Um semeador triste

Ricardo Gondim

Vez por outra um sentimento de inutilidade me aterroriza. Sinto-me como um lobo solitário a uivar para uma lua indiferente. Saio da cama pela manhã, sabendo que o universo não toma conhecimento de qualquer esforço meu. As rodas giram alheias à minha existência. Os dias se sucedem independente do que eu diga, fale, escreva. Não passo de um cisco que não altera a engrenagem da história.

Vivo num meio de caminho entre medíocres e gênios. Alguns elogiam textos meus. Não me iludo, sou mediano. Minha lavra não chegará à mesa de literatos, formadores de opinião, acadêmicos. Não ajudo nem atrapalho o desenrolar da política. Sem partilhar da genialidade dos mestres, não passo de meteoro sem nome a vagar no grande vazio sideral. Jamais escalado para a seleção dos extraordinários, sei: minha pífia contribuição não terá permanência histórica. Repousarei na vala onde os comuns jazem, condenados ao esquecimento eterno.

Não paro de tentar despejar-me no que faço, escrevo, falo. Caço a excelência. Faltam muitos detalhes: competência, pedigree, escolaridade, sintaxe, poesia, criatividade.

Sou semeador de ventos. As sementes que jogo não caem em terrenos bons. Amigo do profeta Ezequiel, guardo a sensação de falar a um povo de coração duro, que não quer ouvir. Por mais que me esforce, continuo incompreendido. Minha profecia soa glossolalia – língua estranha. Triste sina de quem vive da fala.

Encarno o Semeador, do poema de Aleksandr Púchkin (1823):

Eu semeador, deserto afora,
da liberdade, fui com mão
pura lançar, antes que a aurora
nascesse, o grão que revigora
nos sulcos vis da escravidão.
Mas todo o esforço foi em vão:
joguei vontade e tempo fora.

Pasce, pois eu te repudio,
ralé submissa e surda ao brio.
Libertar gado é faina ingrata,
pois gado se tosquia e mata.
Herda, por gerações a fio,
canga, chocalhos e chibata.

Talvez esse sentimento de inutilidade venha de uma vaidade messiânica há muito acalentada. Aquiesço: sou mal resolvido em diversas áreas. Às vezes impulsivo. Frequentemente amuado. Não importa. Vale a frustração. Mas se restar algum consolo, repito o lamento do Nazareno. Ele também se frustrou: “Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram!
[Lucas 13.34].

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Um semeador triste

Deixe o seu comentário