Terceira parte do projeto bíblico da Record, “Rei Davi” repete falhas

Mauricio Stycer, no UOL

Depois de “A História de Ester” (2010) e “Sansão e Dalila” (2011), a Record exibe neste início de 2012 a minissérie “Rei Davi”. A esta altura já não é mais possível refletir sobre uma delas sem pensar no conjunto. Trata-se, nitidamente, de um projeto.

Como as duas anteriores, esta também é uma superprodução salpicada de efeitos especiais, grande elenco e exageros dramáticos. Turbinadas por orçamentos milionários, “A História de Ester” e “Sansão e Dalila” apresentaram resultados não mais que medianos em matéria de audiência.

Com um investimento anunciado de R$ 25 milhões para realizar 29 capítulos, “Rei Davi” supera a aposta feita em “Sansão e Dalila”, que consumiu, segundo a Record, R$ 13 milhões em seus 18 capítulos.

A cena de abertura do episódio de estreia, uma batalha feroz do exército comandado pelo rei Saul contra inimigos dos israelitas, de fato, causou ótima impressão. Mas dificuldades vistas nas duas outras minisséries continuam sem solução.

Ainda não foi encontrado o tom adequado ao texto. É visível, em diversas passagens, como as frases empostadas não cabem na boca dos atores, dando a impressão de que estão declamando num teatro escolar.

Falta também inspiração à direção e ao elenco, meio perdidos no esforço de naturalizar um mundo que tem os pés fincados muito mais na lenda do que na história. Gracindo Jr. ia bem no papel de Saul até que, atormentado, saiu girando feito um doido, sem direção, pelo acampamento onde vive.

As histórias bíblicas se prestam às mais variadas leituras e interpretações. O tema principal dos dois primeiros capítulos do “Rei Davi” foi a desobediência do rei Saul a uma ordem de Deus, transmitida pelo profeta Samuel. O erro terá consequências terríveis para o rei e seus súditos, já anunciou o sumo-sacerdote Aimeleque.

Pecados mais terrenos também tiveram lugar na trama, em especial a inveja. Ungido por Deus para suceder Saul, Davi despertou a ira de um de seus irmãos mais velhos, Eliabe, que se julgava mais preparado para a função. Igualmente, Mical, filha de Saul, sente inveja da irmã, Merabe.

Um terceiro tema destes primeiros dois capítulos foi a idolatria e a feitiçaria. Os judeus acreditam apenas em um Deus, mas em meio ao povo há aqueles cuja fé não é tão sólida e, por isso, recorrem a práticas condenadas pela religião.

Na apresentação da minissérie à imprensa, no início de janeiro, a autora, Vivian de Oliveira, preferiu realçar outros temas e características, que ainda não apareceram na trama. “Davi foi um ser humano cheio de qualidades e defeitos. Isso é o que mais me surpreende. Ele é um anti-herói: um homem digno, sensível e, ao mesmo tempo, capaz de mentir e fazer as maiores atrocidades para conseguir o amor de sua vida”.

É impossível, porém, não associar o interesse da Record pela temática bíblica aos laços da emissora com uma denominação cristã. Como se sabe, a emissora pertence a Edir Macedo, fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus.

No início de janeiro, circulou na internet um vídeo em que Macedo aparece comandando, de chicote na mão, uma sessão de exorcismo, destinada a expulsar o “demônio” do corpo de um rapaz. Entende-se ao longo dos trabalhos que este espírito do mal é “culpado” pela homossexualidade do jovem.

“Desgraçado… Presta atenção, você que está nos assistindo e está com problema semelhante a esse e quer se libertar, seja do homossexualismo, lesbianismo, prostituição, qualquer que seja o problema que você esteja enfrentando, que você sabe que tenha origem no inferno, junte-se a nós”, convida Macedo. Livre do “demo”, ao final da sessão, o rapaz volta “a falar grosso”, observa o líder da Universal.

No segundo episódio de “Rei Davi”, assistiu-se ao apedrejamento de uma feiticeira, acusada de recorrer a espíritos para fazer “trabalhos”. O rei Saul atira a primeira pedra, sendo seguido por seus súditos. A cena é assistida pela mulher do rei e uma das filhas, que haviam encomendado um “trabalho” para a feiticeira, mas fingem não conhecê-la, não fazem nada para ajudá-la e ainda se juntam aos que a apedrejam.

É uma cena repleta de significados, mas especialmente impressionante para quem viu o bispo Edir Macedo em ação, com chicote na mão, expulsando o “diabo” do corpo de um ex-obreiro da sua igreja.

Em tempo: Mais informações sobre a minissérie podem ser lidas aqui. Sobre a boa audiência dos dois primeiros episódios, leia aqui e aqui.

foto: Michel Ângelo/Record

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Terceira parte do projeto bíblico da Record, “Rei Davi” repete falhas

1 Comentário

  1. Marcelo disse:

    TÔ ACHANDO QUE ESTE SITE É DA GLOBO, POIS SÓ UM CEGO OU UM CONCORRENTE PODE FALAR DE “REI DAVI”, CONCORDO QUE ESTER FOI + -, SANSÃO MELHOROU MUITO, E A RECORD CHEGOU A PERFEIÇÃO COM REI DAVI, POIS A PRODUÇÃO ESTA EXCELENTE, O APERFEIÇOAMENTO VEM COM A ESPERIÊNCIA.

Deixe o seu comentário