A Graça, a Desgraça e os Engraçadinhos

Maurício Boehme, no blog Eletro-acústico

Cena 1: um pastor de uma comunidade local é afastado de suas funções por causa de um problema moral. Homem bom, esforçado, respeitado por todos, tendo servido a sua igreja a quase duas décadas agora se vê na situação de ter que entregar suas funções. Os comentários negativos e acusações florescem com uma rapidez impressionantes. Todo o passado, tudo o que foi feito, toda aquela folha de serviços prestados à comunidade e às pessoas foi jogada fora. Não há perdão para um líder que erra. A comunidade que ele pastoreou muitos anos agora retribui com uma postura dura e legalista. Falta a todos um pouco de Graça.

Cena 2: um líder de jovens esforçado e responsável de repente se vê ás voltas com um antigo vício. A carne fala mais alto e ele é flagrado num comportamento não condizente aos da nova vida. Como consequência pelos erros e pelo escândalo a que expôs a comunidade e seus liderados, ele é afastado de suas funções. A melhor maneira de refletir sobre a atitude errada é perder aquilo que mais se gosta de fazer, dizem alguns. Longe das atividades, da comunhão, do serviço e da Ceia, ele tenta reconstruir o que foi derrubado pelo pecado. Pensa em como será duro reconsquistar a confiança e o perdão de todos novamente. É um desgraçado, por ter se afastado da graça.

Cena 3: O carnaval se aproxima, e muitos se sentem animados a frequentar os bailes da vida. Um convite me chama a atenção: alguém diz que se você está sem idéias sobre qual fantasia usar nos bailes, a solução é você pegar aquela máscara que é usada todos os domingos na igreja e usá-la na folia. Opinião boba, mas que reflete o descompromisso de alguns cristãos e a vida dupla que vivem na dualidade do sacro/profano, “igreja/mundo”. Esses que usam as máscaras são uns engraçadinhos.

Esses três grupos são reais e vivem ao nosso redor a todo instante: os da graça,os  des-graçados e os engraçadinhos. Faltam os da graça em nosso meio, nós os que somos ás vezes desgraçados e por outras engraçadinhos. Faltam aqueles que exalam as qualidade de Cristo, pessoas que nos façam pensar sobre como deveríamos ser realmente.

Sobram um nosso meio os engraçadinhos. São aqueles que  brincam de espiritualidade e de ser discípulo. Nós, os engraçadinhos, usamos essa fantasia de ovelha e saímos com um comportamento de lobo. Pintamos a casa por fora, mas pelo lado de dentro o cheiro de lixo é insuportável. Saímos pelo mundo cantando, orando, pregando, testemunhando… mas tudo isso é vão, assim como vazio é o nosso interior.

Ao nosso redor estão os  desgraçados. São aquele a quem a vida castigou, são vítimas dos engraçadinhos. Pessoas que clamam por misericórdia e perdão e só encontram em nós acusação e mais culpa.

Precisamos urgentemente que a Graça de Deus seja derramada sobre nós, os engraçadinhos, para que uma vez transformados possamos levar a Graça aos desgraçados.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A Graça, a Desgraça e os Engraçadinhos

1 Comentário

  1. Adriana Abreu disse:

    Lindo!!!!!!
    E que saibamos, de uma vez por todas, que “propagar o Reino” é justamente propagar a graça de Deus!

Deixe o seu comentário