Quem inventou que as loiras são burras?

Publicado na Super

“Muitos males cercam a garota que estupidamente pinta seu cabelo com uma falsa cor.” A crítica do poeta Propércio, do século 1 a.C., visava as que clareavam seus cabelos para imitar as gaulesas e germânicas. Copiar mulheres de povos bárbaros, portanto estúpidos, era sinal de estupidez.

Mas Roma caiu, os bárbaros se civilizaram e o preconceito continua. A teoria para a duração do mito vem da biologia: “Fios louros são comuns em crianças e tendem a escurecer quando crescemos. Portanto, cabelos claros são associados a infantilidade, ingenuidade e menor habilidade com a linguagem” , diz a Encyclopedia of Hair. Prato cheio para Hollywood, Gabriel, o Pensador e o festival de piadas de Tom Cavalcante.

Mas as loiras têm motivos para comemorar: pesquisadores da Universidade de Queensland, Austrália, concluíram que elas têm salários 7% maiores do que mulheres com outra cor de cabelo. Por quê? Para David Johnston, coordenador do estudo, “A associação entre loiras e beleza prevalece sobre qualquer estereótipo de que elas sejam menos inteligentes”. É o machismo superando o preconceito.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Quem inventou que as loiras são burras?

1 Comentário

  1. badu disse:

    Nunca li tantas asneiras juntas!
    A cor do cabelo é associada à burrice simplesmente porque é um traço de superioridade estética em certas culturas. E a mulher que se enxerga como privilegiada pela beleza é bajulada e tratada diferente, de forma que passa a ficar muito mais voltada para as atenções do sexo oposto do que com lutar para ganhar a vida sozinha, sem poder contar com esse “apoio” extra. A beleza traz o favorecimento, que traz o comodismo que acomoda o cérebro e prejudica a inteligência. É tão difícil para  um cientista deduzir isso??? afff

    Quanto aos salários, simples: a cor do cabelo está relacionado a etnias que tem a supremacia econômica no mundo. E também supremacia cultural, já que uma coisa acaba vinculando à outra. Em nenhum dos casos tem nada a ver com inteligência congênita.

    Cientistas ridículos! pra variar…

Deixe o seu comentário