A minhoca, Deus e os seus interesses da nação

Josias de Souza, no UOL

Como a democracia brasileira é muito nova, as pessoas às vezes se perguntam: é isso mesmo? A resposta não chega. Mas a pergunta sofre mutações: então é assim que funciona, começa num voto e termina num Ministério da Pesca?

Penúltimo resultado do modelo, o senador Marcelo Crivella foi empossado ministro. Ao discursar, rogou à nova chefe que não fique “triste em ter um ministro da Pesca que não é um especialista, que não sabe colocar a minhoca no anzol.”

Contemporizou: “Colocar minhoca no anzol a gente aprende rápido. Aprender a pensar nos outros é que é difícil.” Bispo licenciado da igreja Universal, enfiou o Padre Eterno na desconversa:

“Queria, presidenta, dizer pra senhora que eu aprendi uma coisa na vida: muitas vezes, Deus não chama os mais qualificados, não escolhe os mais qualificados. Mas sempre Deus qualifica os escolhidos.”

Ao se despedir do antecessor de Crivella, o petista Luiz Sérgio, Dilma chorou. Parecia lamentar a troca. Mas realçou que seu governo não é diferente dos anteriores. Impossível prescindir das composições políticas.

“Nisso, meu governo não é diferente. Esse é um país externamente complexo, múltiplo e democrático. Assim sendo, a constituição de alianças políticas é essencial para que o Brasil seja administrado, governado de forma democrática e, ao mesmo tempo, que o governo represente os interesses da nação.”

Sim, caro navegante. Você, que é parte desse “país complexo”, talvez não saiba. Mas a existência de um Ministério da Pesca, submetido a ministros que não sabem distinguir o lambari da baleia, atende aos seus nobres “interesses”.

imagem: x.aindamelhor

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A minhoca, Deus e os seus interesses da nação

2 Comentários

  1. Stol disse:

    Excelente texto.
    Eficaz.
    O pior de tudo é que esse tipo de situação atinge inclusive os que não votaram nela para presidente e alguns dos muitos que votaram, mesmo não concordando com tal fato, ao serem questionados, tentarão sustentar sua opinião de que ela tem razão e blá, blá, blá…
    Lamentável.

Deixe o seu comentário