Deputado federal defende que pôquer seja praticado nas escolas como esporte

Gustavo Franceschini, no UOL

O deputado federal Walter Feldman, entusiasta do pôquer, foi longe ao avaliar a modalidade, na última sexta-feira. Na abertura da etapa final do circuito latino-americano (LAPT, na sigla em inglês), o ex-secretário de esporte de São Paulo disse que o pôquer deveria chegar às escolas.

“Eu falei no ano passado e isso gerou uma grande polêmica. E eu falo de novo. O pôquer deveria ser introduzido nas escolas. A queda do preconceito fará do pôquer um dos esportes mais importantes do país”, opinou Feldman, que tenta aproximar a prática do pôquer com a do xadrez, que já é praticado em clubes-escola da prefeitura de São Paulo.

Mais que uma proposta, a declaração é uma manifestação de apoio de Feldman ao esporte. De volta a Brasília depois de um tempo em Londres, o ex-secretário paulistano diz que primeiro tem de inserir o pôquer na lista de temas a serem discutidos pelos deputados na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara.

Somente depois disso Feldman proporia algo mais concreto. A prioridade dos praticantes é regulamentar a atividade, com a implantação de um sistema de tributação específica para o pôquer, além de outras regras.

O político foi convidado de honra da abertura do LAPT, que acontece até o fim do Carnaval em um hotel de São Paulo. Quando ainda era secretário, Feldman foi a Bahamas acompanhar um torneio de pôquer, comprou a briga da modalidade e costurou o acordo que levou a capital paulista a sediar o evento de abertura do circuito latino-americano, no ano passado.

Agora, São Paulo recebe a etapa que encerra a quarta temporada do LAPT depois de o esporte ter sido reconhecido pela Associação Internacional de Esportes da Mente e de ter recebido o “aval” do Ministério do Esporte brasileiro. Para o deputado, o estigma de que se trata de um jogo de azar já ficou para trás.

“Queria que a Poker Stars [patrocinadora do evento] convencesse Hollywood a fazer um novo filme de pôquer. Porque a imagem que a gente tem é por conta do cinema, com cassinos e mafiosos, e não é nada disso”, disse Feldman.

Realizado paralelamente ao Carnaval, o evento trouxe para o país alguns nomes de destaque do esporte no mundo. Daniel Negreanu é o grande astro da festa. Dono de quatro vitórias no circuito mais importante do pôquer mundial, o canadense é o convidado de honra do LAPT.

“Quero vir para cá há anos. Meus amigos brasileiros falam muito bem do país quando vão a Las Vegas jogar. Sei que aqui tem mulheres lindas. quero ver vocês no Carnaval”, disse Negreanu, em sua breve apresentação. Ao todo, 340 pessoas, entre jogadores amadores e profissionais, estão na disputa pelo prêmio principal, que será decidido na próxima segunda.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Deputado federal defende que pôquer seja praticado nas escolas como esporte

4 Comentários

  1. Ana Paula disse:

    É, meu caro pavarini, a Educação no Brasil está passando por uma crise intensa, pois ninguém mais quer se formar para ser educador, muito menos fazer pós-graduação, então vai aparecer muita gente dando palpite, e  o perigo é piorar. Falta quem põe a mão na massa na Educação, mas é muito trabalhoso, exige muito esforço, muita boa vontade e paciência, fora que o salário é uma vergonha, então optam por outros cursos que a remuneração é maior.

  2. Marcio Redondo disse:

    Não sabia que o Feldman resolveu ser humorista. Lamentável.

  3. Marcos disse:

    ” foi longe ao avaliar a modalidade” ???? Que discriminação hein!

  4. Cilly_01 disse:

    De fato, a Educação no Brasil é extremamente carente, de tudo: professores melhor remunerados; escolas decentes; disciplinas que despertem os alunos para a criatividade, para a vida, etc etc. Mas se tem uma coisa que as escolas não precisam é de pôquer, como não precisam de crack. Ambos vícios condenáveis, que destróem lares e famílias. O pôquer não tem nada de “atividade intelectual”. Caso o deputado Feldman não conheça, posso apresentar a ele várias associações que tratam de jogadores compulsivos que perderam TUDO por causa desse jogo. Bem que o deputado podia aproveitar a sua estadia em Brasília para tratar de assuntos realmente de interesse da sociedade, que paga os pesados impostos e também o seu salário…

Deixe o seu comentário