A oração é ato político

Sostenes Lima, no blog dele

“A oração é ato político, energia social, bem público. Ela molda a vida da nação muito mais do que a legislação. O fato de não termos sido  ainda dominados pela anarquia deve-se muito mais à oração do que à polícia. É um ato permanente e intricado de patriotismo no sentido mais amplo da palavra –  muito mais preciso, amorosa e protetor do que qualquer patriotismo declarado em slogans. A possibilidade de viver na sociedade e o renascimento da esperança se devem à oração e não à prosperidade empresarial ou ao florescimento das artes. O ato mais importante para despertar toda saúde e força que há em nossa terra é a oração” [Eugene Peterson. Onde está o seu tesouro. Niterói: Textus, 2005].

Resta saber que tipo de oração é um ato político. Certamente não é a oração congregacional e alienante que tanto vemos em algumas igrejas evangélicas e nas neopentecostais.

Aqueles recitais de magias disfarçadas de oração são muito mais uma forma de escoamento de neuroses e artefatos discursivos que garantem fidelização de uma clientela religiosa.

A oração como ato político não é ensimesmada, não busca prioritariamente o bem-estar individual, não comunga com os valores de uma sociedade de consumo. A oração como um ato político é o sermão do monte efervescendo na alma.

Recortes de promessas triunfalistas, contidas em alguma parte da bíblia e repetidas como mantras, não podem ser de forma alguma um ato político.

Essas pseudo-orações não passam de fórmulas mágicas, que apenas potencializam o desejo individual de sucesso e poder, sem qualquer ressonância nos aspectos ético-políticos da vida social.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A oração é ato político

2 Comentários

  1. Theo Oliveira disse:

    A oração pode ser considerada qualquer coisa até bide de banheiro. O discurso escorregadio de dizer que a oração política é o sentido mais biblico, logo, o correto e os outros, tipificados apenas nos exemplos ruins afirmando que o espiritual é apenas alienatório e promotor do consumismo é transcrever apenas politica e pouca biblica… A alienação pode ser encontrada até no mais politico dos politicos (é apenas ver nossa situação politica), mas isso não desmerece e não deve ser usado para trampolim para politicagem do Cristianismo sob o pretexto de ser o sentido biblico da mensagem do monte… A mensagem do monte tanto não é politicista quanto não é espiritualista… Sempre me lembro quando encontro esse tipo de texto, usando Jõao 6:15 ¨Sabendo, pois, Jesus que haviam de vir arrebatá-lo, para o fazerem rei, tornou a retirar-se, ele só, para o monte.¨

Deixe o seu comentário