Teólogo norte-americano defende pena de morte para gays

Apesar de muita chuva, a Parada Gay 2011 arrastou uma multidão para a avenida Paulista Leia Mais

Vincent Cheung, no Monergismo

Casamento “gay”, certamente, significa casamento feliz [Nota do tradutor: no inglês, a palavra gay pode significar alegre]. Contudo, o debate que está acontecendo quase debaixo da rua de onde estou digitando esta mensagem, é sobre casamento homossexual. Talvez no futuro eu escreva sobre o homossexualismo com detalhes, seja num livro ou num artigo. Aqui explicarei somente a direção geral do meu pensamento sobre este assunto.

Até mesmo muitos cristãos que são contra o casamento homossexual, são ávidos em insistir que eles não querem discriminar os homossexuais e, portanto, eles não têm problemas com a “união civil”. Mas eu não faço esta concessão tão prontamente.

Sodomia tem sido uma ofensa criminosa em alguns Estados. Alguns de vocês provavelmente ouviram como policiais capturaram dois homens homossexuais no ato de sodomia no Texas, e lhes acusaram de sodomia. Os homens foram absolvidos porque a corte disse que a lei não deveria interferir em atos pessoais e consensuais entre adultos. Eu não estou familiarizado com os detalhes do caso, mas os detalhes não são importantes –– meu ponto é que o homossexualismo é tecnicamente ainda um crime em alguns lugares, e dizer que o homossexualismo deveria ser considerado um crime não seria inteiramente novidade.

O Antigo Testamento considera o homossexualismo não somente como uma ofensa criminosa, mas também como uma ofensa capital, merecedora de morte. Eu concordo com esta categorização e com esta punição, e há pelos menos uns poucos outros teólogos que também concordam com isto. Isto é apenas dizer que estamos de acordo com a Bíblia sobre o assunto. Assim, os cristãos não deveriam discutir tão apressadamente o casamento e a união civil entre homossexuais. O que eu quero discutir com o incrédulo é, em primeiro lugar, o porquê o homossexualismo não é um crime.

É porque ele é um ato ou um relacionamento entre dois adultos em consentimento? Primeiro, o que é um adulto? O Estado define arbitrariamente o adulto, de forma que uma pessoa de 17 anos de idade não conta. Segundo, por que o ato ou o relacionamento é permitido, se for entre adultos em consentimento? Isto é, antes de mais nada, por que a premissa é verdadeira? Terceiro, visto que todos os argumentos devem, no final das contas, escalar ao nível pressuposicional, devo perguntar finalmente se o ato ou relacionamento tem ou não o consentimento de Deus.

É porque o ato ou relacionamento não fere ninguém? Primeiro, qual é a definição de “ferir”? Se eu disser que o homossexualismo me causa nojo e tira o meu apetite, e, assim, que perco uma degustação perfeitamente deliciosa das coxas de galinha que minha esposa preparou para mim, isto não conta? Por que ou por que não? Ele me “fere” num sentido, não fere? Se ele rouba meu apetite, desperdiça o tempo da minha esposa e desaponta as coxas de galinhas que esperaram tanto tempo no forno, e tudo isto não conta como um “ferir”, então, sobre que tipo de ferir vocês estão falando? Eles devem definir e então defender a definição. Segundo, por que o ato ou o relacionamento deveria ser permitido, conquanto que ele não “fira” alguém? O que faz disto o padrão? E, este é o único padrão de moralidade, ou este é o único assunto para se determinar se o homossexualismo é certo ou errado? Por que ou por que não? Nós poderíamos continuar e continuar, mas como em qualquer outro assunto, o incrédulo não pode dar um só passo além do que lhe permitimos, visto que ele não tem justificativa para nenhum dos passos em seu processo de raciocínio.

Novamente, minha posição não é apenas que os homossexuais não devem se casar, mas que o homossexualismo é um crime, assim como o assassinato ou roubo, de forma que mesmo antes de considerar a união civil, devemos considerar o punir ou não aos homossexuais, com as possíveis punições, abrangendo desde a prisão à execução. Moralmente falando, a união civil e o casamento não deveriam nem sequer aparecer na lista de opções. Mesmo que a moralidade bíblica não requerisse castigo ou execução para o homossexualismo, certamente nenhum cristão deveria argumentar que os homossexuais têm o direito de ter união civil. Mas parece que a maioria dos cristãos não está suficientemente incomodada ou desgostosa com o homossexualismo.

Assim, por que o homossexualismo não é um crime? Por quê? Se eu permitir que a Bíblia defina o que é um crime e o que não é um crime, então, como eu posso não definir o homossexualismo como um crime? Mas, uma vez que alguém perguntar o porquê devo me submeter à definição da Bíblia, então, devemos ir além de uma confrontação sobre o homossexualismo somente, e entrar numa confrontação pressuposicional concernente às nossas diferentes cosmovisões. Assim, um debate ainda mais fundamental e produtivo poderá começar, e é um debate que podemos e devemos ganhar sempre.

Assim como em outros assuntos relacionados à apologética, os cristãos tendem a conceder muito terreno antes de traçar a linha delimitatória e permanecer firme. Assim, vigiem a si mesmos quando conversarem com incrédulos. Não conceda terreno nem permita premissas que você não tenha que conceder ou permitir. Embora as leis da nação possam não mudar para refletir o padrão bíblico, quando diz respeito a debates intelectuais sobre o assunto, não precisamos abrir mão de nada.

Vincent Cheung é o presidente da Reformation Ministries International [Ministério Reformado Internacional]. Ele é o autor de mais de vinte livros e centenas de palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia, apologética e espiritualidade.

tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto

dica do George Huxcley

foto: Nacho Doce/Reuters

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Teólogo norte-americano defende pena de morte para gays

11 Comentários

  1. Preconceituoso, tolo, ignorante, intolerante, anti-Cristo, anti-Reino de Deus, anti-Amor ao próximo…senti nojo tb, porém, deste arrogante e prepotente que vive um evangelho veterotestamentário…ganhar sempre todos os debates…que isso cara…eu to com Chesterton, “meus olhos se abriram quando percebi que as pessoas tem suas razões”.

    Menos religião e MAIS muito MAIS amor!!!

    • Ou seja, sua reação à opinião do teólogo foi intolerante. A intolerância só mudou de lado ideológico. Na verdade, na verdade, a conclusão a que se pode chegar é que não é possível ser tolerante com um tumor maligno que está em franco crescimento.

      • Não tolero mesmo ideologias e afirmações preconceituosas!!!

        “Ideológicamente” falando, esta é a minha opinião, apenas digo o que penso, sem tentar convencer ninguém da mesma.

        Minhas opiniões não tendem a fazer apologia ao homossexualismo, nem a homofobia, mas, faço questão de propagar a mensagem do Amor, a verdadeira religião!!!!

        Prego e tentarei viver o amor ao próximo Sempre, nem que isto me leve para o inferno!!! 

  2. Maria! disse:

    Sendo ele um teólogo deveria saber discernir o quão desgostosas são as palavras proferidas por ele nesse texto, visto que, primeiramente, o termo homossexualismo foi colocado em desuso desde a década de 90, quando tirado do manual de diagnóstico de doenças mentais (homossexualismo é um termo que denomina o homossexual como doente), como também que se formos levar em consideração cada ato considerado como um crime de acordo com a Bíblia, a sociedade como um TODO (aqui considerando até mesmo os cristãos mais persistentes na fé e seguidores fiéis da palavra) estaria totalmente perdida. 

    Ninguém é perfeito, todos temos os nossos defeitos e ainda sim Deus nos ama. Não acredito que a homossexualidade seja uma opção, mas sim uma condição, e cabe a nós cristãos, independente de religião, não só pregar, como também praticar aquilo que de mais valor Jesus nos ensinou: o “amar ao próximo como a ti mesmo”. Acredito que muitos cristãos, ou que se dizem cristãos, como o autor desse texto, esquecem de priorizar o que de fato importa, tentando através de falácias levar o povo a se focar em futilidades movidas por seu próprio ego e ideologia fracos.

  3. Chicco Sal disse:

    O grande problema com teólogos é que eles trabalham com hipóteses e teses enquanto os pastores é que trabalham com a realidade. É muito fácil vociferar ex-cathedra argumentos lógicos,mas muito difícil e muito mais complexo lidar com a vida tal como ela é. Pastores lidam com pessoas, com pessoas e seus problemas, suas angústias, receios e medos, também com suas alegrias. São os pastores que têm de acolher os que sofrem, chorar com os que choram, mais que qualquer um. E como lidar com situações conflituosas, delituosas, sem misericórdia e sem amor? 

    Se já não bastasse os falsos pastores, lobos vorazes dentre o rebanho, ainda vêm esses teólogos reducionistas falar bobagem…

  4. Joao Marinho disse:

    Acho esquisito que o dito teólogo misture alhos com bugalhos: “Novamente, minha posição não é apenas que os homossexuais não devem se
    casar, mas que o homossexualismo é um crime, assim como o assassinato ou
    roubo, de forma que mesmo antes de considerar a união civil, devemos
    considerar o punir ou não aos homossexuais, com as possíveis punições,
    abrangendo desde a prisão à execução. Moralmente falando, a união civil e
    o casamento não deveriam nem sequer aparecer na lista de opções. Mesmo
    que a moralidade bíblica não requerisse castigo ou execução para o
    homossexualismo, certamente nenhum cristão deveria argumentar que os
    homossexuais têm o direito de ter união civil”. O curioso é o que instituto da união civil é uma invenção das sociedades ocidentais modernas, visando a preservar os direitos dos não-casados: não existe nem a sombra de um instituto semelhante na Bíblia. Mesmo o casamento moderno difere do que consta na Bíblia e é extensivo a todos os cristãos, mas também a não-cristãos e ateus: segundo a Bíblia, tb pessoas passíveis de pena de morte por serem hereges ou idólatras. No mínimo, se quisesse fazer sentido e ser totalmente coerente, o pastor deveria defender a pena de morte a TODOS que não fossem cristãos. Como isso pega mal, distorce tudo, apenas para dar algum sentido a seu próprio ódio particular – os homossexuais. Uma análise simples mostra que ele não tem base alguma. E nem precisa ser teólogo para isso…

  5. Gutojardim disse:

    Rouli Gódi… Mas que babaca!!! Já não engolia o Cheung mas depois dessa tenho certeza de que de Deus esse cara não entende nada…

  6. Leo disse:

    Ele sente nojo dos gays e acha que por isso eles fazem mal. Tá. Zilhões de pessoas sentem nojo do que esse babaca escreve. Ele faz mal pra um monte de gente também 🙂
    Logo (usando os raciocínios dele) ele deve ir pra fogueira por tentativa de genocídio estomacal.

  7. Carácoles! “Se eu disser que o homossexualismo me causa nojo e tira o meu apetite, e, assim, que perco uma degustação perfeitamente deliciosa das coxas de galinha que minha esposa preparou para mim, isto não conta?” Cuma? Que sujeito mais sem noção! Tem certeza que ele é cristão?

  8. Queiroz disse:

    Este Cheung não é normal, tem sérios problemas psiquiátricos…

  9. vai dar o q falar! ou melhor, já está!

Deixe o seu comentário