Os profetas: de Emicida a Isaías

Pedro Borges, no Balaio do Pedrão

Tenho uma trava quando escrevo. Sempre penso em parentes e parceiros de fé que abominam palavrões e assuntos mais picantes, violentos etc. Bobagem minha. Há coisas mais relevantes acontecendo no mundo, há urgências enfurecidas, há desesperos legítimos que não podem ser sufocados por regras de etiqueta ou pelo uso de uma ou outra palavra mais dura ou chula.

Emicida foi preso em Belo Horizonte ontem à noite, justamente no dia 13 de maio. A data e o motivo da prisão são tão violentamente simbólicos que não podem passar desapercebidos. O cantor e compositor foi detido por cantar uma de suas músicas, Dedo na ferida. Parece que a ferida ainda sangra e está bastante sensível.

Emicida volta a sua ira para as leis que servem aos ricos em detrimento dos pobres indefesos. “Pobres indefesos”, eu sei, é um clichê de pouca reverberação atualmente, mas quem não tem onde morar, é esquecido pelo governo e constrói sua casa em um terreno sem utilidade, de propriedade de um famoso e milionário especulador, desses que despreza a lei, pode ser muitas outras coisas, mas não deixa de ser pobre e indefeso. Sim, falamos da selvageria ocorrida no Pinheirinho. Emicida também fala em Dedo na ferida do ocorrido na cracolândia e em muitos outros lugares onde a violência é colocada na frente da humanidade, aparentemente para que a lei seja cumprida.

Acontece que as leis deveriam estar a favor da justiça, o que não acontece com a regularidade esperada. As leis deveriam estar atreladas ao bom-senso e não poderiam, em hipótese alguma, serem usadas como pretexto para proteger os afortunados. E a polícia não deveria ser confundida com agentes particulares de criminosos de colarinho branco.

É daí que vem a ira de Emicida. É daí que brotam as palavras rosnadas em Dedo na ferida. Nela, o raper nos lembra que um dos bairros mais nobre da Grande São Paulo, Alphaville, surgiu a partir de uma invasão. Invasão para que mansões fossem construídas. Fato que me lembra que em um bairro que eu conheço, muitas ruas não eram asfaltadas – ruas com mansões, vale ressaltar, transversais às avenidas, estas sim, pavimentadas – apenas para que seus moradores abastados – bairro erguido em área de mananciais, de forma bastante irregular – não pagassem IPTU elevado. Gente nojenta, essa.

A alegação da polícia para deter Emicida foi a de que ele teria incitado o público de um show à violência, levantando o dedo do meio, aquele mesmo que pode levar sua mãe a estapeá-lo caso você o mostre a alguém, para a polícia. Isso foi considerado desacato. Eu não estava no show, não vi imagens e não posso afirmar que o cantor não tivesse se excedido. Contudo, é fato escancarado que a polícia se excedeu na desocupação do Pinheirinho, que a polícia nunca foi enviada para desocupar terrenos ocupados por mansões. Até aí, apenas o silêncio indiferente de boa parte da população para Pinheirinho, Cracolância, assim como para a chacina de Eldorado dos Carajás, e para as carnificinas promovidas por policiais pelas favelas e campos Brasil adentro.

Comecei esta reflexão falando do meu receio em usar palavrões em meus textos. Isso se deve em parte pela minha vontade de não usar este recurso tão exageradamente usado por tantos escritores da atualidade, mas também ao receio de me ver dando muita explicação aos meus parceiros de fé, os protestantes evangélicos.

No entanto, boa parte desses meus parceiros andam muito mais preocupados em engrossar correntes homofóbicas, muitas vezes sendo mera massa de manobra nas mãos de pastores raivosos, como Silas Malafaia, sem se dar conta que o confronto com os gays tem sido travado de modo nada cristão, com mal disfarçadas incitações à violência e com uma intromissão na vida privada das pessoas que não encontra eco nas pregações de Jesus Cristo.

Esses meus irmãos, infelizmente, não se dão conta de que é necessário olhar e defender os desabrigados escorraçados de Pinheirinho, os viciados sem pente nem dente da Cracolância (felizmente, neste caso posso afirmar que a Primeira Igreja Batista de São Paulo não ignorou as vítimas das drogas que perambulam pelo centro da cidade), e acham que o diabo mora exclusivamente no meio dos homossexuais. O diabo, meus irmãos, também está no meio da igreja, habita em nosso descaso, nas inversões de prioridades, nos púlpitos parciais, entre os políticos corruptos, muitos dos quais nossos “irmãos”, e em todo tipo de injustiça.

Pensando nisso, a minha vontade é de gritar bem alto os mesmo palavrões que o Emicida vocifera em Dedo na ferida. Acho, exagerando nas tintas, que os palavrões do Emicida são o correspondente atual da nudez do profeta Isaías lá nos tempos veterotestamentários.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Os profetas: de Emicida a Isaías

Deixe o seu comentário