Pastora é acusada de escravizar criança indígena em Goiás

Publicado na Folha.com

Uma pastora evangélica foi denunciada pelo Ministério Público Federal em Goiás por submeter uma criança indígena de 11 anos a uma condição análoga à escravidão em Goiânia (GO).

De acordo com a Procuradoria, a criança foi forçada a fazer trabalhos domésticos na casa da pastora entre maio de 2009 e novembro de 2010.

A criança é de uma aldeia que fica em Barra das Garças (MT) e foi para Goiânia para um tratamento médico.

O pai da menina procurou a igreja para receber apoio material e religioso. Ela então foi entregue aos cuidados da pastora.

A ação afirma que a criança era obrigada, entre outras tarefas, a limpar o banheiro e o chão da casa, lavar e passar roupas e lavar a louça.

“Aproveitando-se de sua pobreza e necessidade, submeteu-a, com vontade livre e consciente, a exaustivos e penosos serviços domésticos de natureza contínua, explorando-a”, diz o procurador Daniel de Resende Salgado, autor da ação.

Segundo o procurador, a pastora costumava ameaçar a criança a castigos e a submetia a longas horas de trabalho doméstico.

O procurador diz que a criança não era paga pelo serviço e humilhada ao ser chamada de “mucama”.

A criança foi também obrigada a distribuir panfletos da igreja na cidade.

De acordo com Salgado, os professores onde a menina estudava perceberam que ela sempre aparentava cansaço, indisposição e hematomas.

Pelo pedido da Procuradoria, a pena pode chegar a 16 anos de prisão.

A reportagem ligou para a igreja, mas não foi atendida até a publicação da notícia.

dica do Rogério Augusto

a área de comentários mostra a (péssima) avaliação que o rebanho obtém da população em geral.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Pastora é acusada de escravizar criança indígena em Goiás

2 Comentários

  1. Marília Liz disse:

    ” é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã “. O que me preocupa é que, esse pai que confiou na pastora e na igreja, será um cara decepcionado com a instituição “igreja” pra sempre. Melhor seria se tivesse amarrado uma pedra ao pescoço e se jogado no precipício do que fazer tropeçar algum pequenino. Lamentável.

Deixe o seu comentário