso), mas os rumos de uma sociedade. Não tenho que ser “piedoso”, uma vez que não é isso que eu prego. E não tenho absolutamente nada contra as religiões, desde que mantenham-se em seu devido lugar, sem se sentirem no direito de dizer o que deve ser, por exemplo, os currículos empregados na educação pública; desde que paguem impostos; desde que abram mão de seus pequenos e grandes impérios midiáticos de rádio e TV, e desde que abandonem aquelas aberrações políticas do tipo “bancada evangélica” nas câmaras de deputados. Eis aqui uma conversa muito direta e concreta, não é mesmo?
            Tudo de bom pra você também, e também desejo isso de coração.

          • Eduardo Vianna disse:

            Só mais uma coisinha, Wanderlan. De fato, eu disse, a certa altura, “todos”, quando deveria dizer “quase todos”. Mas você compreenderá e perdoará esse pequeno excesso se levar em consideração os abusos francamente inadmissíveis, da parte das igrejas e da ideologia das igrejas, a que estou me referindo nesta conversa. Abraços. 

          • Eduardo Vianna disse:

            Mais uma coisa, Wanderlan. Nós dois estamos discutindo por escrito, e tenho a impressão de que, se estivéssemos conversando um na frente do outro, eu pareceria menos agressivo, ou menos beligerante, mesmo dizendo exatamente o que estou dizendo aqui por escrito. E vou pedir a você que me diga, por favor, que opinião tem dos assuntos que estou abordando aqui. Abraços. 

  2. Entendo que esta lista também é aplicável aos ateus.

  3. 1) Ter nascido e crescido num ambiente cristão não valida o cristianismo. O que valida o cristianismo é crer na sua proposta de e uma experiência com Jesus.

    2) É impossível ao home comum não ter dúvidas, dado que a verdade que nos é disponível não é plena, mas parte dela. Antes a dúvida nos aproxima de Deus considerando o entendimento de que somente ele tem as respostas.

    3) Realmente, o fato de ler somente aquilo que se auto-declara cristão não nos impede de estarmos alienados da verdade. É preciso acessar a informação que parecer ter valor idenpendentemente de quem a assina, retendo o que for bom e levam as dúvidas ao Deus que creio ter as respostas de todas as questões.

    4) O fato de não realizar viagens longas não tem por imposição somente a opção cultural. Tem também o aspecto financeiro dentre outros.
    Isto vencido, entendo que ver como outras pessoas vivem sem crer no cristianismo é de vital importância para aferir as diferenças, num exercício de insenção de convicções para a construção da verdade em nosso interior. Essa é  a visão de um verdadeiro missionário.

    5) É inexplicável um cristão não se aprofundar no estudo do cristianismo. Entendo que isso seja válido para qualquer opção de vida.

    6) Mentira não provém do cristianismo, mas da necessidade de confronto com a verdade. Religião não é cristianismo.

    7) Não há problema algum em pregar. O problema é estabelecer esta forma como única de comunicação.
    Há muitos ateus pregadores.

    8) A fé cristã se baseia em compreender os ensinos de Cristo como verdadeiros e conhecer o próprio Cristo. Isso ocorrendo, poderão haver outras evidências, mas todas de menor valor.

    9) Se existem dúvidas para quem se permitiu conhecer Deus, quaisquer afirmações (venham de onde vierem) às questões de dúvida precisam ser convicentes. O erro é fazer da dúvida uma certeza.

    10) A fé não precisa vencer ou denegrir a ciência. Se a ciência é um elemento de busca da verdade então é aliada da fé. Contudo há que se levar em conta a validade relativa das questões científicas que são derrubadas quando surge uma nova evidência mais concreta.

  4. Desafiando Limites Vencendo Ba disse:

    às vezes, eu tenho dúvidas (posso, né?) do tipo de fé esposada pelo Pava… parece q a complacência dele com o ateísmo se torna quase um flerte.

    além de outras coisinhas mais.

    todavia, essas msg nos levam a ver um outro prisma na discussão, e nos forçam a amadurecer e crescer em nossa fé, mas confesso q acho chato ficar lendo um “elogio rasgado” a uma pessoa q chama os cristãos (embora alguns mereçam o epíteto) de alienados e iludidos

  5. Desafiando Limites Vencendo Ba disse:

    bem, Edu, se vc não tiver culpa no cartório, não há pq se preocupar, certo?

    afinal, uma das características do Deus da Bíblia é a justiça. Certamente vc não será condenado se for inocente, já q Ele tem todas as evidências à disposição, e  nada pode se pode se esconder de Sua presença.

    desc. mas não consigo mais enxergar o q escrevo… esse Discus…

    abs, e boas festas, afinal ateu tb é gente, né!

    =)

    • Eduardo Vianna disse:

      Mas é evidente que eu tenho “culpa no cartório”, exatamente como você! Ou estou enganado? Diga-me aqui uma coisa: você se considera “inocente”? Você não tem nada a esconder, nem uns podres bacanas aí que não confessa nem pra si? Ora, francamente!

      Boas festas pra você também.

  6. Paulo disse:

    A Crença na existência de um Ser supremo, o Deus, está enraizada na alma de todos os seres humanos. Amar a vida e crer ela terá prosseguimento após a morte física é um direito de cada um. O Hinduísmo, a religião mais antiga com um nome, mais antiga do que o Judaísmo,  ele crê na existência de uma divindade superior, que governa a vida.  

    Quem ama a vida e aqueles que têm esperança de encontrar a fonte da vida eterna não se deixa iludir por pregações “ateístas” ou deístas.

    A diferença entre a segunda religião mais antiga, com um nome, (Judaísmo), para o Cristianismo é que os primeiros,  esperam o Messias que os fará vencer o mundo; o segundo crê que Jesus, o Cristo é realmente o enviado por Deus que nos fará vencer a morte.
    Como Ele mesmo disse: a iniquidade prevalecerá no final dos tempos e por isso a fé de muitos esfriará. A natureza humana é pecaminoso e perversa. Precisamos educar as pessoas a tentarem ser boas, casos contrário se tornaram em manchetes de notíciários…

    O verdadeiro ateu não se envolve com coisas espirituais! Quem publicou os 10 sintomas deve ser um agnóstico, que talvez espere conseguir curtir a vida aqui neste mundo, ou que talvez tenha buscado no Cristianismo as coisas materiais que esses falsos pregadores alardeiam por aí usando o nome de Jesus. A Bíblia, o Livro mais antigo e lido do mundo, ensina os verdadeiros cristãos a reconhecerem os falsos profetas divinos e como se defenderem deles: aí está o motivo pelo qual as Escrituras S gradas do Judaísmo e do Crsitianismo são tão atacadas e tantas tentam denegrir sua veracidade.

    Agora fica uma pergunta para meditação de vocês: Qual é a força espiritual que leva certas pessoas a passarem boa parte de seus poucos tempos de vida (sim pouco tempo: 120 anos não é pouco em relação a Eternidade?) a perseguir a cristandade? Só porque ensina que a humanidade foi criada a semelhança de Deus e que o  livre arbítrio nos leva a pecar e nos leva para o Hades? Para a morte espiritual? Que precisamos de Cristo para nos ensinar a andar em santidade se quizermos viver eternamente? Cada um pode falar o que pensa, porem, Deus não se deixa escarnecer e cada um, naquele dia dará conta não só de seus atos, mas, de suas palavras também. Abram os olhos espirituais.

    • Eduardo Vianna disse:

      Escreveu, escreveu, escreveu, apenas para chegar ao seu pequenino ponto de “triunfo”: Deus castiga, e ai de meio mundo!
      Deixa eu te perguntar uma coisa, meu caro. Você não tem medo de ir pro inferno não? Olha lá: o Supremo Juíz pode se ofender com essa história de você querer cumprir o papel Dele, porque que quem dá juízo é Ele e só Ele.
      E tenho uma boa notícia para você: cada vez mais gente no mundo inteiro não se assusta nem um pouquinho com essas ameaças em torno do Inferno. Veja que maravilha: você e um punhado de escolhidos, que já estão salvos, terão motivos de sobra para se deleitar no dia do Juízo. Alegre-se: há de ser uma uma verdadeira carnificina, comparável em bestialidade apenas ao cerco de Jericó. 

    • Samuel Bertolini disse:

      Chega a ser grosseiro dizer que hinduísmo e judaísmo são as primeiras religiões com nome. Todos os povos em toda a história tiveram seu credo com nome. A diferença é que nem todos viveram até os dias de hoje para contar sua história.

  7. Eduardo Vianna disse:

    Mas escuta, como eu não tenho nada melhor pra fazer, pelo menos na opinião de muitos “cristãos”, lá vai…
    Fiz alguns questionamentos aqui, que ninguém respondeu. Será que nenhum “cristão” ao menos se digna a pensar sobre esses assuntos? Que coisa!
    O tal de Wandelan aí se limitou a me desautorizar. E é só isso? A menos que tenham coisas muitíssimo melhores sobre as quais pensar (como a danação eterna, por exemplo). Nese caso, bem, não reclamem quando os “cristãos” forem apontados apenas como motivo de riso. Seus autistas! Depois não reclamem quando os ateus disserem que o único “cristão” morreu na Cruz.

Deixe o seu comentário