Catadora de material reciclável entra na USP

Laíssa Sobral, 19, em cooperativa na Granja Viana; ela está cursando gestão ambiental na USP
Laíssa Sobral, 19, em cooperativa na Granja Julieta; ela está cursando gestão ambiental na USP

Luisa Alcantara e Silva, na Folha de S.Paulo [via Folha.com]

Laíssa Sobral, 19, nunca gostou muito de estudar, mas, com a “filosofia” -vivida na pele, como ela diz- de que pobre não é ouvido, decidiu, há dois anos, ter o diploma de curso superior. E hoje cursa gestão ambiental na USP.

A vontade de fazer faculdade começou a cutucá-la no 2º ano do ensino médio, em 2009.

Ela trabalhava como catadora de material reciclável na cooperativa Granja Julieta (zona sul de São Paulo), da qual sua mãe já era presidente, e, após um incêndio que destruiu o local, se engajou para conseguir um novo espaço.

Em meio à luta, conheceu ONGs e fez amigos universitários. E percebeu que, com um diploma, teria mais chance de lutar pela cooperativa.

Um dia sua mãe, Mara Lúcia Sobral, 46, foi a uma palestra sobre gestão ambiental e comentou com Laíssa, que se interessou e falou sobre o tema com uma professora de geografia, que lhe passou informações sobre cursos.

APOIO

Foram poucos os incentivos que teve na vida escolar. Ela conta que apenas quatro docentes a estimularam a se interessar pelos estudos.

Mas, se tinha pouco incentivo no colégio, na cooperativa tinha dona Josefa, uma das cooperadas. “Ela corria com um pau atrás de mim para me fazer ir para a aula”, lembra.

Com nove irmãos sob o mesmo teto -hoje são 12-, Laíssa ia estudar numa praça. Sua mãe não terminou o ensino fundamental, mas sempre obrigou os filhos a ler. E a fazer alguma atividade cultural.

Sua escolha foi pelo teatro. E assim conheceu um grupo que fazia saraus “na quebrada mesmo”, e viu crescer seu interesse em virar universitária.

Estudou e entrou no curso de gestão ambiental da FMU em 2011. Mas a vida era difícil. Faculdade particular: R$ 515 por mês. Transporte: R$ 250. Renda na cooperativa: R$ 800.

Ouviu, então, falar de uma incubadora de cooperativas da USP e resolveu prestar concurso para trabalhar lá. Eram cerca de cem candidatos e só três -incluindo ela-entraram.

‘VIA SEDEX’

Laíssa resolveu, em junho, transferir a faculdade para a USP. Sem dinheiro para comprar os livros indicados no edital, recebeu ajuda de uma amiga, que fez campanha num blog. Livros, então, começaram a chegar. “Veio até via Sedex”, lembra. Resultado: ela foi aprovada no curso de gestão ambiental da USP Leste.

Questionada se pensa na trajetória de Graça Foster, presidente da Petrobras que foi catadora quando criança, diz: “Claro. É um exemplo a ser seguido. Mas a minha busca é para que toda a classe oprimida se torne importante”.

foto: Isadora Brant/Folhapress

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Catadora de material reciclável entra na USP

1 Comentário

  1. “Classe oprimida”… tá no curso errado a moça ¬¬” kkkk

    Sério agora. PARABÉNS a esta guerreira, que Deus a abençoe e a proteja.

Deixe o seu comentário